Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Gestão livre Negócios-destaque

PAPO DE GESTÃO | Um panorama sobre a avaliação do uso de recursos de bancos nas empresas

COMPARTILHE

Recuperação de depósitos judiciais e recursais
Crédito: Divulgação

Igor Della Croce*

2019 foi o ano com maior volume de novas concessões de recursos livres da história recente do Brasil. Segundo informações do Banco Central (BC), foram disponibilizados R$ 162 bilhões para empresas e R$ 194 bilhões para pessoas físicas.

PUBLICIDADE

Fazendo uma análise da concessão para empresas e desdobrando por setor, nota-se que vários setores tiveram aumento significativo em relação a 2018. Verificando os dados do BC, o setor de serviços é o que teve maior aumento de concessão, chegando a aumentos de 70%.

O recurso de terceiro pode ser utilizado tanto para ajudar a companhia na operação diária, tanto como recurso para capital de giro, pagamento de fornecedores, assim como também é amplamente utilizado para financiar projetos de expansão e melhoria, seja na compra de equipamentos ou contratação de serviços.

Como visto nos gráficos anteriores, os recursos de instituições financeiras são normalmente muito utilizados, e na atual situação de crise, por conta da pandemia do Covid-19, a procura cresceu expressivamente durante os meses de março e abril.

O uso dessas fontes pode ser boa alternativa para a empresa, porém devem ser feitas análises criteriosas de pelo menos quatro pontos importantes para a tomada de decisão.

O primeiro ponto a se avaliar é a real necessidade de contratação do recurso. A contratação é necessária para a sobrevivência da empresa? Se a destinação for para projetos de melhoria, é fundamental avaliar a necessidade destes projetos, se são projetos vitais e estratégicos para a companhia, ou se podem ser adiados neste momento de incerteza.

O segundo ponto a ser avaliado é o custo do dinheiro, ou seja, o custo do empréstimo/financiamento. Em geral as pessoas só se atentam para os juros que são cobrados, porém na avaliação do custo é fundamental avaliar o CET Custo Efetivo Total, que é composto pejus juros, taxas, encargos, IOF, seguros e outras despesas que as instituições financeiras embutem em sua composição.

Recentemente as taxas de juros no Brasil foram reduzidas para 3%, o que significa que em algum momento esta redução deverá impactar o custo oferecido pelas instituições.
O terceiro ponto a avaliar é o sistema de amortização que será utilizado na concessão deste crédito.

Existem dois tipos de sistema:

SAC (Sistema de Amortização Constante) – nessa forma, o valor da amortização do capital principal é constante ao longo do tempo;

Price – nesta forma a amortização é gradativa ao longo do período contratado, as parcelas de pagamento são fixas, porém por conta da amortização gradual, o valor dos juros cobrados é maior que no SAC.

O quarto ponto a avaliar é a garantia a ser cobrada pela instituição financeira.

Pode-se exigir garantias de recebimentos futuros, seja lastreado em contratos de fornecimento de serviço ou produtos com clientes, ou a carteira de recebimento de cartão de crédito da empresa. A segunda forma de garantia, é a real, onde a empresa precisa colocar como garantia um bem imóvel: seja um terreno, algum imóvel comercial ou mesmo residencial.

Neste momento de pandemia, é fundamental que a avaliação para a decisão de recorrer ou não a captação deste tipo de recurso seja feita pelo comitê de gestão de crise da organização, elaborando-se simulações de resultado com impacto no fluxo de caixa da empresa e avaliando os possíveis reflexos nos demais processos, alinhado a um plano de ação consistente.

A sua empresa está planejando captar recursos externos? Foi estabelecido comitê de gestão de crise e foram feitas as simulações e análises necessárias?

*Bacharel em Engenharia de Minas pela UFMG, com MBA em Finanças pelo Ibmec. Especialista em Gerenciamento da Rotina, Gestão Integrada de Resultados, Alinhamento de Metas e Gestão de Processos. Atuou como consultor em projetos no Brasil e exterior nos segmentos de Siderurgia, Alimentício, Financeiro e Telecomunicações. Atualmente é coordenador de projetos do Aquila. E-mail: igor.fernandes@aquila.com.br.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!