COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus exclusivo Negócios

Brasil pode viver nova revolução industrial

COMPARTILHE

A tão temida automação é sempre compreendida como uma alavancadora da eficiência e dos níveis de produtividade | Crédito: Divulgação

O mundo atravessa a maior crise sanitária e econômica dos últimos 100 anos – a pandemia de Covid-19. Isso, claro, atinge em cheio as relações entre os países.

A doença surgida na China, ainda em dezembro do ano passado, leva pânico às populações não apenas pelo seu caráter sanitário – se já não fosse o bastante -, mas também porque pode reacender antigos ressentimentos e reativar espíritos belicosos que, se não estavam adormecidos, estavam, ao menos, sob algum controle.

PUBLICIDADE

Em uma eterna luta pelo lugar mais alto no pódio da economia mundial, Estados Unidos e China seguem subindo o tom ao longo da crise. O campo de batalha atual é o midiático e a China volta a ser alvo da desconfiança do Ocidente e de teorias da conspiração.

Para o professor da área de Estratégia Pública da Fundação Dom Cabral (FDC) Paulo Vicente, um novo cenário pode se abrir com o fortalecimento de blocos econômicos que não tinham grande expressão e até o surgimento de novos blocos.

“Estados Unidos e Brasil, assim como outros países, perceberam o quanto estão limitados e dependentes dos produtos chineses e o quanto isso é perigoso em tempos de crise severa. Nos últimos 40 anos, vivemos um processo de desindustrialização com as empresas transferindo os parques produtivos para a Ásia e, especialmente, para a China. Esse processo será revertido agora. Os EUA retiveram a chamada indústria militar no seu território, mas esqueceram de fazer o mesmo com a indústria de equipamentos médicos, por exemplo. Viram, agora, o tamanho do erro”, explica Vicente.

Nesse ponto o Brasil pode viver uma nova era de industrialização com a substituição de importações em moldes semelhantes ao que aconteceu entre as décadas de 30 e 80 do século passado, ou se articular como líder de clusters produtivos internacionais. Para que isso seja possível, porém, é necessária habilidade política institucional.

“O Brasil pode tirar proveito dessa situação se conseguir, por exemplo, que parte dessa produção que será repatriada pelos EUA venha para cá. É possível organizar e liderar hubs internacionais, mas isso exige uma condução profissional das negociações. Isso deve ser feito pelos profissionais de carreira, são eles que têm chance de conversar e fazer acordos sérios. Podemos liderar o surgimento de uma nova zona de livre comércio nas Américas, por exemplo. Ter o surgimento de novos blocos comerciais a partir, especialmente, da necessidade de defesa. No passado, a Alca (Aliança para o Livre Comércio nas Américas) foi abortada porque os países da América Latina não confiavam nos EUA. O mesmo aconteceu com o Mercosul em relação ao Brasil”, destaca o professor da FDC.

Enquanto as condições políticas para uma futura reindustrialização são engendradas, os empresários brasileiros também se organizam. Segundo o gerente de desenvolvimento de negócios da Universal Robots no Brasil, Bruno Zabeu, quando o isolamento social teve início, fábricas inteiras tiveram sua produção paralisada de um dia para o outro.

Isso fez com que planos de digitalização e automação previstos para um futuro não tão próximo fossem antecipados e que quem nunca tinha pensado nisso antes, buscasse consultoria.

A Universal Robots é uma empresa dinamarquesa líder na produção de braços robóticos industriais colaborativos, com escritórios regionais nos EUA, Alemanha, França, Espanha, Itália, Reino Unido, República Checa, Polônia, Hungria, Romênia, Rússia, Turquia, China, Índia, Cingapura, Japão, Coreia do Sul, Taiwan, México e Brasil.

“Quando o isolamento começou, eu estava com a expectativa que o trabalho diminuísse, mas foi ao contrário. Na indústria a mão de obra é algo relevante para a produção e como as indústrias vão fazer se não tem mais gente no chão de fábrica? Daí a importância de uma automação inteligente. A robotização foi subdimensionada no passado e agora não tem volta. No contexto que temos hoje, tem que ser uma automação simples, modular, com baixo risco e respeitando o fluxo de caixa”, pontua Zabeu.

A automação é sempre compreendida como uma alavancadora da eficiência e dos níveis de produtividade, mas de outro lado, também como um processo que elimina postos de trabalho. E é essa, justamente, uma das maiores preocupações dos governos pelo mudo: preservar empregos.

Como, então, juntar as duas pontas – garantir a capacidade produtiva das empresas e evitar demissões – no mundo que surge pós-Covid-19? Para o especialista, embora seja uma questão difícil de ser enfrentada, a solução está nas mãos das lideranças empresariais.

