COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Opinião Opinião-destaque

Carta aberta ao presidente da República

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Excelentíssimo Senhor Presidente da República Federativa do Brasil,

A Associação Comercial e Empresarial de Minas – ACMinas, representando significativa parcela do empresariado mineiro (e, com certeza, no interesse de todo o empresariado brasileiro), tendo em vista o ‘estado de calamidade pública’ instalado no Brasil, de norte a sul, decorrente de uma ‘pandemia’; tendo em vista as consequências já vivenciadas por todos os setores produtivos, indistintamente: a indústria, o comércio, o agronegócio, os serviços; tendo em vista as inevitáveis consequências por vir, em caráter colaborativo, mas, também, e principalmente, reivindicatório, se apressa em relatar e, ao final, requerer providências concretas que reputa urgentes, indispensáveis para todos os setores produtivos da economia, fazendo-o sob os termos seguintes:

PUBLICIDADE

1 – É um dado da realidade que dispensa quaisquer tipos de comprovação (que não os fatos), a presença da ‘pandemia’ denominada ‘Covid-19’, segundo termos oficiais adotados pela Organização Mundial da Saúde, disseminada por todos os continentes: Ásia, Europa, Oceania, África e Américas, cujos efeitos se fizeram sentir imediatamente, se abatendo sobre toda a atividade empresarial. Comércio, indústria e escritórios estão fechados. As pessoas estão, por imperativo de ordem médica (ou de saúde pública), em estado de ‘isolamento social’. Registra-se, neste ponto, a solidariedade de toda a comunidade empresarial com as autoridades e com as medidas adotadas no sentido de se proteger a vida das pessoas.

2 – Fechados os ‘estabelecimentos’, à exceção daqueles que considerados atividades essenciais (de sobrevivência), o que se tem é um precaríssimo funcionamento das empresas e dessa situação decorre o comprometimento absoluto de todos os serviços empresariais com consequências nefastas imediatas. O que se quer afirmar é que toda a atividade empresarial, absolutamente desprovida de receitas, já amarga prejuízos que refletirão – isto também é um fato – nos resultados (nas demonstrações financeiras) do ano fiscal corrente de 2020 e, com muita certeza, nalguma medida, influenciará, também, os resultados do ano fiscal vindouro de 2021.

3 – As medidas de natureza legal adotadas nos últimos dias, especiais e urgentes, não obstante próprias, se revelam insuficientes e de execução (algumas delas) burocráticas. Registra-se louvável a iniciativa quanto à proteção da atividade denominada ‘informal’ e que, de indiscutível utilidade, é insuficiente para atender às urgências dos próprios setores informais. Quanto às atividades das empresas formais (exatamente as que sustentam o Estado), as únicas efetivamente geradoras empregos, de renda e de tributos, cidadãs que são, não podem sucumbir. Dito com clareza: o organizado e eficiente sistema de empresas privadas brasileiras não pode ir à bancarrota. Não pode ficar sem registro a constatação de que tanto quanto ocupado está o governo na proteção da vida das pessoas, é hora, até já com certo atraso, de se proteger a vida das empresas formais e nesta medida os instrumentos legais e normativos expedidos são (foram) absolutamente insuficientes. O que reclama e requer todo o conjunto de empresas brasileiras é que, urgentemente, um conjunto de medidas novas seja adotado no sentido de assegurar a ‘vida’ das empresas não apenas para o imediato ‘pós- Covid-19’, mas para o futuro. O Brasil necessita de uma legislação especial e urgente no sentido de assegurar ao empresariado que também as empresas sobreviverão à pandemia que sobre o mundo se abateu.

