COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5770

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,2610

VENDA: R$6,2639

OURO NY

U$1.814,31

OURO BM&F (g)

R$322,84 (g)

BOVESPA

+0,28

POUPANÇA

0,6310%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Tolerância tem limite

COMPARTILHE

" "
Presidente afirma que a Petrobras já avalia novo reajuste nos preços dos combustíveis nas refinarias | Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Houve quem imaginasse que o fracassado ensaio de golpe no 7 de setembro do ano passado, além da  sucessão de cobranças mais duras do Judiciário, teria sido, para o presidente da República, uma espécie de freio. Acuado num primeiro momento, Bolsonaro parecia menos propenso a desafios tão imaturos quanto inúteis. A calmaria durou pouco e, depois de nova hospitalização, talvez revigorado, o presidente saiu atirando em seus alvos preferenciais na Justiça Eleitoral. Sem explicar por que, fossem outras as condições, apenas reiterando seu dever, o presidente garantiu que as eleições de outubro serão limpas e, demonstrando que não esgotou sua capacidade de surpreender, apontou as Forças Armadas como fiadoras de um processo “limpo e transparente”.

O assunto, pelo menos na perspectiva do presidente, parece longe de se esgotar e ele voltou a apontar desconfiança com relação às urnas eletrônicas, novamente sem apresentar pelo menos algum indício que sustente suas dúvidas, mas adiantando que o Ministério da Defesa fez questionamentos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) emendando que “não serão com bravatas que nós vamos aqui aceitar o que querem impor à nossa população”. Seria uma referência nada sutil aos resultados de pesquisas de opinião que conferem a seu principal oponente o dobro de pontos na preferência dos eleitores?

PUBLICIDADE




Repetitivo, sem trazer qualquer elemento novo ao debate, Bolsonaro dessa vez não conseguiu acender a fogueira que ardeu em outras ocasiões. Ao contrário, teria recebido em Brasília sinais de incômodo das Forças Armadas, que começa a perceber que está sendo usada e manipulada impropriamente. De qualquer forma, são sinais que precisam ser tomados na devida conta, na medida em que evidenciam que, na opinião do chefe da Nação, só serão “limpas e transparentes” eleições que lhe garantam um segundo mandato, ficando qualquer outro resultado na conta de manobras que promete evitar a qualquer custo. O recado, ainda que tenha tido pouca repercussão, não poderia ser mais explícito, mesmo que totalmente vazio de conteúdo.

São acontecimentos que preocupam, que recomendam atenção e vigilância, seja do Legislativo, do Judiciário e, sobretudo, diante do que foi repetido agora, das próprias Forças Armadas, que assim como não podem se desviar de suas funções – que estão dentro das quatro linhas da Constituição que o presidente tanto gosta de apontar – são usadas como instrumento de pressão, procedimento que certamente colide com suas responsabilidades, seus valores e, sobretudo, seu papel. Silêncio, nessa hora, pode se transformar em conivência.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!