“Historicamente, as revoluções industriais levaram a um grande número de desempregados em um primeiro momento, mas também criaram na outra ponta uma leva de empregos mais qualificados. Pesquisas mostram que o número de empregos criados é maior do que os extintos, o problema é que o desemprego atinge aqueles menos qualificados, com menos condições de ascenderem a cargos melhores. Aqui, o RH tem um desafio e missão fundamentais. O processo de automação, por mais rápido que seja, não acontece do dia para a noite. A empresa pode tecer um plano de aproveitamento da mão de obra, oferecendo oportunidades e qualificação. Se ela já tem um colaborador dedicado, que compreende a cultura da empresa, porque não traçar uma trilha de desenvolvimento para ele junto com a chegada da tecnologia? As máquinas não funcionam sem os seres humanos, mas exigem pessoas mais qualificadas, que desenvolvam suas habilidades mais sofisticadas, como criatividade e raciocínio lógico, liberando-as das atividades repetitivas e de baixo valor agregado”, completa o gerente de desenvolvimento de negócios da Universal Robots no Brasil.

Novas formas de cooperação têm unido diferentes setores

A forma geoide da Terra colocou China e Brasil de lados geograficamente opostos. Isso deu ao nosso País um certo tipo de vantagem ao poder observar o caminhar do novo coronavírus pelo mundo até chegar à América do Sul.

Apesar das idas e vindas na definição da política pública de combate à doença e suas devastadoras consequências sob o ponto de vista sanitário e econômico, ainda podemos considerar que, por enquanto, os estragos aqui são menores e que temos capacidade para minimizar o prejuízo projetado.

Os especialistas adotam um tom cautelosamente otimista. Para o professor da área de Estratégia Pública da Fundação Dom Cabral (FDC) Paulo Vicente, o copo brasileiro está “três-quartos cheio”, mas é preciso atenção. Fatores como uma população jovem quando comparada à Europa, hábitos de higiene enraizados, política de vacinação universal estabelecida há décadas e até o clima tropical estão a nosso favor.

De outro lado, desigualdade social, pobreza, baixo índice de saneamento básico, entre outros, são fatores muito negativos. Tudo isso, porém, pode ser colocado fora por uma política interna e externa pouco habilidosa e pouco profissional.

“Existe uma ansiedade por tentar voltar a economia ao normal, mas isso tem que ser feito com calma. Vivemos na sociedade do espetáculo e isso nos torna muito vulneráveis em momentos de crise como este. Esse é um problema mundial. Os líderes têm que ‘mitar’, ‘lacrar’. As pessoas acham que a democracia é um espetáculo e que a política pública pode ser feita sem dados científicos. O que segura o populismo é a burocracia profissional. Ela que dá regras às relações”, alerta Vicente.

A análise do diretor executivo da rede Brasil para o Pacto Global, Carlo Linkevieius, caminha no mesmo sentido otimista, apontando para um mundo menos centralizado e onde a sustentabilidade pode, finalmente, fazer parte da cultura sistêmica das organizações.

“Uma coisa muito importante e positiva vinda dessa crise é a revalorização das ciências. Isso é fundamental. Também entendemos o quanto somos interdependentes, basta ver a velocidade com que estamos sendo acometidos pelo Covid-19. Ninguém tem a resposta exata de como será o mundo pós-crise, mas o que vejo é o fortalecimento do multilateralismo, novas formas de cooperação que une lideranças de diferentes setores com base na integridade”, afirma Linkevieius.

Compartilhar é multiplicar – Para o CMO da Samba Tech, Pedro Filizzola, a lição principal é que compartilhar conhecimento só faz com que ele se multiplique. Sediada em Belo Horizonte, a Samba Tech é referência no mercado de vídeos on-line, especializada em soluções que garantem infraestrutura de alta qualidade para venda, distribuição, gerenciamento e armazenamento de vídeos. A exemplo de muitas outras empresas, de diferentes segmentos, ela abriu gratuitamente na web parte dos seus conhecimentos e produtos a favor do mercado, liberando conteúdos e ferramentas para empresas que são clientes ou não.

“Acreditamos que a educação transforma e que podemos contribuir dentro do nosso negócio, do nosso propósito. Nesse momento de insegurança, informação é um alento e a tecnologia tem que estar ao nosso serviço. Como a internet encurta as distâncias, ao contribuir com esse conteúdo, apostamos que todo mundo vai sair melhor dessa. Toda essa experiência vai ‘criar casca’ nos empreendedores. Ao fim da crise, seremos todos capazes de buscar novas oportunidades, fortalecendo os negócios”, completa Filizzola.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!