COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Interferência de Bolsonaro enfraquece bandeira de campanha

COMPARTILHE

Crédito: Marcos Corrêa/PR

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro enfraqueceu a bandeira de campanha de intransigência no combate à corrupção ao interferir diretamente na gestão de órgãos como a Receita Federal, a Polícia Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), com efeitos ainda imprevisíveis para sua gestão e a disputa de 2022, avaliaram autoridades e especialistas ouvidos pela Reuters.

Sob o lema “interfiro mesmo, se é para ser um banana estou fora”, Bolsonaro fez duras críticas públicas à gestão desses órgãos, o que tem motivado mudanças de pessoal e em suas estruturas. Mas há quem diga que essas alterações esvaziam o discurso anticorrupção do governo e lançam suspeitas sobre as intenções da mudança e o trabalho dos órgãos.

PUBLICIDADE

Especialistas cobram maior liberdade de atuação para os órgãos que foram alvos das investidas do presidente – que ainda anunciou que escolherá um novo procurador-geral da República com perfil alinhado ao governo.

Para Gil Castello Branco, secretário-executivo da ONG Contas Abertas, as intervenções surpreendem porque contrariam o discurso de campanha do presidente, umas das principais bandeiras das eleições. Para ele, as ingerências ocorreram pelo fato de terem chegado perto de parentes ou pessoas próximas a Bolsonaro.

Castello Branco critica o que considera ser um pacto velado entre governo, Judiciário e Legislativo para que o combate à grande corrupção não avance. “A sensação que eu tenho é que há um pacto que, em nome da governança, pode levar à impunidade”, disse.

“Receio que, em nome da governança, do crescimento e do desenvolvimento, se prejudique o combate à corrupção. Pode gerar um pacto pela impunidade”, disse ele, acrescentando que o país caminha a passos largos para isso. Ele criticou também a morosidade do Legislativo em aprovar, por exemplo, o pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro.

“Devassa” fiscal – Na Receita, o secretário especial, Marcos Cintra, trocou o número 2 após Bolsonaro ter dito que havia “problemas” no órgão e que sua família tinha sido alvo de “devassa” fiscal.

No caso do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), o órgão foi o que mais entrou na órbita das queixas do presidente e também de parlamentares.

No início do governo, por conta da medida provisória que alterava a estrutura do governo federal, o Coaf estava na alçada do Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado pelo ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro. Mas na votação da MP, o Congresso devolveu o Coaf para o Ministério da Economia.

Em mais um movimento, na semana passada, o governo editou nova MP transferindo o órgão para o Banco Central e, com modificações, rebatizando-o de Unidade de Inteligência Financeira (UIF). Bolsonaro justificou a mudança para tirar o Coaf do “jogo político”. O pano de fundo, entretanto, contou com o fato de o Coaf ter feito relatórios apontando movimentações financeiras atípicas na conta do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, e o depósito de um cheque de 24 mil reais na conta da primeira-dama, Michele Bolsonaro.

A pedido de Flávio, o STF suspendeu um inquérito contra ele e, numa extensão, todas as investigações no país que tenham por base o compartilhamento de informações da Receita, do BC e do Coaf com o Ministério Público sem autorização judicial.”As últimas decisões do governo e do Supremo têm efeitos deletérios no sistema de controle”, disse Fabiano Angélico, pesquisador da Fundação Getulio Vargas com experiência nacional e internacional em temas ligados à transparência governamental.

“Há um prejuízo enorme para o país não só de impunidade, mas na confiança das instituições democráticas e isso envolve a agenda macroeconômica atual”, acrescentou.

No caso da PF, sob a alegação de problemas na produtividade, o presidente chegou a defender publicamente a troca de Ricardo Saad, superintendente da corporação no Rio de Janeiro – berço político de Bolsonaro -, e até sugeriu um nome para substituí-lo, atitude que abriu uma crise interna e pressionou o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, e Moro, a quem a polícia é subordinada.Bolsonaro recuou depois disso, mas a troca será efetivada – o escolhido é o delegado Carlos Henrique Oliveira de Souza, que estava em Pernambuco e não foi o nome sugerido pelo presidente.

O presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal, Edvandir Paiva, disse que foram “surpreendidos” com a possibilidade de mudança da PF no Rio, uma vez que houve até melhoria nos resultados de produtividade naquele Estado na atual gestão.

Ele disse que não é comum o presidente se envolver em nomeação de cargos do “quarto escalão”, mas ao final a corporação mostrou “maturidade institucional” para se manifestar contra qualquer tentativa de mudança interna.

”O governo tem uma narrativa que está preocupado com locais de aparelhagem ideológica. Não sei se é para intervir nas investigações, fica ao sabor das interpretações. Para nós, é preciso ter um sistema viável”, disse ele, que também colocou em dúvida o papel de Moro na defesa da autonomia da PF diante do silêncio do ministro após as declarações do presidente. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!