COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Consciência Negra Gestão

Inclusão nas empresas ainda caminha a passos lentos

COMPARTILHE

Crédito: Pexels

O Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, se consolidou como uma importante data, não apenas para relembrar e reforçar a luta contra o preconceito racial e pela igualdade de direitos, como também para reflexão sobre a questão da diversidade nos mais variados aspectos.

Nas empresas, especialmente aquelas de maior porte, o assunto está sempre em pauta, no entanto, a realidade mostra que a inclusão, efetivamente e infelizmente, ainda é um pouco utopia, na avaliação do CEO e headhunter da Prime Talent, David Braga, que conta com a experiência de quem já selecionou mais de 10 mil executivos de média e alta gestão para clientes em toda a América Latina.

PUBLICIDADE




Em resumo, Braga argumenta que, mais do que cumprir quotas para garantir a diversidade, faltam ações para a evolução das carreiras, além de protagonismo individual, para, então, se conquistar uma mudança estrutural. Ou seja, as empresas precisam oferecer as melhores condições de sucesso, desde o processo seletivo, durante o dia a dia da corporação, até a conquista de posições mais estratégicas e cargos de liderança.

Já os profissionais – homem, mulher, negro, branco, hetero, LGBT, PCD – têm que se diferenciar. “É fundamental aprimorar, cada vez mais, competências, habilidades e repertório técnico nas áreas em que atuam para que possam competir no mercado e assumir escopo e posições de maior complexidade”, ressalta.

Na prática, isso ainda não acontece, de acordo com Braga. Ele cita, inclusive, uma pesquisa feita pela Prime Talent, entre setembro de 2019 e janeiro de 2020. O resultado revela que, apesar de tamanha relevância em se promover a inclusão nas organizações, cerca de 82% das grandes empresas não têm head de Diversidade. “Por isso, o tema da igualdade deve ser tratado ao longo de todo o ano.

Por um lado, as empresas precisam desenvolver áreas de recursos humanos que, de fato, orquestrem essa temática com maestria, contando com o engajamento dos presidentes e do Conselho de Administração. Por outro, todo o ecossistema precisa ser questionado e revisto, não apenas no ambiente corporativo, mas também dentro dos lares. É preciso um novo olhar para questionar o status quo e propor soluções diferentes”, conclui.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!