COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Crédito: Gustavo Raniere/MF

São Paulo – O Tesouro Nacional vai se concentrar em vender títulos públicos mais curtos até novembro para não aumentar o custo da dívida pública, afirmou ontem o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, em meio à volatilidade que vem afetando os mercados com as eleições presidenciais.

Na semana passada, o Tesouro já havia anunciado que assumiria mais risco ligado à Selic em 2018, emitindo mais papéis que flutuam com a taxa básica que o inicialmente previsto, em resposta a condições adversas do mercado.

PUBLICIDADE

Na ocasião, o Tesouro avaliou que o custo dos títulos prefixados havia aumentado sensivelmente, a cerca de 12,5% para um papel de dez anos, razão pela qual o Tesouro estava priorizando a emissão de títulos flutuantes que pagam taxa Selic.

Esses papéis pós-fixados são mais demandados por investidores quando há percepção de aumento do risco, sentimento que vem se intensificando diante da imprevisibilidade na corrida presidencial e a temores quanto ao compromisso com reformas econômicas por parte do candidato eleito.

Durante participação no Brasil Risk Summit, realizado pela Thomson Reuters, em São Paulo, Mansueto também afirmou que o governo do presidente Michel Temer preparou um projeto de simplificação tributária que poderá ser enviado ao Congresso em novembro, após as eleições.

Se o próximo governo eleito tiver interesse na investida, ela será encaminhada, afirmou ele.

Déficit primário – Segundo Mansueto, o déficit primário do setor público consolidado deve fechar 2018 em R$ 129,8 bilhões, bem abaixo do rombo de R$ 161,3 bilhões estipulado como meta para este ano.

Mansueto disse que a cifra será ajudada, do lado das despesas, por bilionários recursos empoçados em ministérios.

O secretário do Tesouro já vinha chamando atenção para esse fenômeno, apontando que embora o dinheiro tivesse sido liberado para pagamento, não estava sendo executado pelas pastas na Esplanada por uma série de amarras e vinculações.

Já do lado das receitas, Mansueto destacou que a arrecadação em algumas áreas está vindo melhor do que o esperado.

Alimentada por incertezas com as eleições presidenciais e desdobramentos na cena externa, a disparada do dólar aumentou a geração de receitas vindas de royalties e parte dos impostos, que responderam por quase metade da alta na arrecadação geral neste ano, ressaltando a ajuda que o câmbio vem dando aos cofres públicos em um ambiente de lenta recuperação econômica, forte capacidade ociosa das empresas e alto desemprego no País.

No fim de agosto, Mansueto já tinha apontado que o resultado primário neste ano viria cerca de R$ 30 bilhões melhor que a meta, guiado também por melhor performance das empresas estatais e dos governos regionais. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!