COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Negócios Negócios-destaque

Foodtech cria plataforma que conecta comerciantes aos grandes varejistas

COMPARTILHE

Crédito: Reprodução

As novas tecnologias têm movimentado o mercado de alimentos no Brasil. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), startups voltadas para o setor são as que mais crescem no país.

Alguns casos de sucesso começam a entusiasmar o mercado e criar novas expectativas. De acordo com o Liga Insights, o País conta com 332 startups voltadas ao segmento de alimentos, com soluções que agilizam processos desde a produção à entrega. 

PUBLICIDADE

É o caso da Menu, startup que surgiu para facilitar a vida do empreendedor que atua no setor de alimentação fora do lar (AFL). De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa, o dono de um restaurante tem em média 70 entregas de produtos e relacionamento com até 18 diferentes fornecedores por mês.

Pensando nisso, a startup criou uma sistema para otimizar a gestão de compras e estoque de pequenos e médios comerciantes. 

Leonardo Almeida, diretor executivo da Menu comenta que a plataforma da startup possibilita a venda direta de produtos de uma indústria para dono de uma pizzaria, por exemplo.

“Sem nem precisar se deslocar até os atacadistas, o comerciante resolve tudo pelo seu celular ou computador e os produtos são entregues em menos de 24h em um único pedido, mesmo que sejam de fornecedores diferentes. E a nossa vitrine é inteligente: ela aprende com as compras e, quando o cliente acessa a plataforma, dá de cara com os produtos ligados ao seu nicho de negócio”, explica Leonardo.

O objetivo da Menu é consolidar todas as interações entre comerciante e o varejista numa única plataforma, sem interrupções que prejudiquem o andamento do dia a dia do lojista.

Outra vantagem que a startup oferece é um limite de crédito para compra. Funciona assim: um empreendedor que está começando às vezes encontra dificuldade em ter crédito com grandes empresas que ofertam um prazo de pagamento curto. Então, a startup faz esse pagamento diretamente à indústria. 

Já os fornecedores ganham com uma estrutura complementar de venda, a Menu permite um acesso a um cliente que até então, por conta do número pequeno de pedidos e do custo da logística, estava fora de seu escopo.

“Conseguimos também aumentar o preço médio de venda. Por exemplo: o atacadista que paga R$ 10 num produto e revende por R$ 13, consegue através do nosso aplicativo vender o mesmo produto, lá na ponta, por R$ 13. Ela paga comissão para gente, mas o que antes rendia R$ 10, agora rende R$ 11,50, já descontada a nossa comissão”, diz, e completa: “Mesmo pagando a nossa taxa, a indústria ganha mais do que antes”.

Os comerciantes e varejistas ganham tempo, dinheiro e crédito durante o processo de compra, além da comodidade as entregas. E ao mesmo tempo os distribuidores alcançam uma nova cartela de clientes através das sugestões geradas pela plataforma.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!