Nosso sonho é deixar o turismo do tamanho que o Brasil merece, afirma Carlos Prado | Crédito: Guto Marcondes Foto & Video

Sendo uma das cadeias produtivas mais fortemente atingidas pela crise econômica resultante da pandemia do Covid-19, o turismo se esforça para planejar uma retomada gradual e segura.

Com o objetivo de tornar esse processo mais coletivo e assertivo foi lançado, em São Paulo, o Movimento Supera Turismo Brasil.

Entidades como Associação Brasileira dos Agentes de Viagem (Abav), Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp), Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), Associação das Agências de Viagens do Interior do Estado de São Paulo (Aviesp), Associação das Agências de Viagem de Ribeirão Preto e Região (Avirrp), Associação Representativa dos Consolidadores de Passagens Aéreas e Serviços de Turismo (Air Tkt), Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil) e de várias empresas, como Tour House; Agaxtur, Pomptur, entre outros, estão unindo forças em torno de três objetivos estratégicos: apoiar a retomada do turismo e o rápido retorno da cadeia produtiva; orientar o maior número de viajantes sobre cuidados nas viagens e apoiar o restabelecimento da empregabilidade e renda dos colaboradores da cadeia produtiva do turismo.

Para isso, além de fazer um acompanhamento da situação dos diferentes segmentos da cadeia, será criado um indicador que mostre a situação do setor ao longo da retomada: o “viajômetro”. De acordo com o sócio da 4CSolutions, Lúcio Oliveira, o índice será uma análise dos dados enviados pelos próprios players regularmente, oferecendo um retrato da situação e do desenvolvimento do setor até o fim do projeto, marcado para dezembro.

“O ‘viajômetro’ também tem um cunho de avaliação do projeto. Vamos buscar na cadeia produtiva dados que formem um indicador simples e transparente que vai mostrar o crescimento dessa cadeia de sucesso”, afirma Oliveira.

Para um dos idealizadores do Movimento Supera Turismo, o presidente da Abracorp, Carlos Prado, as incertezas trazidas pela pandemia obrigaram as empresas do setor a ligarem o “modo sobrevivência”. Por isso o momento é de união.

“Os desafios do Covid-19 são muitos e o nosso sonho é deixar o turismo do tamanho que o Brasil merece. Essa é uma iniciativa do setor privado e vamos buscar conversar com o setor público. Conseguimos a edição de algumas medidas provisórias (MPs), foi um trabalho árduo. Não ficaram exatamente como queríamos, mas estamos cientes de todas as dificuldades. Queremos mostrar que, através dos protocolos que estamos fazendo para cada segmento, quando chegar o momento o consumidor vai estar tranquilo e seguro para tomar a melhor decisão e voltar a viajar”, explica Prado.