COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

Turismo

Travel techs devem movimentar R$ 35 bi

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

O Brasil conta com 219 travel techs, empresas de tecnologia da informação que prestam serviços de intermediação de viagens, turismo e mobilidade. Estas empresas devem movimentar R$ 35 bilhões no próximo ano. Os dados são do Anuário das Travel Techs Brasileiras. A pesquisa inédita foi realizada pela Loureiro Consultores, em parceria com a Onfly.

Para se ter uma ideia do crescimento, a Onfly – travel tech do ramo de viagens corporativas, fez um levantamento sobre o segmento no País no ano passado. Na ocasião foram mapeadas 96 empresas.

PUBLICIDADE




“O anuário é um trabalho pioneiro, de mapear o ecossistema brasileiro de travel techs, e é apenas o primeiro trabalho de muitos sobre esse mercado”, adianta o consultor Fernão Loureiro, responsável pelo estudo.

O anuário deste ano identificou 219 empresas brasileiras que atendem aos critérios de travel techs, que devem movimentar mais de RS35 bilhões já em 2022. Elas foram divididas em sete categorias: Agenciamento e Reservas On-line (63), Despesas Corporativas (15), Eventos (26), Experiências (12), Hospedagem (27), Mobilidade (todos os modais; 59 players) e Tecnologia para Outros Players (17).

Foi tomado como critério inicial o fato da empresa ter sido criada no Brasil. Além disso, para figurar no radar do estudo, a empresa tem que ser detentora dos seus ativos de tecnologia. Também houve rigor com o conceito de travel tech. Foram mapeadas startups que, no uso intensivo de tecnologia, são voltadas a atividades de fato relacionadas à viabilização de viagens, turismo e deslocamentos.

De acordo com o fundador, sócio e CEO da Onfly, Marcelo Linhares, todas as 219 empresas mapeadas de fato proporcionam ao público soluções em turismo e mobilidade. Por sinal, observa Linhares, há uma convergência cada vez maior entre essas duas categorias – turismo e mobilidade. “Embora historicamente sejam considerados segmentos diferentes, quando olhamos a jornada do viajante essas verticais se cruzam e se sobrepõem o tempo todo, tornando-se quase indissociáveis”, argumenta.

PUBLICIDADE




Conforme antecipado por Fernão Loureiro, a construção do anuário é o primeiro passo para uma série de iniciativas com o intuito de promover e buscar a expansão do segmento de travel techs. “Lançaremos eventos e capacitações ao mercado sobre tecnologia, seja de empresas tradicionais – que também têm tecnologia de serviço ao cliente, controle de custos e rastreamento de pessoas – como especialmente de empresas nativamente digitais.”

Transformação digital – Impulso importante porque, de acordo com a avaliação de Marcelo Linhares, a recuperação da atividade turística – uma das mais atingidas pela pandemia de Covid-19 – “passa inevitavelmente por uma transformação digital”, tanto de consumidores como, sobretudo, dos players do mercado. “Estamos defronte do maior desafio da história para o setor. De um lado, milhões de pessoas com hábitos cada vez mais digitais, ávidos pelo retorno das viagens e, de outro, uma indústria totalmente fragilizada e ainda repleta de ineficiências, com baixíssima maturidade digital.”

Linhares acrescenta: “O turismo brasileiro não pode ficar ilhado no meio de tanta disrupção que está acontecendo em outros países e segmentos, proporcionada pela democratização da tecnologia e da digitalização. Nunca a tecnologia esteve tão acessível como agora, e o setor precisa urgentemente se digitalizar ou ficará como coadjuvante nesta nova economia”

Segundo pesquisa realizada pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês), o turismo no Brasil representou 8,1% do PIB em 2018, “o que evidencia a importância do estudo para detalhamento destas movimentações do setor, que é tão significativo para a economia nacional”, complementa o CEO da Onfly.

Além da coparticipação da Onfly na elaboração do estudo, o anuário da Loureiro Consultores contou com o apoio dos seguintes players do mercado: Sensys, CDFree, Loupit, Argo, B2B, Tech Travel, Kontrip, Gover, Paytrack e Nina Tech & Cake Co-Lab. As seguintes empresas de atividades correlatas também contribuem com a publicação: Localiza, CEP Transportes e AVSC.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!