COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6890

VENDA: R$5,6900

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7130

VENDA: R$5,6900

EURO

COMPRA: R$6,4094

VENDA: R$6,4123

OURO NY

U$1.779,64

OURO BM&F (g)

R$325,16 (g)

BOVESPA

+1,70

POUPANÇA

0,4572%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Opinião Opinião-destaque
Sergio Moro
Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters

Maurício Loboda Fronzaglia*

Quando anunciado como ministro da Justiça do recém1-eleito presidente Jair Bolsonaro, o juiz Sérgio Moro viu as portas se abrirem para a construção de políticas públicas de combate à corrupção. O presidente, por sua vez, ganhava um aliado que lhe aumentaria o apoio popular.

PUBLICIDADE

Tal foi a aparência do casamento político entre os dois. Na essência do cálculo político, o presidente terceirizava o combate à corrupção para o ministro e poderia se eximir das possíveis crises e denúncias que surgissem. O sucesso do ministro seria um ponto positivo para o presidente que o indicou, já o insucesso poderia ser colocado todo na conta do ministro. Ao presidente caberia dizer, “nomeei o maior nome de combate à corrupção e não deu certo”.

Para Sérgio Moro, o cálculo político trazia alternativas muito sedutoras além do combate à corrupção. Ele estaria muito mais perto da indicação para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. Poderia ficar algum tempo no governo, deixar uma marca e seguir para o STF.

Havia também a possibilidade de aumentar a sua já grande popularidade pelas ações que empreendesse no Ministério da Justiça. Neste caso, Moro acumularia um capital político quase sem precedentes e se colocaria como candidato quase que imbatível para as próximas eleições presidenciais. Os dois caminhos anunciavam um divórcio neste casamento político. No primeiro caso seria amigável, no segundo caso o caminho seria cheio de intempéries.

A convivência e os imperativos das atividades cotidianas do poder colocaram os dois atores, presidente e ministro, em atrito por várias vezes no decorrer desses 16 meses de governo. O plano anticorrupção do ministro não teve o suporte do presidente que desejava. Em uma das suas lives, o presidente disse que o ministro da Justiça teria que esperar sua vez para ter seu projeto como prioridade no Congresso.

No início do ano, houve o atrito sobre a figura do juiz de garantias, além disso, o presidente quis tirar a Secretaria de Segurança Pública da pasta da Justiça, dando-lhe uma pasta própria. No fundo, o presidente queria ter mais poder de intervenção nesta área e na Polícia Federal.

Essa não seria a primeira nem a última tentativa de interferência. Moro não gostou. A repercussão foi de tal forma negativa que a ideia foi deixada de lado pelo presidente. Durante a crise da pandemia do Covid-19, o presidente se queixou do silêncio do seu ministro em defendê-lo.

Cada um desses atritos oferecia ao ministro da Justiça mais uma justificativa para sua saída do governo. Ao ministro caberia dizer que não conseguira colocar em prática todas suas ideias e planos porque o presidente não o deixou.

O cenário já estava preparado para esse possível desfecho. Não se sabia o tempo, não se sabia a ação que desencadearia.

O fato determinante veio nos últimos dias, como bem relatam as reportagens. O presidente quis substituir o diretor da Polícia Federal por alguém que lhe fosse mais próximo e que lhe desse acesso a informações sobre os processos que poderiam prejudicá-lo. O presidente quer retirar a autonomia da Política Federal para sua proteção e para seu benefício político. O ministro não viu uma alternativa possível que não sua saída do governo. Permanecer seria apequenar-se.

O divórcio se consumou. O ex-juiz deixa o ministério sem tantos danos a sua imagem e continua seguindo a construção da narrativa de herói que tanta popularidade lhe dá desde a Lava Jato. O presidente perde credibilidade, perde apoio e se envolve em mais uma crise criada por ele mesmo (que parece ser sua especialidade no governo). Para terminar o texto com o auxílio de Maquiavel, “o presidente vive mais uma crise que evidencia que seu poder veio da fortuna, não da virtude”.

*Doutor e mestre em Ciência Política e graduado em Ciências Sociais. É pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!