COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Valores a defender

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

O presidente Bolsonaro não se deu por vencido com a devolução, pelo presidente do Senado, da medida provisória que, trocando em miúdos, poderia melhorar os precários mecanismos de controle da internet e redes sociais. O ataque agora tem como alvo a Câmara dos Deputados, que recebeu praticamente o mesmo texto, só que na forma de projeto de lei.

Enganosamente o argumento, falso, é de que se está defendendo a liberdade de expressão, quando na realidade trata-se exatamente do contrário. Ou alguém equilibrado, independentemente de suas preferências políticas, entenderia como liberdade de expressão os robôs contratados de empresas especializadas e muito bem pagas, cujo trabalho é multiplicar, no volume que o interessado possa e queira pagar, mentiras que lhes sejam de alguma serventia, no campo político ou não.

PUBLICIDADE

Os termômetros políticos em Brasília já antecipam que dificilmente o projeto de lei será aprovado, uma vez que não há como deixar de enxergar seus objetivos – e riscos – ou o fato de que a tentativa anterior foi condenada também pelo Judiciário. Para Bolsonaro, cujos apoiadores mínguam a olhos vistos, deixar de contar com este tipo de artilharia pode ser fatal, mas, na realidade, a questão é muito mais ampla e se o presidente da República de fato estivesse preocupado com liberdade de expressão ou com os riscos que sua fala representam, estaria olhando em outra direção. Para apoiar e dar sustentação ao movimento, liderado no Brasil pela Associação Nacional de Jornais (ANJ) e com representação de entidades de mídia das três Américas.

Em manifesto publicado esta semana, inclusive neste DIÁRIO DO COMÉRCIO, as entidades pedem que se priorize e resguarde o conteúdo jornalístico nas plataformas digitais, o que significa ao mesmo tempo fazer com que estes espaços deixem de ser terra de ninguém e que seja de alguma forma controlado o poder das empresas proprietárias dessas redes, cujo alcance ameaça a liberdade e a pluralidade, além de representar também um monopólio econômico cujo poder e influência é igualmente ameaça global.

Temos dito e repetido que é preciso deter esta escalada, exatamente o contrário do que propõe o projeto de lei mencionado no início desse comentário, cujas intenções são autoexplicativas. Mais amplamente, conforme cobrado pela Associação Nacional de Jornais (ANJ) e demais signatários do manifesto, é preciso deter as ameaças à propriedade intelectual e a concentração econômica, que pode ser apontada como antônimo da liberdade de imprensa, tanto pior quando exercida numa escala global, capaz de impor valores, cultura e interesses que necessariamente não são aqueles que melhor nos representam.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!