COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Gestão

Empresas ampliaram esforços de diversidade, equidade e inclusão nos últimos 12 meses

COMPARTILHE

Milene Schiavo: diversidade, equidade e inclusão é um tema decisivo na pauta das empresas | Crédito: Paulo Guimarães

O desenvolvimento de iniciativas focadas na diversidade, equidade e inclusão (DE&I) está cada vez mais presente nas empresas de todo o mundo e o cenário não é diferente no Brasil. De acordo com o estudo “DE&I pós-2020: progresso real ou ilusão?”, feito pela Korn Ferry, empresa global de consultoria organizacional, 85% das empresas aceleraram seus esforços de DE&I nos últimos 12 meses, sendo 46% delas progressivamente. A pesquisa analisou informações de 250 empresas no Brasil, de diversos setores, e apenas 14% das organizações avaliam que seus esforços de DE&I estão sendo muito efetivos.

Considerando apenas as empresas com mais de 15 mil colaboradores e aquelas com faturamento superior a US$ 10 bilhões, a porcentagem das que aceleraram os esforços sobe para 94% e 93%, respectivamente. “Todos os setores aceleraram os esforços de DE&I. Nos últimos anos um caminho foi percorrido pelas empresas no Brasil, começamos com a implementação de projetos de DE&I que vinham dos Estados Unidos e da Europa, mas agora podemos sentir uma diferença importante. É sempre bom quando as grandes companhias começam a fazer diferentes jornadas, pois criam tendências, se tornam referências para as empresas menores com as iniciativas de diversidade e inclusão, além de fomentar ainda mais as discussões sobre o tema”, explica a Líder Regional de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Cecília Pinzon.

PUBLICIDADE




Os dados mostram que os principais fatores que desencadearam essa aceleração foram o CEO / time executivo (70,3%), os colaboradores (65,9%), além de questões relacionadas a marca e reputação (57,6%), e ESG compliance (57,6%). Para a Diretora de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Milene Schiavo, a alta liderança tem um importante papel no desenvolvimento de ações e para fomentar as discussões sobre o tema.

“Muitos presidentes e CEO de empresas estão começando a entender que este é um tema muito importante e eles precisam trazer isso para dentro da organização. A alta liderança precisa ter a consciência do papel que exerce nesse processo. DE&I é um tema decisivo que precisam trazer, liderar e patrocinar, porque é uma questão estratégica para a evolução e transformação do negócio. Se a alta liderança estiver desconectada disso, fará com que a empresa demore ainda mais para avançar nessa agenda”, destacou Milene Schiavo.

A pesquisa aponta ainda que quando se trata de implementar iniciativas de DE&I, os maiores desafios são: transformar intenção em iniciativas pragmáticas (69,5%), mudar comportamentos (67,5%), assegurar líderes responsáveis (48,7%), vincular custos e resultados (39,5%), e orçamento (35,5%). Além disso, a Korn Ferry também ouviu as empresas para saber sobre quais são as práticas de DE&I que as companhias brasileiras possuem atualmente e estão relacionadas, principalmente, ao desenvolvimento de políticas de não discriminação, bullying e assédio (67%), foco em uma cultura de expressão e segurança psicológica (63%), diagnóstico organizacional DE&I (60%) e conselho/comitê de diversidade (57%).

“Essas são práticas que obviamente ajudam, mas é preciso ter uma jornada completa focando em ações estruturais e comportamentais paralelamente. As estruturas, sistemas e políticas, precisam ser modificadas com uma lente mais inclusiva. Além de criar políticas, comitês e grupos, é preciso atuar em questões estruturais, que são aquelas capazes de realmente mover os indicadores. Ainda não vemos programas muito robustos de desenvolvimento, abertura às diferenças e essas são soluções que ainda precisam avançar mais”, ressaltou Milene Schiavo.

PUBLICIDADE




Para os próximos 12 a 18 meses, a principal prática que as organizações desejam implementar é o treinamento de liderança inclusiva para líderes de pessoas, apontado por 44% das empresas que participaram do estudo. “As jornadas de diversidade, equidade e inclusão só serão sustentáveis se tiverem o apoio dos líderes inclusivos. São estas lideranças que vão conseguir avançar nas agendas de DE&I, apoiando, valorizando e respeitando todos os colaboradores. A liderança inclusiva é uma parte fundamental da construção da cultura de maior inclusão, pois é o líder que vai ajudar todos o time a caminhar de um jeito mais alinhado, procurando respeitar, valorizar e acompanhar todos os talentos da organização”, finalizou Cecília Pinzon.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!