COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Turismo

Retomada do setor de turismo depende da vacinação

COMPARTILHE

Para quase a metade dos viajantes (42%), os protocolos sanitários aplicados são sim importantes | Crédito: Divulgação

A 13ª edição do relatório “Panorama e Tendências para o Turismo em Minas Gerais pós-Covid-19”, publicada pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais, traça um cenário ainda preocupante mas com oportunidades para a retomada do turismo no Estado.

A maior dificuldade apontada é o ritmo lento da vacinação contra a Covid-19 em todo o Brasil. Já do lado das oportunidades, está o fortalecimento do turismo regional e a busca por experiências próximas à natureza.

PUBLICIDADE

E entre as políticas públicas se destaca o lançamento do programa Reviva Turismo, pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), que busca resgatar o setor e estimular toda sua cadeia produtiva, atuando como uma alavanca para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. São quatro eixos de atuação: biossegurança, estruturação, capacitação e marketing do destino Minas Gerais.

De acordo com a subsecretária de Turismo da Secult, Milena Pedrosa, os números do turismo mineiro acompanham proporcionalmente o que acontece no Brasil como um todo e a vacinação será a marca da retomada do setor.

“Através do programa Reviva Turismo trabalhamos a volta do turismo com foco primordial na biossegurança. Acreditamos que assim vamos potencializar a tendência atual de turismo local, por exemplo, com o programa “De Minas para Minas”. Claro que a situação ainda é muito complicada e devemos seguir as recomendações do programa “Minas Consciente”. O Estado é muito grande e por isso temos regiões com menos restrições, que podem atender com segurança os visitantes”, explica Milena Pedrosa.

O turismo é um setor sustentável que precisa ser apropriado pelas empresas, diz Milena Pedrosa | Crédito: Paulo Lacerda

Segundo o relatório, publicado em maio, com dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de abril de 2021, houve uma queda no fluxo de passageiros nos aeroportos mineiros, equivalente a -17,9% embarques e desembarques em comparação com o mês anterior. Em abril foram 370 mil passageiros totais, o menor número registrado em 2021. Apesar da diminuição, quando comparado com o mesmo período do ano anterior, o número é 11 vezes maior, onde foram registrados 35.154 embarques e desembarques de passageiros no Estado em abril de 2020.

O setor hoteleiro também segue sofrendo. A taxa média da ocupação hoteleira em abril foi 24,6% na Capital, os dados apontam queda mensal de 3,2 pontos percentuais, e correspondem ao menor valor observado desde agosto de 2020. A taxa de ocupação hoteleira de Belo Horizonte está abaixo da média observada nos primeiros quatro meses do ano (29,9%). Os dados são da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih-MG). Na comparação do mesmo período com o ano anterior, houve um aumento de oito pontos percentuais.

“Temos duas grandes metas até o final de 2022: gerarmos 100 mil empregos no setor e passarmos de quarto fluxo turístico no Brasil para terceiro. São metas ousadas, mas somos capazes de chegar nisso, entendendo o turismo como uma oportunidade de geração de emprego e renda muito grande, levando ao desenvolvimento econômico e social”, pontua.

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – que disponibiliza os índices relacionados à atividade turística em escala nacional e estadual -, a receita turística no mês de março foi de queda considerável no Brasil e nos estados. Enquanto no mês anterior verificou-se aumento do índice na maior parte dos estados, sendo +5,0% em Minas Gerais e 3,6% no território brasileiro, os dados do mês de março de 2021 mostram uma queda de 21% no Brasil e 17,6% no Estado de Minas Gerais, 3º “melhor” índice dentre os estados brasileiros.

O índice de volume de atividades turísticas seguiu lógica bastante semelhante ao de receita turística, apresentando também quedas bastantes consideráveis entre os meses de fevereiro e março de 2021. Enquanto Minas Gerais havia apresentado um aumento de 6,8% no mês de fevereiro, em março o índice sofreu uma queda de 17,6%. Ao se analisar o território brasileiro, o valor que em fevereiro registrou um crescimento de 2,0%, apresentou em março uma queda de 22,0%.

Minas Gerais é um estado muito grande e por isso mesmo tem regiões com menos restrições | Crédito: Divulgação

Oportunidades de retomada

O relatório produzido pelo Observatório do Turismo traz, ainda, a pesquisa “O que os viajantes querem”, produzida pelo Grupo Expedia. O estudo ouviu 16 mil pessoas de oito países e traz insights para que os atores do turismo se preparem para a tão esperada retomada.

Os dados mostram que quase a metade dos viajantes (45%) considera visitar praias nos próximos 18 meses, enquanto 36% preferem ir a uma cidade grande e um terço (33%) optaria por uma cidade pequena. Independentemente do tipo do destino, um fator decisivo para os entrevistados é que esse local seja perto de casa e que dê para chegar de carro. Depois dos destinos próximos, as estadias longas, os tours e atividades ao ar livre e a visita a destinos únicos são os preferidos para as férias que virão.

Para quase a metade dos viajantes (42%), os protocolos sanitários aplicados são sim importantes. O fator flexibilidade foi o que mais cresceu em importância entre as pesquisas de 2020 e 2021. Cerca de dois terços dos viajantes (60%) dizem que evitariam uma reserva não reembolsável em troca de descontos na tarifa. Este dado representa uma mudança drástica em relação a 2020, quando dois terços dos entrevistados (66%) afirmaram que era provável que eles fizessem reservas não reembolsáveis.

Outro ponto de atenção é que mais de 80% dos entrevistados disseram que “há o que melhorarem hotéis ‘adaptados para crianças”’, 71% afirmam que retornaram a um hotel que de fato tivesse atividades para os menores, e mais de um terço (34%) teria estadias mais longas.

Além disso, quase a totalidade dos viajantes (94%) acham que os hotéis que aceitam animais precisam melhorar. Investir em uma experiência pet-friendly  é uma clara oportunidade para as propriedades: 60% dizem que retornariam outras vezes, e 42% se hospedariam por mais tempo e quase um terço (31%) pagaria mais pela diária.

“O turismo é um setor sustentável que precisa ser apropriado pelas empresas. Minas tem 62% do patrimônio histórico preservado do Brasil, são três parques nacionais e 15 estaduais. Temos náutico, de aventura, rural, a cozinha mineira. Estamos dentro das novas tendências de consumo e de outras perspectivas de experiência. Mudou a expectativa do cliente e a forma como ele avalia os estabelecimentos e atrativos. Podemos oferecer tudo isso com muita segurança. No início da pandemia, além do medo, tudo custava muito caro porque não tínhamos ainda conhecimento. Agora os custos começam a se ajustar”, completa a subsecretária de Turismo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!