A ArcelorMittal investiu R$ 4 milhões no Hospital Margarida, em João Monlevade (MG) | Crédito: Divulgação/Arcelor

A ArcelorMittal está adotando uma série de ações de apoio à sociedade para reforçar o enfrentamento à pandemia do coronavírus no mundo e no Brasil. Além de iniciativas próprias destinadas às comunidades onde a empresa atua, a produtora de aço se uniu ao poder público, entidades de classe e outras companhias, integrando redes colaborativas para ajudar no combate à doença. Até o momento, a empresa investiu R$ 18 milhões em diversas ações pelo País.

Entre elas destacam-se investimento de R$ 4 milhões no Hospital Margarida, de João Monlevade (região Central de Minas Gerais); recuperação de ventiladores mecânicos em parceria com o Senai e outras grandes indústrias; construção do Laboratório Municipal de Biologia Molecular em Belo Horizonte para realização de testes do Covid-19; doação de materiais de higiene e insumos hospitalares nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina; apoio para à confecção de 150 mil máscaras para profissionais da área de saúde capixabas; além da compra de testes de identificação rápida do coronavírus.

“A ArcelorMittal está mobilizada no combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus tanto no mundo quanto no Brasil. É o momento de unirmos forças e trabalharmos em rede, colaborativamente. Estamos intensificando ações preventivas junto à sociedade, direcionando investimentos e compartilhando nossa experiência para ampliação do atendimento às pessoas afetadas pelo vírus”, afirma o CEO ArcelorMittal Aços Longos Latam, Jefferson De Paula.

“Desde o início do avanço do Covid-19, temos focado nossas ações na saúde e segurança dos empregados, parceiros e familiares, e contribuído com os esforços do poder público e de outras associações e entidades de classe. As ações estão alinhadas com as necessidades das comunidades e suportadas pela nossa expertise tecnológica. Cada um precisa fazer a sua parte e atuar em parceria, pois só assim iremos superar esta crise”, diz, o presidente da ArcelorMittal Brasil, Benjamin Baptista Filho.

Reparação de respiradores – Em Minas Gerais, a ArcelorMittal está atuando em conjunto com o Centro de Inovação e Tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e outras organizações para a recuperação de respiradores mecânicos parados em hospitais por falta de manutenção.

Dezoito engenheiros das áreas de eletrotécnica e eletromecânica foram cedidos pela empresa para trabalhar na reforma e na recuperação dos equipamentos, fundamentais no tratamento de pacientes com dificuldades respiratórias graves e utilizados em boa parte das pessoas que desenvolve os sintomas mais agudos do Covid-19. De um total de 65,4 mil equipamentos existentes no País, cerca de 5% (3.270) estão parados por falta de manutenção.

A reparação está sendo realizada nos laboratórios de eletrotécnica do Senai e de empresas parceiras. Os engenheiros da ArcelorMittal estão trabalhando conectados a uma rede de colaboração nacional, em um total de 25 pontos de coleta e manutenção dos equipamentos em 14 estados do Brasil. Os três primeiros respiradores consertados em Minas serão entregues ao Hospital Margarida, em João Monlevade, nesta semana.

Minas Gerais – A empresa está doando materiais hospitalares a nove prefeituras de Minas Gerais (Carbonita, Quartel Geral, Martinho Campos, Vazante, Bom Despacho, João Pinheiro, Dionísio, São José do Goiabal e Bela Vista de Minas), incluindo álcool em gel, álcool 70%, máscaras cirúrgicas, aventais, luvas, entre outros.

A ArcelorMittal está, ainda, doando 50 mil unidades de máscaras face shield (máscaras de acrílico que protegem todo o rosto contra respingos) a hospitais do Estado, produzidas em parceria com empreendedores locais, e realizou a compra de 50 mil testes rápidos e 20 mil testes PCR para serem aplicados em empregados, familiares e entregues às comunidades.

Além disso, a produtora de aço adquiriu 20 mil litros de álcool em gel para unidades da ArcelorMittal, destinados a empregados próprios, terceiros e caminhoneiros.

Aporte em hospital – A ArcelorMittal também está investindo R$ 4 milhões no Hospital Margarida, em João Monlevade, para aprimorar a infraestrutura de atendimento à saúde da população local.

