COTAÇÃO DE 24/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5030

VENDA: R$5,5030

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6630

EURO

COMPRA: R$6,2080

VENDA: R$6,2103

OURO NY

U$1.842,90

OURO BM&F (g)

R$323,72 (g)

BOVESPA

-0,92

POUPANÇA

0,5845%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Meio ambiente como ferramenta de viabilidade e atração de investimentos

COMPARTILHE

" "
Crédito: Divulgação

Carlos Eduardo Orsini *

Em artigos relacionados com o meio ambiente de autoria de Ênio Brandão e de Roberto Messias, que versaram respectivamente quanto a importância do processo de licenciamento ambiental em Minas Gerais e em seguida na capacidade de geração de informações e do conhecimento, leva-nos a refletir de forma decisiva quanto a oportunidade de praticarmos decisivamente a “sustentabilidade” nas mais variadas atividades produtivas de Minas Gerais, sejam elas na mineração, energia, indústria, agricultura e pecuária.

PUBLICIDADE




“Ao trabalhar o tema de sustentabilidade, que representa a síntese do meio ambiente, evoca-se a retomada da capacidade de viabilização de projetos e consequente atratividade para investimentos, num processo de licenciamento ambiental racional, inteligente e inovador, aproveitando a máxima capacidade de informações e conhecimento”.

Tais ingredientes que conformam um documento técnico (EIA-Rima por exemplo), deverão promover o crescimento econômico com harmonia, necessários a serem seguidos pelo empreendedor quando se pretende investir numa região ou num estado.

Como ferramenta inovadora para a viabilização e atração de investimentos, apresentam-se conceitos defendidos por agentes internacionais e nacionais de fomento, além de bancos financiadores de empreendimentos, como o Banco Mundial – Bird, International Finance Corporation-IFC, Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, BNDES, Banco do Brasil, CEF, e outros do porte de HSBC, Santander, Chase, etc., quando subscritaram os “Princípios do Equador” para assegurar o devido equilíbrio de um novo projeto ou empreendimento, com a conservação da natureza, a qualidade de vida do “homem” e de suas futuras gerações, consolidando a própria fundamentação do “desenvolvimento sustentável”.

Que estes propósitos de racionalização possam trazer a vitamina que Minas Gerais necessita para retomar o seu crescimento, num momento tão complicado de sua economia, e que as DNs (Deliberações Normativas do Copam e da Semad) sejam também consideradas referências importantes para o desenvolvimento sustentável, que, aliás, fazem parte do próprio nome da Semad-MG – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais.




Certamente, meus caros amigos, companheiros ambientalistas e empreendedores, teremos a chance de renovar premissas anteriormente plantadas nas terras mineiras, quando num projeto novo ou de expansão se faz o resgate social, a recuperação da cidadania, para que o povo tenha fé no seu governo e amor a sua terra, agindo como cidadão e patriota.

  • Ex-secretário Assuntos Internacionais, ex-presidente do Indi
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!