COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

PL que modifica lei de improbidade administrativa é aprovado

COMPARTILHE

O Projeto de Lei 2501/21, que modifica a Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8429/1992), foi aprovado pela Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (6), e segue para sanção presidencial. Um desfecho que contraria profundamente a vocação da Advocacia Pública, que é defender o bem comum, o que encerra em seu propósito fundamental o combate à corrupção. De acordo com o novo texto, esses profissionais perderam a legitimidade para propor ações de improbidade e de participar de acordos firmados pelo Ministério Público.

Como compreender que, ao invés de avançarmos no combate à corrupção, garantindo a correta aplicação dos recursos públicos em favor da população, tiramos a força desses profissionais, que trabalham em defesa do Estado? Não temos dúvidas do papel importantíssimo do Ministério Público na defesa dos interesses republicanos. Mas a Advocacia Pública, devidamente instituída, tem papel fundamental no combate à corrupção, pois é o órgão que detém as informações internas de atuação do ente lesado, podendo colher e aferir com verticalidade os elementos essenciais para a punição e identificação adequadas dos responsáveis.

PUBLICIDADE

O projeto aprovado, e que ainda depende de sanção presidencial, desconsidera o dever constitucional da Advocacia Pública de zelar pelo patrimônio público, pois tira dos profissionais a possibilidade de propor uma ação de improbidade, que é um meio para se alcançar essa finalidade.

Nos últimos meses, desde a aprovação do relatório, na comissão especial da Câmara dos Deputados, em 15 de junho, a Associação dos Procuradores do Estado de Minas Gerais (Apeminas), juntamente com a entidade de representação nacional da classe, a Associação Nacional dos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal (Anape), trabalhou arduamente para mostrar aos parlamentares e à sociedade que a perda de legitimidade dos advogados públicos na proposição de uma ação de improbidade enfraquece o combate à corrupção, deixando o Estado e a sociedade mais vulneráveis.

A aprovação desse projeto que modifica a Lei de Improbidade Administrativa é recebida, com pesar, pela classe de procuradores do Estado de Minas Gerais e de todos os demais estados da Federação. Em menos de quatro meses a proposta foi aprovada pela comissão especial da Câmara, foi apreciada no Senado, e retornou à Câmara para aprovação, pelo Plenário, na última quarta-feira. Um movimento muito rápido, diante da complexidade da matéria.

Ainda que o texto seja sancionado, e que os advogados públicos percam a legitimidade para propor ações de improbidade, a classe continuará firme em seus propósitos de trabalhar pelo bem público e pela sociedade brasileira. Essa é a nossa missão.

*Presidente da Associação dos Procuradores do Estado de Minas Gerais (Apeminas) | [email protected]
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!