DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: Reprodução

Monica Cordeiro*

O isolamento social dos últimos meses paradoxalmente me aproximou de pessoas e empresas de todo o País, reunidos por meio de plataformas digitais para debater sobre Governança Corporativa. Em diversas oportunidades, deparamo-nos com reflexões como “Governança gera mesmo valor para as empresas?”, ou “como definir Governança em uma palavra?”

PUBLICIDADE

Para mim, a resposta transborda. Governança Corporativa gera valor para as empresas pois transforma histórias corporativas. E, em uma palavra, Governança é exatamente este legado.

É oportuno perceber a Governança como um excelente problema, por decorrer do crescimento de um negócio, por nascer quase junto àquele momento em que o dono ou fundador precisa organizar melhor a sua gestão, ou mesmo se afastar, porque os negócios cresceram. O desenho de uma estrutura de governança busca minimizar os conflitos entre sócios, os conflitos entre donos e administradores, equilibrar os interesses dos muitos públicos que interagem com a empresa. É, sobretudo, melhorar o processo decisório, estabelecendo com clareza os papéis e responsabilidades daqueles que estão no “mundo da gestão” e daqueles que estão no “mundo da governança” em uma empresa.

Para que haja legado, é preciso fazer com que estes mundos se harmonizem, se complementem. Cada um cuidando de sua agenda, para que os propósitos dos fundadores resultem em uma organização cidadã, lucrativa e que tenha a cada momento merecidamente renovada a sua licença da sociedade para operar.

A condição importante para que tudo isso funcione passa pelo querer verdadeiro dos proprietários em criar conselhos de administração ou consultivos que funcionem de maneira saudável; um colegiado cuidadosamente constituído, que tem por missão principal a agenda do futuro da organização. Uma agenda que necessariamente examina os temas de sustentabilidade, inovação, riscos e conformidade, conectados à estratégia de longo prazo – e ao mundo da gestão.

A Governança gera valor ao construir confiança e contribuir para a longevidade dos negócios. Empresas de controle familiar, por exemplo, mais longevas e que seguem por muitas gerações com negócios admiráveis e saudáveis, têm discutido de forma respeitosa e refletida os aspectos ligados ao seu patrimônio, à família e ao negócio. Instrumentos da governança familiar complementam a estrutura da governança corporativa, preservando-se valores e a harmonia familiar.

Chamo atenção, ainda, para as demonstrações financeiras de uma empresa – o quanto podem ser reveladoras. Nunca mais veja um Balanço ou a Demonstração de Resultados, publicações obrigatórias para as que negociam suas ações em bolsa, sem dar o merecido valor àquela numerologia infernal. Estes números carregam a trajetória das empresas, refletem o valor de seus gestores, a força de sua governança e de suas decisões.

Combinados e organizados com base em fundamentos da avaliação financeira, conseguem mostrar com precisão se os donos estão sendo recompensados em seus investimentos, se a empresa tem liquidez para saldar seus compromissos, se a empresa tem financiado suas operações, estoques e fornecedores com dívidas de perfil adequado.  Até mesmo o crescimento de vendas, inicialmente entendido como “quanto maior, melhor” passa a ser dosado a taxas de crescimento sustentável.

Se todos estes números carregam tanto significado, imagine o que pode trazer de benefícios uma estrutura de governança, que fez por concretizá-los. A notícia alvissareira é que a jornada de governança é viagem com opções de modais e velocidades a depender da escolha e perfil do viajante. Que precisa começar. E que requer conhecimento e arte.

Por já terem avançado em gestão e governança, muitas histórias empresariais estão sendo valorizadas e negócios estão enfrentando melhor diferentes crises e também essa pandemia. A função social de uma empresa tem mesmo um significado nobre, até porque é no ambiente de organizações construtivas, com boas práticas, que desenvolvemos “o mais que humano em nós” que a música nos traz à lembrança.

O momento pede mais Governança Corporativa, com mais tecnologia, agilidade e menores custos de implantação, para que sigamos colecionando legados. Cada um tem seu papel neste caminhar.

*Conselheira de Administração e Coordenadora do Capítulo Minas Gerais do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC. monicanevescordeiro@gmail.com

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!