COTAÇÃO DE 24/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5030

VENDA: R$5,5030

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6630

EURO

COMPRA: R$6,2080

VENDA: R$6,2103

OURO NY

U$1.842,90

OURO BM&F (g)

R$323,72 (g)

BOVESPA

-0,92

POUPANÇA

0,5845%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação
" "
Crédito: REUTERS/Pilar Olivares

São Paulo – A Caixa Econômica Federal está questionando uma decisão do Grupo Odebrecht de incluir os detentores de bônus de uma de suas unidades no grupo de credores da recuperação judicial, segundo embargos de declaração feitos pelo banco na última segunda-feira aos quais a Reuters teve acesso.

Entre as 21 empresas do grupo Odebrecht que entraram no pedido de recuperação judicial feito há duas semanas, está a Odebrecht Finance, emissora de cerca de US$ 3 bilhões em bônus garantidos pela construtora do grupo, a OEC.

PUBLICIDADE




A Caixa disse no documento que a inclusão dos detentores de bônus foi usada como uma estratégia para reduzir o poder de voto dos bancos brasileiros na recuperação judicial. A inclusão da Odebrecht Finance e não diretamente da construtora “pode ter sido a estratégia encontrada pelo Grupo Odebrecht para utilizar o voto dos detentores de bônus para aprovar um plano que muito provavelmente poderá ser desfavorável para os demais credores da mesma classe”, afirma o documento assinado pelos advogados da Caixa, do escritório Felsberg.

“Pode-se deduzir que a estratégia adotada visaria diluir o direito de voto dos credores legítimos”, acrescenta.

Segundo cálculos da Caixa incluídos no documento judicial, com base na lista de credores fornecida pela Odebrecht, os bondholders responderiam por 29,7% da dívida financeira do grupo, com seguradoras, bancos e investidores em bônus.

Exclusão – O embargo da Caixa pede a exclusão da Odebrecht Finance da recuperação judicial. A Caixa foi o banco responsável por forçar a Odebrecht a pedir recuperação judicial, ao executar garantias em uma de suas unidades que acelerariam outras dívidas do grupo todo.




O banco estatal e fundos geridos por ele têm R$ 5 bilhões em dívidas com a Odebrecht, a maior parte sem garantias. O grupo de bancos estatais, que inclui o Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), tem dívidas totais de R$ 17 bilhões.

A Odebrecht, que entrou com um dos maiores pedidos de recuperação judicial da história da América Latina, com dívidas totais de R$ 98,5 bilhões, já havia iniciado uma reestruturação da dívida com detentores de bônus em Nova York.

A Odebrecht contratou a Moelis & Co para reestruturar os bônus e havia proposto um desconto de 70% na dívida, que foi rejeitado pelos investidores.

O comitê de bondholders pediu para ter acesso a garantias, principalmente a participação que a Odebrecht detém na Braskem. Mas a participação já foi dada em alienação fiduciária para bancos locais como Banco Bradesco SA e Itaú Unibanco Holding S/A.

Se a maioria dos credores rejeitar o plano de reestruturação proposto pela Odebrecht, o grupo teria que recorrer à falência, de acordo com a lei brasileira de recuperações judiciais. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!