COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Gestão

Mulheres sofrem sobrecarga de funções

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

A pandemia segue impactando direta e indiretamente a vida das mães empreendedoras. Pelo menos 63% delas relataram o aumento da carga de trabalho como desafio mais significativo e a principal barreira à sua dedicação ao negócio, superando as dificuldades econômicas pessoais e do País. É o que aponta o levantamento da ONU Mulheres, elaborado pelo Programa “Ganha-Ganha: Igualdade de Gênero Significa Bons Negócios”, para identificar os efeitos da pandemia nos empreendimentos geridos por elas.

De acordo com o estudo, depois da pandemia, “aumentou” ou “aumentou muito” para as mães o tempo dedicado às seguintes atividades: 92% no cuidado com os filhos e filhas; 85% na rotina de cuidado da casa; 74% do tempo gasto nas atividades escolares; 59% nas atividades do negócio e “diminuiu” ou “diminuiu muito”, para 64% das mães, o tempo disponibilizado ao lazer e ao autocuidado.

PUBLICIDADE




Empreender, de acordo com a analista do Sebrae Minas Michelle Chalub, geralmente é uma possibilidade de essas mulheres terem mais independência e um horário de trabalho mais flexível. E, segundo ela, como as mulheres ainda são as que se ocupam mais dos afazeres domésticos e dos cuidados com os filhos, diante de uma pandemia surgiu o desafio de empreender com filhos e filhas sem escolas e creches.

“Um estudo feito pelo Sebrae Minas no ano passado revelou que a maternidade é um fator relevante para 7 em cada 10 mães que decidiram empreender. Mas, com a pandemia, a situação dos empreendedores se agravou e levou muitas a abdicarem parcial ou totalmente dos seus negócios, para dar maior assistência aos filhos”, explica a analista.

Mães e empreendedoras

Depois de 14 anos na área bancária, Alessandra Lima Costa foi desligada do emprego no início da pandemia. Com dificuldade para voltar ao mercado, ela se formalizou como Microempreendedora Individual (MEI) e passou a realizar assessoria remota, auxiliando empresas na parte administrativa. “Hoje, além de mãe de dois filhos, presidente de um grupo de escoteiros com 70 crianças, estudante e dona de casa, sou empreendedora. Somado aos desafios de criar os filhos, preciso buscar por empresas e oferecer o meu serviço”.

Alessandra Costa reforça que não tem sido fácil, principalmente para quem está começando nessa jornada.

PUBLICIDADE




“O tempo todo você deve correr atrás. Empreender não é fácil, ainda mais nesse mundo tecnológico e veloz. Você não pode mais esperar. E ser mãe não é diferente, exige muito”, destaca a empreendedora.

Sebrae Delas

Para auxiliar as mulheres nos desafios do empreendedorismo, o Sebrae Minas tem um programa dedicado a apoiar e orientar mulheres que sonham em ter ou que precisam melhorar a gestão do próprio negócio. “O Sebrae Delas foi uma excelente ferramenta para essas mulheres no período de pandemia, pois oferece a oportunidade para que elas se capacitem, mantenham e melhorem seus negócios, tornando-os mais competitivos. Além disso, potencializa as expertises das mulheres, encorajando-as a trilharem o caminho de sucesso”, destaca Michelle Chalub.

Em 2021, cerca de 5 mil empreendedoras foram atendidas pelo Sebrae Delas em Minas Gerais. O programa oferece atividades de capacitação para o desenvolvimento de habilidades e competências, apoiando as mulheres a tornarem seus negócios mais competitivos e lucrativos, com reflexos também na vida pessoal delas. Apenas na região central do Estado foram realizadas cinco turmas do Trilha Sebrae Delas, com 366 participantes, e duas turmas da Jornada da Confeitaria, com 123 participantes.

Além disso, as mulheres também contaram com o evento Conexão Delas, em parceria com a Fecomércio-MG, no Youtube do Sebrae Minas – o evento teve 1,2 mil visualizações; o Fator S Challenge para Mulheres, com 29 participantes, e a parceria na 2ª edição do Elas Festival, com 405 inscritas.

Para qualificar, valorizar e fortalecer os pequenos negócios liderados por migrantes, especialmente mulheres, foi realizada a Jornada empreendedora OIM – Organização Internacional para Migrações e Sebrae-MG, com a parceria do Cio da Terra. O evento recebeu 200 inscrições em suas duas edições e 15 empreendedoras foram selecionadas para seguir nas atividades de capacitação da Jornada. Elas receberam atendimentos especializados de marketing e finanças para os seus empreendimentos, sendo também contempladas com um valor de premiação para utilização em seus negócios.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!