COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Cenário da inflação no Brasil em 2021

COMPARTILHE

Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
*Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Econômicas e doutor em Administração | [email protected]
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

O processo inflacionário brasileiro, em 2021, possui três razões principais: uma externa – a inflação, em dólares, dos preços dos produtos relacionados à retomada do crescimento econômico mundial – e duas internas – a falta de credibilidade na condução da política fiscal e a crise hídrica. A conjunção destes três fatores, somada à baixa taxa de crescimento nos setores que utilizam mão de obra de forma intensiva, faz com que a percepção do poder de compra no Brasil seja sentida com maior intensidade, principalmente, quando comparada aos países que apresentam recuperação econômica mais acelerada e em diversos setores.

No Brasil, o índice oficial de inflação é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mensurado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentando a variação do custo de vida médio de famílias das principais regiões urbanas do País com renda mensal entre 1 (um) e 40 (quarenta) salários-mínimos e dividido em nove grupos (1. Alimentação e bebidas; 2. Habitação; 3. Artigos de residência; 4. Vestuário; 5. Transportes; 6. Saúde e cuidados pessoais; 7. Despesas pessoais; 8. Educação; e 9. Comunicação). Este indicador não é referente à variação do custo de vida individual porque, cada um de nós, possui uma cesta de consumo diferente daquela que é adotada pela metodologia do IBGE, por isso, quase sempre escutamos “o governo está escondendo a inflação” ou “a minha inflação é muito maior que a divulgada pelo governo”. A variação do IPCA acumulada nos últimos doze meses é de 9,68%, muito acima do centro da meta para 2021 que é de 5,25%.

PUBLICIDADE

A perspectiva para a inflação no Brasil em 2021 permanece de alta porque, conforme indicado no primeiro parágrafo, os fatores de pressão persistem e podem ser ampliados. A inflação de custos possui dois componentes: o primeiro é decorrente do aumento em dólares dos insumos de produção relacionados à retomada do crescimento econômico mundial, como as commodities agrícolas e minerais e, o segundo, está relacionado a falta de credibilidade da condução da política fiscal, decorrente do descontrole das contas públicas com a possibilidade de rompimento do teto orçamentário com políticas populistas como a proposta de incremento do programa Bolsa Família e de “maquiagem” ao não realizar o pagamento de precatórios. Esta falta de credibilidade estimula a desvalorização cambial porque o risco de não pagamento da dívida pública aumenta. Aumentando o risco, o Banco Central (BC) eleva a taxa de juros (que aumenta o custo do serviço da dívida) tornando os títulos da dívida pública mais atrativos com objetivo de evitar que os credores do governo vendam seus títulos e comprem moeda estrangeira desvalorizando o real. Como há defasagem entre os acontecimentos políticos e as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorrem a cada 45 (quarenta e cinco) dias, para definição da taxa Selic, há desvalorização da taxa de câmbio e isto torno o preço dos produtos cotados em dólares ainda mais altos, aumentando os custos de produção que são repassados para o consumidor final. O terceiro fator impactante é a crise hídrica, a pior em 90 anos, que além de impactar o consumidor final, impacta toda a cadeia de produção. O consumidor final é afetado diretamente pelo aumento no preço da energia elétrica, que nos últimos 12 meses teve acréscimo de 21,08%. A cadeia de produção é afetada pela falta de água, para as commodities agrícolas, pelo aumento de custos da energia para a produção de bens e serviços, e pela possível falta de energia, o que contribuirá para redução da taxa de crescimento da economia brasileira.

A avaliação final é a de que diante deste cenário e com o agravante da possibilidade do Federal Reserve (FED) aumentar a taxa de juros da economia dos Estados Unidos, desvalorizando ainda mais o real, existe potencial para termos uma taxa de inflação acima dos dois dígitos no Brasil de 2021.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!