DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9160

VENDA: R$4,9170

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0000

VENDA: R$5,0980

EURO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,2096

OURO NY

U$1.842,24

OURO BM&F (g)

R$291,42 (g)

BOVESPA

+0,71

POUPANÇA

0,6697%

OFERECIMENTO

Opinião

Sua vida é reflexo de suas decisões

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Como bem sabemos, o termo workaholic, ou seja, aquele que trabalha excessivamente, tem caído em desuso cada vez mais. Em um passado recente, era prudente ser aquele que trabalhava de forma excessiva nas organizações e que, quase nunca, conseguia estar em seus compromissos pessoais. Hoje, ao contrário, o equilíbrio é muito valorizado. E existem diversas pesquisas publicadas que comprovam que ele promove felicidade e mais produtividade, pois o indivíduo consegue transitar, de forma adequada, por todas as esferas da vida: pessoal, profissional e espiritual.

Evidentemente, ao longo da carreira, há fases em que precisaremos trabalhar arduamente, até altas horas. Entretanto, isso não pode ser uma constante. Em primeiro lugar, porque manter o expediente por um longo período não significa que você está sendo produtivo. Em segundo, porque a vida é muito mais do que apenas trabalhar e pagar boletos; não é verdade?

PUBLICIDADE




Em meio à nossa corrida e à intensa vida, parece que as 24 horas do dia são insuficientes para dar conta de tudo. Você tem a sensação de que está sempre atrasado ou devendo algo? A falta de tempo é a clássica desculpa para justificarmos tanto nossos atrasos, quanto tudo aquilo que não fazemos ou mesmo postergamos, inclusive nossos sonhos e desejos. Assim, a vida vai passando e, quando nos damos conta, os filhos cresceram; os pais já se foram; e os amigos… onde estão mesmo?

E sabe quem tem que gerenciar a sua rotina? Você mesmo! Do contrário, as empresas irão sempre passar novas demandas, novos desafios e novos projetos. Se você resolver “abraçar o mundo”, verá, na prática, que não é possível. Às vezes, o corpo fala, em outras, ele grita! Não à toa, o Brasil desponta nos índices de burnout, a famosa Doença do Século, que tem levado muitos profissionais à estafa mental. Assim, perdem as duas partes: as corporações e os colaboradores. Então, antes disso ocorrer, promova mudanças no seu dia a dia, para obter mais qualidade, assertividade e até mesmo produtividade.

Priorize o que é urgente em relação ao importante. É uma primeira tarefa para segmentar o que você precisa entregar. Depois, reavalie se o que tem feito hoje produzirá resultados para o futuro. Lembre-se de que o que fazemos agora é exatamente o que definirá o nosso futuro. Com essa simples análise, é possível saber o que é valor e o que é dispensável para o momento.

É fundamental parar com essa neura de que tem que se formar aos 23 anos, casar antes dos 30 e, na sequência, ter filhos. Quem disse que você precisa fazer tudo ao mesmo tempo? De que adianta cursar uma graduação, estudar inglês, trabalhar e ocupar até os seus finais de semana? A troco de quê? Viver com equilíbrio nos mostra sabedoria.

PUBLICIDADE




Da mesma forma, é importante salientar que a vida nada mais é do que aquilo que permitimos. Cada decisão que tomamos ou deixamos de tomar produz reflexos em nosso dia a dia, tanto no lado profissional, quanto no pessoal. Por isso, reclamar daquilo que tem aceitado em sua vida, além de não ser sábio, mostra que você não tem protagonismo e fica como uma criança, reclamando, por reclamar.

Para mudar esse cenário, é preciso atitude. Você está em uma empresa da qual não compactua com os valores? Pergunte-se: “O que ainda faço trabalhando aí?” Está se relacionando com alguém que não te respeita? Qual o motivo para aceitar tal situação? Sua opinião não é escutada ou você não é valorizado em seu atual emprego? O que tem feito para alterar esse contexto? Trabalha de forma excessiva? Qual a sua parcela de culpa nisso? Terceirizar o problema sugere imaturidade.

Lembre-se de que profissionais de sucesso assumem sempre o controle de suas vidas. Talvez, por isso, tenham êxito na carreira. Usualmente, eles criam caminhos para mudar aquilo com o que não concordam ou que os deixa insatisfeitos. Já os demais – ou os medianos – o que fazem? Preferem deixar a vida passar. Quando percebem, meses ou até mesmo anos se passaram. E, claro, eles estão sempre se lamuriando, como a Síndrome de Hardy. Para você que não sabe, é um desenho bem antigo, onde o personagem ficava repetindo: “Oh, vida! Oh, céus”!

Ninguém, além de você, pode avaliar como anda a sua rotina, o que te faz feliz ou aquilo que promove o tão falado “brilho nos olhos”. Então, descanse sua mente e seu corpo sempre que possível. É desse modo que profissionais de sucesso agem: dão o direcionamento, com atitude positiva e ação.

Somente com equilíbrio recarregamos as baterias e voltamos inteiros ao trabalho. Não se orgulhe em dizer que você é workaholic. O melhor a fazer é se organizar para conseguir executar todos os seus afazeres em todas as esferas de sua vida: profissional, espiritual e pessoal.

Saiba que você está exatamente onde batalhou para estar. Se não estiver contente com a situação, crie novas formas e maneiras para mudar esse cenário. Até porque, vamos combinar? Ninguém gosta de estar próximo a pessoas “reclamonas”; não é verdade?

* Sobre o autor: CEO, board advisor e headhunter da Prime Talent; professor convidado da Fundação Dom Cabral e conselheiro da ABRH-MG, ACMinas e ChildFund Brasil. Instagrams: @davidbraga | @prime.talent
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!