COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

O ponto G do ESG

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Se você nunca ouvir falar em ESG (do acrônimo inglês para ambiental, social e governança), é possível que não esteja sintonizado com a agenda corporativa do momento. Mas cuidado: ESG não é um mantra, e se não cuidarmos, será como outras modas que costumam aparecer, de tempos em tempos, no dialeto empresarial. Das três frentes que a sigla representa, tenho a percepção que muita importância se tem dado à responsabilidade ambiental. Mas é outra letra que sustenta as demais ações. Falo aqui sobre governança: o ponto G do ESG.

O conceito nacional clássico de governança, que vem do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), estabelece-o como sendo o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas. E sua concepção perpassa quatro pilares fundamentais que se desdobram em ações práticas: transparência, equidade, prestação de contas (accountability) e responsabilidade corporativa.

PUBLICIDADE

Governança, portanto, também não é um conceito abstrato, genérico, vazio, nem se traduz em um mote etéreo. Seu significado traz reflexões práticas profundas e imensamente atuais às organizações de todo o mundo, sobretudo em duas grandes frentes que apresento a seguir.

A primeira delas é a mudança de mentalidade corporativa que amplia as fronteiras da responsabilidade corporativa para além das quatro paredes das organizações. Se antes, mirava-se apenas a excelência operacional – como na busca por qualidade nos processos, minimização de custos e maximização de receitas – a governança aumenta o foco da visão corporativa. Outrora, buscava-se atingir as expectativas dos acionistas (shareholders); hoje, foca-se atentamente nas necessidades das diversas partes interessadas (stakeholders).

E quem são algumas das principais partes interessadas de qualquer organização? Duas em especial chamam especial atenção: a comunidade envolvida e o meio ambiente. Daí porque é tão importante falar em ESG. As responsabilidades sociais e ambientais não são mera liberalidade ingênua, fingida ou irresponsável das organizações que visam apenas marketing. Sua razão de existir passa pela compreensão holística de que vivemos conectados em redes e que somos a transformação que queremos ver no mundo. Não cabe mais aquela velha ideia de empresas que só pensam em si e no seu lucro – egoísta e vazio.

A verdade é que, sem traduzir esse papel holístico do ESG em ações práticas, as organizações estão fadadas ao fracasso, por três motivos que anunciei há dois anos num TEDx: a) o mercado afasta aqueles em que não confia (peso reputacional da não adesão ao ESG); b) as novas gerações Y e Z (praticamente 50% da população economicamente ativa de hoje no Brasil) são consumidores altamente conscientes; e c) as mesmas gerações Y e Z definitivamente são mão de obra engajada e buscam trabalhar por propósito, não apenas por dinheiro.

Pois é exatamente essa responsabilidade com o macro – esse olhar não apenas para dentro, mas para fora – que transforma negócios, indústrias e prestadores de serviço em organizações com a mentalidade de lucro com propósito. E essa mentalidade abarca a segunda grande lição da governança: a visão estratégica de longo prazo.

Em tempos de tamanha dinâmica, sobreviverão aquelas organizações que se adaptarem à nova realidade ESG, sem olhar para trás. Quanto às demais, minguarão até tornarem-se peças de museu de um passado onde havia empresas que só pensavam no lucro.

*Advogado, Mestre em Ciências Jurídico-Políticas pela Universidade de Lisboa e sócio da SG Compliance. É Professor convidado da Fundação Dom Cabral (FDC) e foi um dos especialistas a escrever as Novas Medidas contra a Corrupção (FGV/Transparência Internacional) | [email protected]
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!