COTAÇÃO DE 20-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4160

VENDA: R$5,4170

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4470

VENDA: R$5,5770

EURO

COMPRA: R$6,1450

VENDA: R$6,1478

OURO NY

U$1.837,83

OURO BM&F (g)

R$321,61 (g)

BOVESPA

+1,01

POUPANÇA

0,6340%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
" "
Crédito: REUTERS/Sergio Moraes

Na semana que passou, o presidente Bolsonaro admitiu pela primeira vez rever a política de preços da Petrobras, dando fim, ainda que tardiamente, ao conceito de paridade com o mercado internacional, raiz dos problemas enfrentados presentemente.

O presidente, que dessa vez acertou no alvo, não adiantou o que pretende fazer e até ressalvou que a Petrobras é uma empresa, tem acionistas e ele próprio não tem domínio sobre suas decisões. Uma mera questão de perspectiva e que não se sustenta diante da mera constatação de que a população brasileira representa o grupo majoritário.

PUBLICIDADE




Tendo finalmente apontado para a direção certa, é preciso lembrar ao presidente que o petróleo é a mais importante commodity negociada no planeta e seus preços são cartelizados, não refletindo a realidade de mercado.

A Petrobras tem que ser olhada em outra perspectiva, a do interesse público. Foi assim que a empresa nasceu, justamente para livrar o País da dependência dos cartéis internacionais e, sobretudo depois da crise dos anos 70, desenvolveu tecnologia e fez altíssimos investimentos para prospectar e extrair óleo em águas profundas.

É absolutamente sem sentido que tendo tido sucesso muito além dos mais otimistas prognósticos, chegando, em poucos anos, à autossuficiência que parecia impossível, renuncie, voluntariamente, à independência que essa condição confere antes ao Brasil e só depois à Petrobras. E tudo isso para servir, despudoradamente, a interesses que não são os nossos, caso também do virtual abandono dos investimentos em refino, gerando por este lado uma dependência sem sentido. Exportamos óleo cru e importamos refinados. São erros em cima de erros que ajudam explicar por que o litro de gasolina chega ao consumidor final por mais de R$ 7,00.

Mudar significa simplesmente recolocar a Petrobras no seu lugar, reconhecendo sua condição estratégica para o País. Significa também adotar uma política de preços que considere todos os custos de produção da empresa, bem como suas margens operacionais e reservas para investimentos. Feitas as contas na ponta do lápis, a constatação de que cada barril de petróleo nos custa cerca de US$ 15, enquanto as cotações internacionais, base para a desastrada e criminosa política de preços internos, andam flutuando em torno dos US$ 80 ou até mais.




Temos batido nessa tecla e continuaremos batendo enquanto for necessário, na certeza de que está sendo imposto ao País um sacrifício sem sentido. Afinal o reconhecimento do presidente da República de que algo está muito errado reforça as esperanças de que possamos tomar um rumo mais sensato.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!