COTAÇÃO DE 26/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7610

VENDA: R$4,7610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8500

VENDA: R$4,9530

EURO

COMPRA: R$5,1433

VENDA: R$5,1459

OURO NY

U$1.850,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+1,18

POUPANÇA

0,6719%

OFERECIMENTO

Opinião

Lições da catástrofe do Feijão

COMPARTILHE

Carlos Eduardo Orsini*

A barragem da Mineração do Feijão, pertencente à Vale, sofreu uma catástrofe, oferecendo uma serie de lições a serem usadas como elementos orientadores para futuros projetos de mineração.

PUBLICIDADE




As perdas humanas relacionadas com a destruição de famílias são irreparáveis, e justamente nesse aspecto que todos nós, técnicos e defensores da mineração, devemos nos concentrar quando avaliamos e desenhamos os projetos.

A região de Brumadinho na qual se situa a Mineração do Feijão é nossa conhecida há mais de 50 anos. Na MBR, imaginávamos trabalhar de forma sustentável aquelas riquíssimas reservas de minério de ferro.

Pois bem, hoje, numa oportunidade de poder participar com a equipe da GEOID de um levantamento aéreo desse desastre, sobrevoando por mais de duas horas a região, o nosso pensamento se volta no sentido de conscientizar o setor mineral mineiro e brasileiro para alguns cuidados necessários na condução de empreendimentos.

O acidente com a barragem do Fundão, da Samarco, com perdas humanas e vultosas feridas ambientais, também nos pôde ensinar a respeito das medidas mitigadoras a fim de evitar novos acidentes.

PUBLICIDADE




“É muito difícil construir, exige conhecimento, experiência, planejamento, tempo e até mesmo devoção, mas a destruição é facílima e muito rápida!”
Neste contexto de dificuldade, é necessário criar um paradigma que valorize o setor mineral em Minas Gerais e no Brasil, estabelecendo correções, procedimentos técnicos e inovadores que venham a modelar futuros projetos, tais como:

Investir na engenharia, na tecnologia, na experiência e no profissionalismo em troca de amadorismos de baixos custos, evitando “jeitinhos e gambiarras” que muitas vezes se vê atualmente;

Cuidar com carinho e competência da manutenção de estruturas produtivas e facilidades acessórias num empreendimento de mineração – nesse caso, o importante não é o fim, o produto final que confere o “core business” de uma empresa conceituada como a Vale, mas sim, elementos importantíssimos e de risco, como uma “barragem de rejeito”;

Estudar e buscar tecnologias alternativas para processos de tratamento de rejeitos, evitando reservatórios extremamente volumosos com riscos correntes – deve-se adotar processos de reaproveitamento desses rejeitos com o reúso da água gerada;

Aplicar sistemas de monitoramento da qualidade ambiental e de segurança através dos órgãos de fiscalização do poder público.

Diante disso, estas lições possibilitam conscientizar, mudar o comportamento e adotar atitudes necessárias para a evolução do setor mineral de Minas Gerais, com uma mineração inovadora, tecnológica e ambientalmente sustentável, honrando assim a identidade de “Minas” Gerais!

  • Engenheiro de Minas e Metalurgista e Pós-Graduado em Avaliações e Perícias de Engenharia – Diretor da YKS-CEO
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!