COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: REUTERS/Ricardo Moraes

Nos ensinam os mais experientes que uma caixa d`água não será mantida cheia se o calibre do cano de entrada for menor que o do cano de saída. Elementar para a maioria, mas certamente não para os gestores públicos que nas últimas décadas, talvez desde a redemocratização, fizeram justamente o contrário, no que diz respeito ao dinheiro público.

Gastaram à vontade, criaram obrigações que não poderiam sustentar por muito tempo e, para completar, pouca atenção deram os ingressos. Hoje constatam que o dinheiro acabou, a rigor já não basta nem mesmo para as despesas essenciais e, com uma firmeza que parece ser estudada, proclamam, quase sem exceção, que o reequilíbrio fiscal é o primeiro de seus compromissos.

PUBLICIDADE

Conversa. Os maus hábitos prosseguem, os gestores públicos, políticos ou não, um universo em que as exceções são a cada dia que passa mais raras, devem partir do princípio de que o dinheiro público não tem dono e até há pouco aparentemente acreditavam que também não tinha fim. Prometem disciplina, prometem – e como gostam de fazer isto! – “cortar na própria carne”, mas, diante do tamanho do problema, estão no máximo contornando o problema. No Estado do Rio de Janeiro, quebrado, as aposentadorias na Assembleia Legislativa podem chegar, fácil, aos R$ 30 mil. Em Brasília a Presidência da República acaba de mandar renovar sua frota de automóveis de luxo, aqueles destinados às excelências, as mesmas que continuam voando nos jatos oficiais e consideram esse comportamento absolutamente natural.

Não é diferente nos estados, não é diferente nas prefeituras, até mesmo aquelas que não têm renda própria e vivem de repasses federais e estaduais, quase sempre consumidos apenas para sustentar a burocracia local. Falta disposição, coragem talvez, para acabar com tamanha falta de bom senso, de responsabilidade. Para ficar no último exemplo, municípios foram criados apenas para abrir vagas para prefeitos, vereadores, secretários e afilhados. Essa brincadeira, no todo, custa ao País, aos contribuintes, pelo menos R$ 10 bilhões por ano. Mas o dinheiro acabou, é preciso lembrar.

Diante da realidade, os ajustes e as reformas anunciadas e prometidas serão no máximo uma maneira de jogar o problema para frente, como vem sendo feito e sem que sequer nos aproximemos das soluções. Por exemplo, fundir municípios que não se sustentam de pé, simplificar, racionalizar, pôr fim aos desperdícios. Ou, mais radicalmente, dar fim ao sequestro do orçamento público, promovido e mantido por corporações que permanecem inabaladas, intocáveis que ainda são. Ou agimos, rápido, ou nos afogamos todos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!