COTAÇÃO DE 29/07/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,3900

EURO

COMPRA: R$5,2910

VENDA: R$5,2937

OURO NY

U$1.766,23

OURO BM&F (g)

R$294,59 (g)

BOVESPA

+0,55

POUPANÇA

0,7132%

OFERECIMENTO

Cemig – Companhia Energética de Minas Gerais

Publicado em 30/12/2021 às 00h30

Informe publicitário

Minas LED é trunfo da Cemig para tornar cidades mais sustentáveis e seguras

Projeto prevê a substituição de luminárias em pontos de alto consumo da iluminação pública por outras mais econômicas e modernas 

COMPARTILHE

No que tange ao Minas LED, meta da Cemig é substituir mais de 100 mil pontos de iluminação nos municípios | Crédito: FOTOS: banco de imagens istockphoto

Ruas e avenidas mais claras são um convite para a passagem de pessoas que encontram na luz a segurança de ir e vir. Os pontos mais iluminados das cidades abrigam também aqueles que fazem a economia girar em seus comércios ou negócios improvisados em meio às praças ou pontos de encontros mais movimentados. 

É assim que a iluminação pública, que desde 2015 é de responsabilidade dos municípios e não das concessionárias de energia elétrica, pode ser o diferencial em uma cidade mais ativa social e economicamente

PUBLICIDADE




Com foco no atendimento às demandas das prefeituras, que, muitas vezes, enfrentam dificuldades para sanar as questões que envolvem a iluminação pública, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), por meio de seu Programa de Eficiência Energética, lançou o projeto Minas LED. 

Mais de  R$ 112 milhões  serão investidos até o final de 2022 para promover a modernização da iluminação pública de municípios mineiros e levar mais segurança para a população, qualidade de iluminação e, principalmente, a sustentabilidade. 

A capacidade de atendimento do Minas LED é de 600 municípios, desde que os mesmos estejam adimplentes com a Cemig, sejam responsáveis pela manutenção e operação da iluminação pública e atendam aos requisitos técnicos mínimos para a participação no projeto.

A execução deste projeto será viabilizada com os recursos do Programa de Eficiência Energética da Cemig, que é regulado pela Aneel, e será formalizada por meio de acordos de cooperação técnica assinados entre a Cemig e as prefeituras.

PUBLICIDADE




A meta da companhia no que tange ao Minas LED é substituir mais de 100 mil pontos de iluminação nos municípios mineiros que se enquadram nos critérios do projeto. 

Simultaneamente à modernização dos pontos de iluminação pública, a Cemig busca promover, ainda, reflexões junto à sociedade sobre o uso consciente da energia elétrica em ações diárias que podem transformar não só o valor final da fatura de energia, mas a relação das pessoas com a preservação do meio ambiente por via de ações que estão ao alcance de todos. 

Modernização da iluminação

Conforme explica o engenheiro de eficiência energética da companhia, Francisco de Assis Figueiredo, o projeto é uma demonstração de que a Cemig entende a importância da iluminação pública enquanto item essencial para a qualidade de vida das pessoas e facilitadora do deslocamento em períodos noturnos. 

“O projeto Minas LED irá modernizar o sistema de iluminação pública das cidades ao realizar a troca de equipamentos obsoletos por equipamentos com tecnologia LED, que são mais confiáveis, econômicos e modernos”, explica o engenheiro de eficiência energética e coordenador do projeto. 

Ainda de acordo com o especialista da Cemig, a iniciativa observa também a realidade de muitos municípios mineiros, onde predominam, na iluminação pública, lâmpadas de vapor de sódio e de mercúrio. Esses equipamentos mais antigos têm um consumo de energia superior às lâmpadas de tecnologia LED

Considerando esse cenário, a companhia irá atuar na substituição de lâmpadas de maior potência (acima de 250 watts) para outras mais modernas e que não desperdiçam energia elétrica. 

Outro ponto importante é que a tecnologia que será implementada permite que as novas luminárias possam ser dimerizadas e controladas remotamente se as prefeituras optarem por implementar, no futuro, o sistema de telegestão da iluminação pública.

Além disso, a iniciativa contribuirá diretamente para a diminuição da sobrecarga no sistema elétrico nos horários em que a demanda é maior devido à rotina social das pessoas. 

“A iluminação pública funciona majoritariamente no horário de ponta do sistema elétrico, que, na Cemig, é entre 17 e 20 horas. Isso sobrecarrega o sistema elétrico e contribui para ocorrências na rede elétrica e outros problemas relacionados à sobrecarga do sistema. O projeto Minas LED deverá reduzir essa demanda do horário de ponta em mais de 16 mil kW”, afirma o engenheiro de eficiência da Cemig, Francisco de Assis Figueiredo.

