O Pit Stop Krug Bier é uma das novidades da cervejaria | Crédito: Divulgação

Primeiro o caso Backer, que instaurou a maior crise no mercado cervejeiro artesanal de Minas Gerais. Depois, as limitações impostas pelas medidas de distanciamento social no combate ao novo coronavírus (Covid-19), com o fechamento de bares e restaurantes.

Definitivamente, 2020 não tem sido um ano fácil para o setor. E, diante dos desafios, empresas como a Krug Bier, localizada no bairro Jardim Canadá, em Nova Lima (RMBH), estão tentando – e conseguindo – se reinventar.

No entanto, o diretor da cervejaria, Alexandre Bruzzi, ponderou que os desafios têm sido grandes e não há perspectiva no médio prazo para qualquer recuperação. Para amenizar as perdas, a empresa tem adotado diferentes ações.

Dessa maneira, as vendas que já estiveram 80% menores que as do ano passado no início da quarentena no Brasil, agora estão cerca de 60% abaixo dos níveis registrados na mesma época de 2019.

“É um momento muito difícil e ninguém consegue traçar uma perspectiva, principalmente porque não há definição alguma – pelo menos na Grande Belo Horizonte – sobre a retomada do setor de bares e restaurantes. Em Nova Lima, foi ensaiada uma retomada que não deu certo e os bares não podem vender bebidas alcoólicas. Mas acredito que, naturalmente, as coisas vão ter que voltar. Logicamente com toda segurança, medidas sanitárias e distanciamento. Mas as pessoas precisam voltar às suas rotinas”, defendeu.

A preocupação do empresário diz respeito também ao mercado de trabalho. Ele lembrou que o setor de cervejas artesanais do Estado é um grande empregador e que, com a atual situação, as empresas que ainda não fecharam, vão fechar. E quem ainda não foi demitido, vai ser. “Quanto mais demorar para reabrir, maiores serão os impactos”, lamentou.

Mas, enquanto isso não acontece, a Krug Bier está direcionando seus produtos para outros canais de vendas. Além do e-commerce, que a empresa já havia intensificado as operações desde a chegada da pandemia no Brasil, com logística e entrega própria, agora lançou o Pit Stop Krug Bier: uma estrutura drive thru para atender os clientes que desejam buscar pessoalmente a bebida, mantendo a segurança e os protocolos exigidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Conforme Bruzzi, a proposta é atender o público que nem precisa sair do automóvel para fazer a compra. Há cinco opções de chopes com preços promocionais, que podem ser retirados em growlers de 1 ou 2 litros.

“É uma opção a mais para o cliente. Estamos trabalhando com todas as medidas de saúde e segurança necessárias e o enchimento dos growles é feito sem qualquer contato do líquido com o ambiente externo. Isso elimina as chances de contaminação e ainda permite que o chope chegue fresquinho à casa das pessoas”, ressaltou.

As vendas de garrafas nos supermercados também estão ‘segurando’ os negócios. Segundo o diretor, a saída tem sido boa, embora a marca tenha tido que reduzir as margens para poder dar vazão aos produtos. Em termos de produção, Bruzzi informou que a Krug Bier está operando com cerca de 30% da capacidade de produção da fábrica, que é de 400 mil litros mensais de cerveja. A previsão no início do ano era de um crescimento de 25% neste exercício.