Crédito: JIM BOURG

Cesar Vanucci*

“A sugestão de se conferir a Donald Trump o Nobel da Paz fortalece a impressão de que alguma coisa no ar anda afetando o miolo das pessoas.”(Domingos Justino Pinto, educador)

  • Biden ou Trump? Conhecidos respondem: pra nós, tanto faz como tanto fez. Trata-se de uma forma de dizer que, a grosso modo, nada tende a mudar, de modo a favorecer o re sto do mundo, qualquer que venha a ser a escolha do eleitorado estadunidense, na conduta política da Casa Branca no plano internacional. A relação de Washington com outros países se prima sempre pela mesmíssima ótica imperial da Roma dos césares, guardadas, obviamente, as devidas proporções e configurações da conjuntura política e cultural vigente nos tempos de agora. Valendo-nos de chistosa observação, ouvida em mais de uma ocasião, a diferença na mudança do poder supremo na grande potência equivale, comparativamente, à do sabor da Pepsi e da Coca-Cola. Todas essas considerações não invalidam, contudo, a “torcida” que, em diferentes partes do planeta, setores da opinião pública identificados com a democracia e valores humanísticos, fazem pela vitória do candidato democrata. A aposta no triunfo de Biden leva em conta a perspectiva de alívio nas tensões cumulativas criadas pelo seu oponente, cidadão despreparado e fanfarrão, com um parafuso de menos na cachola. É certo que Joe Biden não reúne, a uma vista d’olhos superficial, as qualificações de um Barack Obama, ou de John Kennedy. Mas pra quem acompanha as performances do atual mandatário estadunidense, dúvida alguma paira quanto à opção a fazer. Trump vive emaranhado em trapalhadas e manobras belicosas com potencial para acender estopins de explosões incontroláveis.
  • Nobel da Paz. Ato escancarado de desfaçatez pré-eleitoral. Quem ousou promovê-lo foi um deputado norueguês, Christian Tybring-Gjedde, membro da Assembleia Parlamentar da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Ele indicou o presidente Donald Trump, dos Estados Unidos, ao Prêmio Nobel da Paz, ora, veja pois! A indicação de personagens e instituições, no tocante ao Nobel, é ampla, geral e irrestrita. Não significa que o indicado venha a ser escolhido. Brasileiros ilustres, carregados de méritos, como Dom Helder Câmara e Chico Xavier, tiveram os nomes apontados para receber a honrosa láurea. As sugestões não foram acolhidas. O Comitê do Nobel não se manifesta previamente sobre eventuais candidaturas. São os autores das indicações que se encarregam de divulgá-las, como agora acontece no caso de Trump. É significativo o número de propostas nascidas ao longo dos anos, de conveniências políticas inocultáveis. Oportuno assinalar, a esse propósito, que as eleições presidenciais nos Estados Unidos estão bem próximas. Cabe, também, recordar que, no passado, entre as figuras de projeção política mundial lembradas, mas não condecoradas, estiveram Adolf Hitler, Benito Mussolini e Joseph Stalin.

*Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)