COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | O fantasma está de volta

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

Durante a campanha eleitoral, quem não se lembra, o então futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, era apresentado pelo candidato Jair Bolsonaro como seu “Posto Ipiranga”, o homem que tinha todas as respostas, capaz de dar um rumo melhor à economia do País. Como o próprio candidato dizia desconhecer o assunto, atribuía a seu escolhido a condição de superministro, figura central de seu governo, no caso de vitória.

Profissional reconhecido como competente e bem-sucedido empresário no mercado financeiro, Guedes representava, àquelas alturas, uma espécie de garantia para o dito “mercado”, encantado com suas ideias liberais, da escola de Chicago.

PUBLICIDADE

Em quase três anos de governo muita coisa mudou, e para pior, em teoria tornando ainda mais necessários os conhecimentos e a autoridade do ministro da Economia. Nem de longe foi o que aconteceu, com o governo, que em campanha prometia justamente o contrário, rapidamente curvando-se aos piores hábitos da política, inclusive o apetite para um segundo mandato, tudo isso tendo como sinônimo a gastança descontrolada, o abandono das políticas de restauração do equilíbrio fiscal e, de forma evidente, a desidratação do Ministério da Economia, que há poucos dias perdeu o comando da Previdência Social, que por conveniências políticas e eleitoreiras recuperou seu status ministerial.

Guedes, inteligente, com toda certeza já se deu conta da situação e dela não escapa, acreditam alguns, exclusivamente porque ainda tem esperanças de poder fazer alguma coisa.

Afinal, fica difícil, se não impossível, continuar sustentando o devaneio de que a economia brasileira ingressou numa rota consistente de recuperação, tanto quanto perder de vista que a inflação, que está a um passo de voltar a ficar fora de controle, já deixou para trás o teto estabelecido e em 2022 poderá, num prognóstico talvez otimista, chegar aos 8%. Por horas, como única reação, a escalada dos juros, em proporções muito preocupantes considerada a fragilidade da economia. Teimosamente o mesmo remédio de sempre, aquele do qual já foi dito que a única diferença entre ele e o veneno é a dose. Algo que lembra muito os tão falados tratamentos alternativos para a Covid, tão defendidos quanto ineficazes.

É triste, lamentável, que o Brasil regrida a este ponto, ameaçando pôr a perder todos os esforços representados pelo Plano Real, que deu ao Brasil 27 anos de confortável estabilidade monetária, realizando o que parecia impossível, mas que começou a se perder talvez quando a obsessão da reeleição passou a condicionar todas as ações dos presidentes que vieram depois de Itamar Franco.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!