COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Gestão

Empresas familiares devem rever estratégias

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Base histórica do empreendedorismo em todo o mundo, as empresas familiares enfrentaram desafios próprios ao longo dos últimos 14 meses, além da grave crise econômica e todas as mudanças de hábitos ocorridas ao longo da pandemia. Mas nem por isso elas sucumbiram ou deixaram de aproveitar suas capacidades e vantagens naturais. A conclusão é da 10ª Pesquisa Global de Empresas Familiares, realizada pela Fundação Dom Cabral (FDC) em parceria com a PwC Brasil.

O estudo aponta que para prosperar no mundo atual será preciso repensar prioridades e comportamentos, aumentar o investimento digital e redefinir o conceito de legado. Foram ouvidos 2.801 tomadores de decisão de empresas familiares em 87 territórios, 282 deles no Brasil, entre 5 de outubro e 11 de dezembro de 2020.

PUBLICIDADE

De acordo com o relatório, as empresas familiares brasileiras tiveram desempenho forte no último ano financeiro (antes da pandemia de Covid-19) e melhor do que a média global: 63% registraram crescimento e apenas 13% tiveram redução nas vendas em 2019. No mundo, 55% das empresas familiares cresceram, enquanto 19% encolheram em 2019.

Ao todo, 28% das organizações brasileiras esperam que a Covid-19 leve a uma redução nas vendas, resultado muito melhor que o global (46%).

As metas de crescimento no Brasil também são ambiciosas para os próximos anos: 78% das empresas esperam crescimento em 2021 (mais que os 65% globais) e 85% em 2022 (86% no mundo).

Em resposta à Covid-19, as empresas familiares brasileiras deram mais apoio a funcionários, fornecedores e comunidade local do que a média global, mas uma parcela menor diz ter feito algum sacrifício financeiro.

De outro lado, as prioridades das empresas familiares brasileiras nos próximos dois anos são a expansão para novos mercados/segmentos de clientes, o aumento do uso de novas tecnologias, a melhoria das competências digitais e o lançamento de novos produtos/serviços.

Para o professor da Fundação Dom Cabral (FDC) e diretor do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC, Carlos Arruda, as empresas familiares precisam se atentar para o fato de que a digitalização não é uma meta, é, sim, uma jornada.

“A transformação tecnológica deve ser uma prioridade competitiva e parte do dia a dia da empresa. A pergunta é ‘como fazer’. Na escolha de como digitalizar, há uma influência setorial. Estamos vivendo um período de mudanças setoriais e, provavelmente, com o desaparecimento de empresas. No setor de educação, por exemplo, houve uma revolução sem tempo de preparo. Todo o setor migrou em curto prazo, sem adequação tecnológica e pedagógica. É uma mudança inevitável. As empresas familiares podem ter uma vantagem por serem multigeracionais. Os mais jovens migram para o digital com facilidade”, explica Arruda.

O processo de digitalização dessas empresas, porém, ainda é lento. Somente 28% das empresas familiares brasileiras acreditam ter fortes recursos digitais e 32% afirmam que esses recursos não são prioridade, em comparação com a média global de 38% e 29%, respectivamente.

Há, em contrapartida, sinais claros de que ter fortes recursos digitais confere agilidade e sucesso: 71% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais tiveram crescimento pré-Covid, em comparação com 60% para as empresas que não têm recursos digitais.

Para o sócio e líder em Empresas Familiares da PwC Brasil, Carlos Mendonça, para pavimentar o futuro as empresas familiares precisam investir em governança, mas não apenas a corporativa.

“Um empreendimento familiar tem que investir em governança corporativa e familiar para que os problemas da família não impactem os negócios. Governança começa com educação. Não basta criar um conselho, tem que educar as pessoas a participarem, entenderem os processos. É preciso, também, cuidar da governança da propriedade. As pessoas relegam a sucessão do patrimônio e não querem falar sobre isso. A sucessão não é um evento, é um processo. O que mais importa é a preservação do patrimônio e valores. Devem ser escalados os mais aptos para os negócios, sem ser, necessariamente, da família. Os valores precisam, de alguma forma, ser adaptados aos tempos”, avalia Mendonça.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!