COTAÇÃO DE 22/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3030

VENDA: R$5,3040

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4600

EURO

COMPRA: R$6,1939

VENDA: R$6,1967

OURO NY

U$1.768,10

OURO BM&F (g)

R$301,58 (g)

BOVESPA

+1,84

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: Marcus Santos/Usp Imagens / USP Imagens

Depois de anunciar sua decisão de abandonar a ideia de criação de um novo programa de renda básica, o presidente Jair Bolsonaro transferiu ao Congresso Nacional a tarefa de decidir a respeito. Uma empreitada nada fácil, considerando os valores discutidos e, para quem conhece as contas públicas, na realidade impossível.

Como foi dito aqui mesmo, o que se cogitava faz absoluto sentido, desde que se pretenda, a sério, garantir aos brasileiros mais necessitados condições mínimas de subsistência, e com a dupla vantagem de ao mesmo tempo irrigar a economia, alavancando o consumo. Nada, entretanto, que se possa fazer, e sustentar, por mero voluntarismo.

PUBLICIDADE

Como já foi varrida a ideia estapafúrdia de congelar aposentadorias e salário mínimo para assim levantar os recursos necessários, é de bom alvitre lembrar que existem sim caminhos possíveis, desde que mudem as prioridades. E começando pelos gastos com o funcionalismo, que, somados ativos e inativos, só não representam mais que os gastos com a rolagem da dívida pública, num processo de adequação que, para ser sério, teria que passar pelos três poderes.

Todos sabem que existe espaço para isso e aos que não sabem oferecemos alguns exemplos: um auditor fiscal ganha R$ 355 mil por ano, enquanto um colega seu nos Estados Unidos recebe R$ 245 mil; um deputado federal recebe, e sem contar os “penduricalhos”, R$ 439 mil em doze meses, contra menos da metade de um colega seu na Suécia; a um ministro do Supremo são reservados R$ 510 mil por ano, enquanto um colega seu francês tem que se contentar com R$ 338 mil. Numa última comparação, a um procurador federal paga-se R$ 510 mil por ano, valor que na rica Alemanha equivale a menos da metade, R$ 253 mil.

Estamos mirando só o topo e, evidentemente, não contamos tudo para demonstrar que, sim, é perfeitamente possível cortar sem que seja preciso, como disse o presidente da República, “tirar do pobre para dar ao miserável”. Melhor ainda será mencionar estudos do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, o respeitado Ipea, apontando que reformas adequadas poderiam representar, para a União, estados e municípios, economia entre R$ 1,3 trilhão e R$ 1,7 trilhão em 20 anos e isto considerando regras aplicáveis apenas a novos servidores, além das aposentadorias que necessariamente acontecerão no período.

Enxergar a realidade tal como ela se apresenta pode assombrar diante dos despropósitos que serão vistos, mas, e na mesma medida, basta para animar aqueles que pensam que não existem saídas. O que falta é vontade de mudar.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!