4 – É preciso considerar (outro dado da realidade) que os empresários brasileiros – todos, sem exceção – deram, estão dando e darão a sua dose de contribuição na sua medida máxima: já renunciaram ao lucro que não virá; já sucumbiram a prejuízos incorridos e não se sabe quando é que, de novo, se terá resultado positivo; os empregados, dos quais também não se pode exigir sacrifício maior, estão (ou ficarão) sem trabalho. Para esse ponto, sabidamente delicado, o que propõe o empresariado é que se permita, na relação empregados-empregadores, com abertura, a mais plena renegociação de seus contratos. Numa hora como esta, fazer da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT um estandarte é ferir de morte o Brasil como nação livre. É negar a livre empresa. Aquela hipossuficiência tão cara em favor dos empregados mudou de lado e a autoridade que não tiver esta percepção trabalha contra o Brasil.

5 – Postas estas constatações, não foge à percepção do mundo empresarial a escassez de recursos para o enfrentamento que a pandemia determina. Trata-se, por evidente, de ônus que deve ser distribuído, cobrando-se a participação de cada brasileiro: setores privados (já sacrificados) e setores públicos (que ainda não deram a sua contribuição). Por imperativo, neste ponto, a comunidade empresarial tem propostas muito claras. Tendo já o empresariado e seus empregados dado a sua colaboração para além dos limites (quando ao empresário se nega o funcionamento e quando ao empregado se nega salários, desses mais não há o que ser exigido). Os Estados, unidades da República Federativa do Brasil, não dispõem de recursos mínimos para socorrer o mundo empresarial em face de reconhecidos e históricos desvios de prioridades e de condução das coisas públicas, o que não cabe, por hora, trazer a texto. Apropriando expressão que bem define este momento da Humanidade (ou, à falta de expressão mais apropriada): se vive um ‘estado de guerra’ e, portanto, ao Governo brasileiro não cabe outra providência que não:
renunciar a toda e qualquer outra prioridade que não seja a de salvar o eficiente e consolidado sistema das empresas brasileiras. Querem as empresas, do governo central, o mesmo empenho que se teve e que se tem para salvar vidas; o mesmo se quer para salvar as empresas, porque são empresas-cidadãs (rectius: salvar empregos, salários e tributos). O orçamento federal não pode ter, agora, outra prioridade, mas, apenas esta;
Concomitantemente, que se faça um corte horizontal (sugere-se, no percentual de 25% [vinte e cinco por cento] em toda a folha de pagamento aos servidores públicos dos Poderes Legislativo, Judiciário e Executivo). Não se perca de vista que os esforços dos empresários e de seus empregados, que já foram e vêm sendo praticados, são muito (muito mesmo) superiores ao sugerido percentual de 25% (vinte e cinco por cento), num cômputo geral. O exemplo, quanto a esta proposta, tem precedente e é recente; vem de Portugal (anos 2013/2014) com o (seu) programa denominado ‘TROIKA-Revitalizar’. Não se justifica que o setor público – todo ele – seja poupado de qualquer sacrifício, quando o Brasil inteiro deu, dá e continuará dando, a sua cota máxima de contribuição.
Ainda quanto aos servidores públicos, os empresários brasileiros chamam a atenção para que, quanto à sua remuneração, se respeite os limites impostos pela lei e pela Constituição, o que, é sabido, não tem sido cumprido, onerando, de forma ilegal e lesiva os cofres públicos, bem como contrariando os interesses dos cidadãos e da Nação brasileira.
São estes, Senhor Presidente da República, os fatos e os pleitos da comunidade empresarial brasileira. A ACMinas e seus associados estão abertos para o diálogo, na necessária construção de um ‘Pacto Nacional’, e várias são as sugestões que levarão às instâncias próprias, na forma em que determinada por Vossa Excelência, legítimo mandatário e condutor dos destinos da Nação.

A comunidade empresarial brasileira precisa ser ouvida na construção de um Brasil que, já se tem certeza, poderá sair maior e mais fortalecido dessa ‘pandemia’.
Muito atenciosamente e ansiosos por uma convocação para discutir e debater cada ponto aqui elencado.

Belo Horizonte – MG, em 7 de abril de 2020
Aguinaldo Diniz Filho
Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas – ACMinas

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!