COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Turismo

Secretário de Cultura pede exoneração com um ano no cargo

COMPARTILHE

Segundo Sanson (Abih-MG), saída do Marcelo Matte já estava sendo esperada pelo trade | Crédito: Divulgação

Há pouco mais de um ano no cargo, Marcelo Matte deixou a Secretaria de Estado de Cultura de Turismo (Secult) nessa terça-feira (24). A exoneração, publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), deixa o setor desassistido em meio a uma das mais graves crises enfrentadas pelo turismo mineiro e também de proporções mundiais.

Em uma nota protocolar, o governo de Minas Gerais se limitou a informar laconicamente: “Marcelo Matte deixou hoje o cargo de secretário de Cultura e Turismo de Minas Gerais. A exoneração foi publicada no Diário Oficial e ocorre a pedido do ex-secretário, que alegou motivos pessoais. O governador Romeu Zema agradece os serviços prestados por Matte em prol do desenvolvimento cultural e das potencialidades turísticas do Estado. No momento oportuno, será anunciado o substituto para o cargo”.

PUBLICIDADE

Hotéis – Saber qual será esse momento oportuno e tentar, ao máximo, antecipá-lo, é a esperança da cadeia produtiva do turismo em Minas. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira de Minas Gerais (Abih-MG), Guilherme Sanson, afirma que negociações que já estavam em andamento entre o trade e a Secretaria não podem ser paralisadas sob pena de um agravamento sem precedentes na crise enfrentada pelo setor em virtude da pandemia de Covid-19.

“Essa saída do Marcelo Matte já estava sendo esperada. Pedimos que vários assuntos que estávamos pleiteando desde a unificação da Cultura com o Turismo e vinham sendo trabalhados não sejam paralisados. O turismo e a cultura pedem – ainda mais neste momento que estamos vivendo – que o substituto seja decidido rapidamente porque ficamos nos sentindo isolados, sem voz no governo. Apesar de termos um contato direto com o corpo técnico, os pleitos da hotelaria não foram alcançados. Muitos hotéis já estão fechando e o desemprego crescendo com essa demora na tomada de decisão em vários pontos. Precisamos da suspensão do contrato de trabalho, da isenção do IPTU enquanto durar a pandemia, de redução de ICMS, precisamos dessas ações para dar fôlego ao empresariado e segurança para os empregados e isso está demorando e impactando diretamente a saúde das empresas e das pessoas”, explica Sanson.

Para o presidente do Belo Horizonte Convention & Visitors Bureau (BHC&VB), Jair Aguiar, também é importante dar continuidade ao trabalho já desenvolvido. “Agradecemos ao ex-secretário Marcelo Matte pelo empenho durante esse período e desejamos sucesso a ele! Esperamos ainda que o trabalho iniciado por ele não seja perdido e que possamos ter alguém a altura para nos ajudar, principalmente nesse momento tão difícil vivido pelo setor”, afirma Aguiar.

Agências de viagem – Já o presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagem de Minas Gerais (Abav-MG), Alexandre Brandão, considera que a manutenção da equipe técnica atual e a não paralisação das ações como suficientes neste primeiro momento.

“Penso que essa escolha de funcionário de primeiro escalão é prerrogativa do governador e que para nós o mais importante é o corpo técnico. Com a Marina (Marina Pacheco Simião, subsecretária de Estado de Turismo) e o Bernardo (Bernardo Silviano Brandão Vianna, secretário de Estado Adjunto de Cultura e Turismo) permanecendo poderemos dar continuidade ao bom trabalho desenvolvido por eles. Existe um movimento para indicarmos alguém do setor, mas não acho que esse seja o momento, o importante é que as coisas continuem funcionando. Temos um gabinete de crise que reúne a secretaria e os presidentes das principais entidades do turismo levando as nossas demandas diretamente para o gabinete de crise do governador a cada dois dias”, pondera Brandão.

Circuitos turísticos – De acordo com a diretora-presidente da Federação dos Circuitos Turísticos do Estado de Minas Gerais (Fecitur), Degislaine da Silva Souza, o desafio enfrentado pelo ex-secretário, ao assumir uma secretaria com duas subpastas tão complexas – cultura e turismo – é muito grande e importante para o desenvolvimento econômico e social da população de Minas Gerais. O próximo gestor deverá encarar ainda mais dificuldades.

“Além da complexidade das subpastas sabemos que o desafio maior foi em relação a falta de recursos que dispõe tal secretaria. Sabemos que ele fez muitas alterações no modo de ação da secretaria e com isso conseguiu uma melhor organização técnica da mesma, e também trabalhou muito em cima da conscientização de que o turismo é um dos maiores geradores de emprego e renda que temos e Minas Gerais. Para a Fecitur, que trabalha junto aos municípios, o novo secretário terá um desafio ainda maior, pois neste momento atípico e caótico que estamos vivendo as incertezas são muitas e no segmento do turismo temos milhares de empresários e trabalhadores que precisarão como nunca do apoio da secretaria”, avalia Degislaine Souza.

Linha do tempo – Nascido em Porto Alegre (RS), Matte se dedicou durante 45 ao setor privado, atuando em alguns dos mais importantes grupos de comunicação do País, e estava há dois anos aposentado antes de assumir o posto no governo estadual.
Na época, o executivo já previa as dificuldades de atuar com um orçamento bastante reduzido.

“Esse é um enorme desafio para o Estado, que está com o caixa zerado. A situação orçamentária é grave e preocupante. A boa notícia é que encontrei uma equipe muito qualificada de animada. Apesar dos cortes no orçamento, que na Cultura alcançou 50% do valor total e, no Turismo, 78%, podemos fazer um bom trabalho. Fui convidado insistentemente e saí da minha aposentadoria porque acredito nisso”, avaliou na sua primeira coletiva concedida em dezembro de 2018.

A posse do executivo aconteceu depois de uma novela que extinguiu a Secretaria de Turismo (Setur), depois a anexou a outras pastas como a de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese) e, depois, a Secretaria Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) até que se unisse à Secretaria de Cultura, transformando a SEC em Secult, não sem antes muita discussão na Assembleia Legislativa do Estado (ALMG).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!