COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação

TRF-6 pode iniciar as atividades em 2022

COMPARTILHE

O presidente da Amagis, desembargador Alberto Diniz, diz que a criação do TRF-6 garante mais acesso à Justiça em MG | Crédito: Eric Bezerrra / TJMG

Sem prazo para sanção do presidente Jair Bolsonaro, a instalação do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6), em Minas Gerais, é bastante comemorada. A expectativa dos órgãos do Judiciário, empresariado e das entidades de classe é a de que o TRF-6 comece a funcionar já em 2022.

O diretor de Apoio às Subseções e de Comunicação da Ordem dos Advogados do Brasil – seção Minas Gerais (OAB-MG), Raimundo Cândido Neto, avalia que a criação do Tribunal Federal no Estado representa uma grande vitória para o direito. “Vai o TRF-1 (Tribunal Federal do Distrito Federal) desafogar com a demanda de outros de 12 estados, além das demandas de Brasília”, explica.

PUBLICIDADE

Neto esclarece ainda que ações como as relativas à previdência, habitação dentre outras tanto de pessoas físicas quanto jurídicas devem ganhar celeridade. “São ações que estão paradas em segunda instância há vários anos e que esperam por decisões sem previsão para que isso ocorra. Com certeza, o TRF-6 dará uma visibilidade econômica e jurídica para Minas Gerais”, pontua.

O presidente do Conselho Empresarial de Assuntos Jurídicos da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas), João Café Novais, ressalta que a chegada do TRF-6 é uma conquista para o Judiciário e para a população. “O custo é muito alto para acompanhar o processo em segunda instância em Brasília. Com isso, pessoas jurídicas e físicas acabam gastando com mais advogados ou os processos acabam se perdendo. Ficamos esperando por esse tribunal por 20 anos. É uma revolução para o Judiciário mineiro”, destaca.

Economia mineira

Novais explica que o Tribunal Regional Federal beneficiará a economia em Minas Gerais. Há empresas com dívidas com a União referente a dívidas de créditos, desapropriações que também passam pela Justiça Federal. “Outras ações são de pessoas físicas que também precisam resolver as necessidades junto a União e que, em alguns casos, não sabem quando terão resolução”, afirma.

A Associação dos Juízes Federais de Minas Gerais (Ajufemg) diz, por meio de nota, que a “aprovação do TRF-6 representa uma extraordinária vitória para Minas Gerais, fruto da união de todos os mineiros, das instituições públicas, privadas e também da sociedade civil”.

Ainda conforme a Ajufemg, o tribunal representa, igualmente, um importante reconhecimento do empenho da Associação dos Juízes Federais de Minas Gerais, já que a história da Ajufemg está diretamente relacionada à luta pela criação do Tribunal.

Para a entidade, a instalação do TRF-6 resgata a importância do Estado no cenário nacional. O Tribunal Regional Federal trará reflexos imediatos no julgamento das diversas ações federais, especialmente as previdenciárias, tornando-as mais céleres, em benefício dos jurisdicionados mais necessitados. “Da mesma forma, questões tributárias federais serão decididas com maior celeridade, aumentando a segurança jurídica e, com isso, favorecendo o ambiente econômico e de negócios das empresas”, finaliza a nota.

O presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis), desembargador Alberto Diniz, elogia a aprovação da criação do TRF-6 pelo Senado. “O novo órgão garantirá mais celeridade nos julgamentos, especialmente em Minas, onde se acumulam 40% do total de processos que tramitam na esfera federal de Brasília. Lá, as demandas de Minas se juntam às de outros 12 estados e do Distrito Federal. A criação do TRF-6 garante, ainda, mais acesso à Justiça aos cidadãos mineiros”, argumenta Diniz.

Demanda antiga do Estado, o plenário do Senado Federal aprovou, na última quarta-feira (22), o projeto que autoriza a implantação do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6), em Minas Gerais. A admissibilidade da matéria (PL 5.919/2019), de autoria do Superior Tribunal de Justiça (STJ), foi possível após articulação do presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas). Reivindicação antiga da bancada mineira no Legislativo, essa nova estrutura, a ser instalada em Belo Horizonte.

O TRF-6 será no prédio que já existe, da Justiça Federal, no bairro Santo Agostinho, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. O projeto transforma 20 cadeiras vagas de juiz federal substituto em 18 cargos titulares para atuarem no novo tribunal.

O texto também aumenta de três para quatro o número de ministros do STJ que integram o Conselho da Justiça Federal (CJF), cujos presidente e vice-presidente são os mesmos do STJ.

Pela proposta, quando o TRF da 6º Região for instalado, o presidente do novo tribunal fará parte do Conselho, assim como ocorre com os presidentes dos demais tribunais regionais.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!