COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus Negócios

Demanda na RCS dispara 1000% com pandemia

COMPARTILHE

Cabral: vimos a demanda crescer praticamente da noite para o dia | Crédito: Divulgação

O distanciamento social tem levado à paralisação de muitos setores da economia, mas alguns deles, como saúde e tecnologia, têm experimentado um aumento de demanda. Diante dessa realidade, empresas que unem essas atividades têm vivido um período de grande expansão.

Em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), o Grupo Rede de Cuidados em Saúde (RCS) viu a demanda crescer em 1.000% e já se prepara para uma nova era que começa ao fim da pandemia. Dedicado ao telemonitoramento e à telemedicina com suas diferentes empresas, o grupo prevê crescer atendendo empresas dentro do Brasil e também à comunidade brasileira no exterior.

PUBLICIDADE

De acordo com o CEO do Grupo RCS, Ricardo Cabral, as startups Near Telemedicine e EuSaúde, ambas do Grupo RCS, que já estavam no mercado, viram a demanda crescer praticamente da noite para o dia. Juntas, realizam diariamente 2 mil atendimentos.

Em um mês de operação, mais de 2 milhões de mensagens foram trocadas entre os atendentes e clientes, vindos de empresas parceiras e contratantes. Para atender à demanda foi preciso quintuplicar o número de atendentes, passando a contar com 20 colaboradores em tempo integral no setor.

“Vínhamos há dois anos focando em dois grandes processos: cuidar da captação e centralização de clientes por meio da atenção primária e investimento em telemedicina dentro do que era permitido pela legislação brasileira. O que aconteceu com a chegada da pandemia ao Brasil é que estávamos prontos, com os processos desenhados. Daí pudemos entender e atender à explosão da demanda”, explica Cabral.

Atualmente, o RCS está contratando para atender 14 milhões de pessoas, em 16 estados, através de empresas ou instituições públicas. Durante a crise, o grupo saiu de um faturamento de R$ 150 mil/mês para R$ 1,5 milhão/ mês.

O momento de grande desenvolvimento do grupo, porém, não deslumbra o empresário que sabe é preciso contar com uma mão de obra extremamente qualificada e com a regulamentação definitiva da telemedicina no Brasil.

“A região de Belo Horizonte é um celeiro de talentos tanto na área de tecnologia como de saúde. Esse é um grande valor para nós. Não é fácil, porém, fazer com que esses dois mundos conversem. São mindsets muito diferentes. Esse é um desafio interessante porque ele já estava no nosso futuro. É muito interessante ver como não só a minha equipe, mas trabalhadores de todo o mundo estão reaprendendo, se reinventando durante essa crise. Se há algo de bom nisso tudo é a percepção que podemos fazer mais e melhor por uma sociedade mais eficiente e justa”, destaca o CEO do Grupo RCS.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!