COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Transportadores ameaçam nova paralisação em abastecimento em Minas

Em meio à Onda Roxa, categoria agora cobra também do governo de Minas e federal pacote de auxílio e pode parar nos próximos dias

COMPARTILHE

" "
transportadores de combustíveis
Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

Transportadores de combustíveis e derivados de petróleo de Minas Gerais ameaçam novamente cruzar os braços nos próximos dias em protesto ao decreto da Onda Roxa em todo o território mineiro feito pelo governador Romeu Zema. A medida anunciada esta semana foi necessária para controlar a proliferação da Covid-19 e um colapso ainda pior no sistema de saúde. Apenas as atividades essenciais estão funcionando.

A categoria também cobra do governo de Minas e do governo federal um pacote de auxílio, incluindo linhas de crédito mais acessíveis e a postergação do pagamento de impostos.

PUBLICIDADE




“Em nenhum momento, fomos consultados pelo Comitê Covid do governo do Estado. Ao suspender as atividades não essenciais, o consumo cai e nosso faturamento também, por mais que sejamos essenciais. E não há nenhuma medida para nos auxiliar. Por isso, estamos em estado de greve”, disse o presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais Sinditanque-MG, Irani Gomes.

Confira o áudio:

Irani Gomes, presidente do Sinditanque-MG, explica a motivação da categoria entrar em greve

Governo discute ajuda

Em nota, o governo do Estado informou que alternativas econômico-financeiras de ajuda à categoria estão sendo discutidas por representantes das secretarias de Governo (Segov), Planejamento e Gestão (Seplag) e Fazenda (SEF). O governo descartou, por hora, redução no Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS), uma reivindicação da categoria feita no início do mês, que incidiria no preço do combustível.

Segundo o Estado, ainda não foi possível identificar uma compensação de receita para reduzir o imposto, como exige a Lei de Responsabilidade Fiscal.




Carlos Guimarães, presidente do Minaspetro, entende o movimento dos caminhoneiros, mas não apoia a greve no momento.

Confira o áudio:

Áudio do presidente do Minaspetro, Carlos Guimarães, sobre o estado de greve dos tanqueiros
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!