COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

Política

Agenda de reformas não deve avançar neste ano

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – A disseminação do surto do coronavírus interrompeu o debate em torno de reformas liberalizantes no País, impondo ao governo Bolsonaro o desafio de reinventar sua agenda e discurso econômicos em novo cenário que tem demandado, a cada dia, “mais Brasília”-na contramão da retórica e das medidas defendidas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e equipe desde a campanha eleitoral.

A avaliação de parlamentares e analistas é que nos próximos meses há pouco espaço para votação de medidas não conectadas diretamente ao enfrentamento da crise do coronavírus, em meio à nova realidade que impôs restrições à movimentação dos parlamentares e, mais importante, passou a demandar a mão forte do Estado e o envolvimento do Legislativo na condução de ações capazes de aliviar os efeitos econômicos da grave crise de saúde pública.

PUBLICIDADE




Para o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, a demora de Guedes em encaminhar as reformas tributária e administrativa ao Congresso já vinha evidenciando as restrições à sua agenda fiscalista dentro do governo, e o choque da Covid-19, que tem forçado países do mundo todo a irrigar suas economias para tentar minimizar o baque da paralisação da atividade, veio reforçar esses limites.

“A leitura é de uma relação mais difícil entre o presidente (Jair Bolsonaro) e o ministro, ou do presidente com a agenda liberal, nesse que sempre foi mais um casamento de conveniência”, afirma, destacando a perda de protagonismo de Guedes neste novo momento.

“A gente não vê mais o ministro da economia na linha de frente, de dar sinal a respeito dos planos do governo. Em parte, esse protagonismo tem sido das lideranças do Parlamento”, acrescentou. “Não me parece que é descartado que em algum momento ele possa deixar o governo.”

Na última semana, a assessoria de Guedes informou que ele passaria a despachar remotamente do Rio de Janeiro, onde reside, para se resguardar do risco de contaminação do coronavírus. O ministro tem 70 anos e, segundo a assessoria, já testou negativo para o vírus em dois exames, realizados nos últimos dias.

PUBLICIDADE




Na última sexta-feira, Bolsonaro afirmou que ofereceu a Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência, para hospedar o ministro em Brasília. Guedes cumpriu ontem agenda em Brasília.

Desvio transitório – Em participação em uma mesa-redonda virtual com executivos da XP, na noite do último sábado, Guedes destacou que as medidas para enfrentamento ao coronavírus somam de 4,8% a 5% do Produto Interno Bruto (PIB) naciobnal, num desvio transitório do foco do governo, que permanece sendo de reformas para retomada do crescimento.

Segundo Guedes, passado esse período de três, quatro meses, o país precisará destravar investimentos e aprovar projetos e reformas no Congresso com esse objetivo. O ministro também afastou a possibilidade de saída do governo, afirmando que isso é “conversa fiada total”.

Uma fonte do governo próxima ao ministro afirmou na semana passada que, independentemente de onde despache, Guedes segue no comando da agenda.

“Ele continua comandando as reuniões e as ações. Todas as medidas que foram anunciadas foram negociadas e acertadas com ele. O Guedes que dá a direção, ele continua no timão”, afirmou a fonte, que pediu anonimato. (Reuters)

Governo é obrigado a abrir torneiras

Brasília – Depois de defender que a melhor resposta que o governo poderia dar ao surto do Covid-19 seria prosseguir na aprovação de reformas voltadas ao equilíbrio das contas públicas e à melhoria do ambiente de negócios, o ministro da Econonia, Paulo Guedes, e seu time foram obrigados a começar a abrir as torneiras em resposta ao agravamento do quadro de saúde pública.

Acompanhando movimentos semelhantes das grandes economias, ainda que em escala mais modesta, até pelas importantes restrições fiscais, o Executivo anunciou a antecipação de pagamentos a trabalhadores formais, extensão de prazos para pagamentos de tributos, ampliação de benefícios sociais e medidas para aumentar a disponibilidade dos bancos para oferecer crédito.

Diante da disseminação do coronavírus no País e no mundo e de críticas de que as medidas para os mais vulneráveis haviam sido tímidas, as ações foram reforçadas com proposta de pagamento de voucher a trabalhadores autônomos e informais – medida que foi reforçada por iniciativa do Congresso.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também anunciou uma linha de crédito com recursos do Tesouro para financiar folhas de pagamento de pequenas e médias empresas e a elaboração de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza o BC a comprar crédito em momentos de crise.

Fábio Ramos, economista do banco UBS, afirma que não se pode dizer que reformas não estejam avançando e nota que o Congresso segue se movimentando, ainda que o teor das medidas analisadas teve que mudar, dadas as circunstâncias extraordinárias. Ele ressalta que o importante é que o país retome o caminho da austeridade fiscal pós-coronavírus.

“Neste momento, trocas de comando, se acontecessem e não forem extremamente bem costuradas, vão assustar. Creio que há confiança na equipe econômica de que, quando tudo isso passar, o ajuste fiscal estrutural continuará”, afirmou.

O cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, também avalia que a agenda do controle fiscal voltará à pauta quando a crise de saúde amainar, mas ele argumenta que os questionamentos podem ser maiores, em um ambiente que deverá ter mais equilíbrio entre diferentes teses econômicas. “O Covid-19 vai trazer para o debate o papel do Estado na economia”, afirmou. (Reuters)

Medidas emergenciais agora são prioridade

Brasília – Inúmeras vezes indagado, no decorrer da última semana, sobre a continuidade das reformas no Congresso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou descartar a votação de reformas fiscais em 2020. Mas, ao lembrar que o Executivo não encaminhou suas propostas para a tributária e a administrativa, defendeu que primeiro sejam tomadas as medidas emergenciais no curto prazo para o enfrentamento da crise.

Cobrou ainda, que o governo assuma o papel de coordenar as ações e oferecer previsibilidade à sociedade nesse processo.

“Eu acho que o governo, se apresentasse um pacote interligado e rápido, nos daria essa tranquilidade da previsibilidade, a gente poderia no momento seguinte já começar a discutir (as reformas)”, disse Maia na última sexta-feira, em debate virtual organizado pelo

Lide, grupo de empresários fundado pelo governador de São Paulo, João Doria.
“Se o governo nos desse essa previsibilidade, segunda-feira, eu lhe garanto, com isso organizado, nós voltamos à pauta da reforma tributária, que já está na Câmara”, afirmou.

Mais cauteloso ao falar, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que presidiu a comissão especial da reforma da Previdência, e atualmente comanda outro colegiado polêmico – o que discute a prisão após condenação em segunda instância -, avaliou que o contexto econômico e social mudou e é necessária uma adaptação.

“A questão é simples. As reformas tinham uma lógica de austeridade fiscal. Austeridade fiscal agora é suicídio coletivo. O cenário mudou e as perspectivas da economia têm que mudar”, disse à Reuters.

“O caminho agora é emitir moeda, aumentar a dívida pública, usar recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhado) e do FGTS para garantir renda e assim manter algum consumo. Só um irresponsável está pensando agora em austeridade fiscal”, acrescentou.

Orçamento – Ramos aproveitou para defender outra proposta que tem sido martelada por Maia: a de separar do Orçamento principal os gastos de enfrentamento da crise do coronavírus neste ano. O assunto é objeto de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) negociada pelo presidente da Câmara.

Para o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), é cedo para descartar a possibilidade de análise da agenda de reformas neste ano, mas ele afirma que “o horizonte ficou bem mais distante”. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!