Esse recurso permitirá a duplicação da UTI com 10 novos leitos e ventiladores, 16 novos leitos de enfermaria, pronto-atendimento exclusivo para triagem de casos suspeitos do Covid-19 com sete leitos e insumos básicos para o funcionamento do centro de saúde. O montante também viabilizará a aquisição de 3 mil testes de identificação rápida do coronavírus. Com a iniciativa, aproximadamente 140 mil pessoas serão beneficiadas.

Laboratório – Em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, a empresa está construindo o Laboratório Municipal de Biologia Molecular para realização de testes do Covid-19, ampliando a rede de diagnóstico e de controle da doença na cidade. O espaço foi disponibilizado pela Prefeitura e será totalmente reformado e equipado para a análise de Biologia Molecular.

Estima-se que o funcionamento ocorrerá na 2ª quinzena de maio. Além da oferta ampliada do exame, o novo laboratório ajudará a reduzir o do tempo de espera para o diagnóstico da doença. No local serão analisados os testes do tipo PCR, efetivo para identificação do vírus na fase inicial da doença.

Espírito Santo – A unidade da ArcelorMittal Tubarão, em Serra (ES), estruturou uma ação voltada especialmente para um dos grupos de maior vulnerabilidade ao vírus: os idosos. Em parceria com o Ministério Público do Espírito Santo, a empresa está doando kits de higiene pessoal e limpeza para Casas Lares de Serra e de Vitória.

Ao todo, cinco entidades serão contempladas, beneficiando 294 pessoas, entre idosos e funcionários. Outra ação é a doação, junto a uma rede colaborativa, de 150 mil máscaras para a Prefeitura de Serra e profissionais da área de saúde de todo o Espírito Santo, via governo do Estado.

A empresa também doou água mineral para o Hospital Irmandade Santa Casa de Misericórdia, em Vitória, e está produzindo internamente em seus laboratórios álcool glicerinado e antisséptico, seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e Anvisa. A unidade tem capacidade de produzir até 180 litros por dia que atenderão ao uso interno, reduzindo a demanda no mercado formal.

Santa Catarina – Já a unidade de Vega, em São Francisco do Sul, aderiu a uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), em uma parceria com o governo do Estado de Santa Catarina, e fez uma doação para o Fundo Empresarial para Reação Articulada de Santa Catarina contra o coronavírus (Fera).

A ideia é utilizar o montante arrecadado para a compra de equipamentos, como respiradores e materiais hospitalares. Outra ação é a parceira com a Secretaria Municipal de Saúde na qual empresa destinou oxímetros, álcool em gel e aventais descartáveis. A unidade também irá doar mobiliário e equipamentos hospitalares para a instalação de um hospital de campanha no município.

Além disso, entregou luvas nitrílicas (luvas médicas descartáveis) e álcool em gel para a Polícia Militar e materiais de higiene e limpeza para o Lar dos Idosos de São Francisco do Sul.

Campanha de arrecadação – A Fundação ArcelorMittal, por sua vez, lançou campanha voltada para empregados e familiares estimulando a doação de recursos a entidades sociais de atendimento à comunidade. Ao final da campanha, a empresa contribuirá doando o mesmo valor arrecadado.

A iniciativa vai permitir aos empregados se envolverem mais diretamente no esforço coletivo de combate à pandemia. Também foram convidados a participar fornecedores, clientes, amigos e comunidades onde a ArcelorMittal está presente. Outras informações no site.

Medidas preventivas – As unidades da ArcelorMittal em todo o mundo vêm adotando uma série de ações alinhadas à Organização Mundial de Saúde (OMS) e ao Poder Público, visando reduzir os riscos de transmissão da doença.

Dentre as medidas adotadas estão a suspensão de eventos externos, internos e atividades com aglomeração de pessoas; cancelamento de viagens a trabalho; regra de distância mínima interpessoal de 1,5 metro em todos os ambientes; orientação de afastamento social no âmbito pessoal; intensificação dos procedimentos de limpeza e higienização; e promoção de amplas campanhas internas orientativas.

A empresa também adotou o trabalho remoto para a maioria das funções administrativas como forma de diminuir o volume de circulação de pessoas em suas dependências. (Da Redação)