COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

O Brasil possui um Estado Forte ou um Estado Fraco?

COMPARTILHE

Prédio do Congresso Nacional em Brasília
Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Quando se trata de melhorar o Brasil, nós brasileiros ficamos dando “murro em ponta de faca”. Há mais de cem anos estamos “batendo na mesma tecla”, errada e desafinada, do atalho imediatista e do não desenvolvimento duradouro e sustentável de toda a nação. Para piorar, colocamos erradamente a culpa no ‘ser brasileiro’, que nada de diferente tem dos demais seres humanos, e assim deixamos de atuar onde de fato poderíamos acelerar nossa modernização.

Ao longo das décadas, conseguimos criar um ‘Estado Fraco’, que não consegue proteger os honestos contra os desonestos, e nem prestar os mais básicos serviços públicos de saúde, educação, segurança e infraestrutura.

PUBLICIDADE

Paradoxalmente, conseguimos, ao mesmo tempo, estruturar um ‘Estado Forte’, que atrapalha o empreendedor e o trabalhador quando tentam criar riqueza e levar prosperidade a todos.

O Estado é fraco quando não consegue evitar: mais de cinquenta mil assassinatos por ano; milhões de agressões e estupros contra mulheres e crianças; roubos de toda ordem, devedores contumazes dando calotes nos credores impunemente; bairros sob o comando do tráfico de drogas ou de milícias; a corrupção sistêmica e a violência como forma de agir das autoridades; desmatamentos ilegais na Amazônia; e a captura dos cofres públicos de municípios, estados e da União por corporações de empresas, políticos e altos funcionários públicos, sugando “legalmente” os recursos que deveriam ir para os mais necessitados.

Por outro lado, temos um Estadoforte em criar milhares de regras que colocam o cidadão de joelhos em um cipoal ineficiente de entraves burocráticos, com órgãos lotados de funcionários públicos desmotivados e impacientes, além de mais de 500 ineficientes empresas estatais. É forte também para multar e tributar desproporcionalmente o trabalhador e o empreendedor; ao mesmo tempo em que é forte para dar privilégios, subsídios e isenções tributárias a setores empresariais organizados, assim como para ampliar a já altíssima remuneração e aposentadorias de membros do Judiciário, do Ministério Público e do Legislativo, concedendo-lhes carros, motoristas, prédios suntuosos e penduricalhos de toda ordem, além das férias superiores a 30 dias por ano.

Não se pode esquecer do absurdo a que o empreendedor pequeno, médio ou grande do agronegócio está sujeito perante tal “Estado Forte”, quando se vê rapidamente multado e até processado criminalmente por haver limpado arbustos na sua área sem prévia autorização de órgão ambiental, enquanto espera anos por uma licença para iniciar a produção.

A cada arranjo que se faz aqui ou ali, o que se tem é a demonstração clara da ausência de foco e prioridade na construção de um Estado que deveria cumprir as suas principais missões de: (i) prestar bons serviços públicos (educação, saúde e segurança pública); (ii) proteger os honestos contra os desonestos, garantindo, ainda, o direito de propriedade do credor contra o devedor (inclusive quando é o Estado o mau pagador); (iii) investigar eficientemente o corrupto, o ladrão, o estuprador, o traficante e o assassino para, depois de processá-los com agilidade e seguindo o devido processo legal, puni-los exemplarmente; (iv) viabilizar, direta ou indiretamente, boa infraestrutura e desenvolvimento urbano; (v) regular bem a sociedade para evitar abusos, preconceitos e injustiças, combatendo toda forma de discriminação; (vi) cobrar impostos com isonomia, sem gastar mais do que arrecada, e tributando progressivamente a renda para diminuir a desigualdade social; (vii) inserir o Brasil nas cadeias produtivas e comerciais globais e o fortalecimento da cooperação concreta e efetiva entre os povos, atuando, ainda, pela difusão do potencial econômico, ambiental, cultural e turístico do país.

Perceba-se que tal missão não é um dilema de partidos ditos de esquerda, centro ou de direita, mas sim uma prioridade civilizatória comum para todos nós. Se fôssemos uma nação verdadeiramente comprometida com nossos filhos e netos, não deveria haver qualquer diferença entre os programas dos partidos políticos vigentes, todos teriam que dizer e propagar políticas públicas na mesma direção. Temos que nos unir para, primeiramente, fazer o óbvio e o prioritário. Depois de feito, podemos nos dividir, para afinar o instrumento em direção mais progressista ou mais conservadora nos costumes e na economia.

A culpa de nosso intermediário desenvolvimento socioeconômico não decorre do nosso clima, de nossa cultura e nem de nossos vizinhos; mas sim da nossa persistente omissão em fortalecer as instituições públicas para que incentivem nos brasileiros comportamentos positivos e construtivos, protegendo os honestos contra os desonestos e promovendo políticas públicas que revertam para o genuíno benefício de toda a Nação.

*Doutor em Direito e sócio-fundador do Aroeira Salles Advogados | [email protected]
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!