Cemig espera via Minas LED levar energia que estava faltando para muitas cidades | Crédito: banco de imagens istockphoto

Cidades mais sustentáveis

Ainda sob o calor das discussões ocorridas no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), as iniciativas que convergem de forma prática para a economia de recursos naturais e energéticos são cada vez mais necessárias. 

E essa já é uma realidade no Programa de Eficiência Energética, que é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Desde 2008, o programa, da Cemig, empenha milhões de reais em projetos que fomentam o uso sustentável da energia, seja por meio de iniciativas educativas para diversos públicos ou a partir da substituição de tecnologias obsoletas e de alto consumo energético por outras que se ajustam às necessidades atuais de preservação de recursos. 

No caso do Minas LED, por exemplo, a companhia estima que o projeto deverá contribuir, após a substituição dos 100 mil pontos de iluminação pública, para uma economia de 102.000 MWh/ano.

Em termos de comparação, o recurso poupado será suficiente para atender ao consumo anual de 68 mil famílias ou, aproximadamente, a população de cidades do porte e número de habitantes de Lagoa Santa, localizada na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Bem-estar da população e do sistema

Ao longo de 2018 e 2019, a Cemig, também por meio do Programa de Eficiência Energética, realizou a substituição da iluminação pública em nove municípios mineiros, em projetos aprovados nas chamadas públicas de Eficiência Energética.

Na ocasião, foram percebidos pela população benefícios imediatos como uniformização da incidência de luz e aumento de luminosidade nas vias públicas, exemplos esses que podem ser vistos em municípios como Mar de Espanha e Elói Mendes. 

Com os resultados positivos desses projetos pioneiros, a Cemig espera, agora, por meio do Minas LED, levar a energia que estava faltando para muitas cidades e o incentivo para que daqui para frente sejam empenhados, a nível municipal, mais recursos para a melhoria da qualidade da iluminação pública, com foco no retorno econômico e sustentável para as prefeituras

“Acreditamos que as iniciativas trarão benefícios para milhares de pessoas, e os recursos poupados financeiramente poderão ser revertidos em outras melhorias nos municípios. Além disso, em um momento de crise hídrica, qualquer economia gerada no setor elétrico é fundamental para o sistema interligado nacional”, pontua o engenheiro de eficiência energética, Francisco de Assis Figueiredo. 

Recorde de investimentos 

Nos últimos anos, a Cemig também adotou o propósito de transformar vidas por meio da energia elétrica. O objetivo é direcionar todos os esforços para atender, com eficiência, prioridade e qualidade, o Estado de Minas Gerais em demandas que contribuirão diretamente para o desenvolvimento econômico do território.

Segundo dados da companhia, o planejamento estratégico envolve o investimento recorde de R$ 22,5 bilhões para o período que compreende os anos entre 2021 e 2025, sendo que a média de recursos aplicados por ano está entre R$ 4,5 bilhões. 

O plano de investimentos atual significa, ainda segundo a companhia, um crescimento de 300% em relação aos recursos já destinados à ampliação e melhorias dos serviços ofertados pela empresa em um período de quase 10 anos (2009 a 2018). 

O destaque está nos programas Mais Energia e o Minas Trifásico, já que somente o primeiro demanda recursos da ordem de R$ 5 bilhões para a construção de 200 novas subestações de energia elétrica em todas as regiões do Estado. Até o momento, 80 novas subestações já entraram em operação. 

No caso do Minas Trifásico, a companhia lança olhar para os municípios do “interior” do Estado de Minas Gerais. O escopo do programa prevê a modificação de 30 mil quilômetros de redes monofásicas, que, com os novos investimentos, serão transformadas em redes trifásicas. A mudança garantirá mais qualidade para a energia que chega aos clientes da companhia e, como objetivo central, ampliará a capacidade de entrega de energia, criando um ambiente propício para o desenvolvimento do agronegócio e para atender os produtores rurais. 

“Com o Minas Trifásico, será possível levar uma energia com mais qualidade, ou seja, com menores perdas, oscilações e com menos interrupções a uma parcela maior de nossos consumidores. A empresa ganha, pois estará renovando e ampliando seus ativos, e os consumidores ganharão, pois terão uma energia ainda mais confiável e não precisarão aguardar muito tempo para contar com seu aumento de demanda esperado”, enfatiza o diretor da Cemig Distribuição, Marney Tadeu Antunes. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!