A Opersan presta serviço de tratamento de águas e efluentes para diferentes setores - Créditos: Divulgação

Especializada em soluções para o tratamento de águas e efluentes, o grupo paulista Opersan expande sua atuação em Minas Gerais. A empresa acaba de iniciar a operação de uma estação de tratamento na Frooty, indústria de alimento localizada em Poços de Caldas, no Sul do Estado.

Esse é o segundo cliente do grupo em Minas Gerais, que também atende a uma rede de supermercados em Belo Horizonte. Além disso, a Opersan negocia com outros players mineiros no setor automobilístico e de shopping center.

A empresa presta serviço de tratamento de águas e efluentes para empresas de diferentes setores, sendo a indústria um dos segmentos mais importantes para o negócio.

De acordo com o diretor de desenvolvimento de negócios da Opersan, Diogo Taranto, o tratamento pode ser oferecido em unidade própria da empresa ou, ainda, em estações construídas dentro das empresas clientes. Nesse segundo formato, o modelo construtivo adotado é o Build, Operate & Transfer (BOT).

“Nesse formato, a Opersan constrói a estação com recursos próprios dentro do espaço do cliente. Durante tempo determinado em contrato, nós operamos essa estação e, ao fim, entregamos a estrutura ao cliente. Esse é um modelo muito vantajoso para o cliente porque ele não tem investimento inicial e nem assume nenhum risco ambiental. Para a Opersan, por outro lado, é uma forma de atrair e fidelizar os clientes”, explica.

Créditos: Divulgação

Taranto afirma que o potencial da indústria mineira chama a atenção do grupo para o Estado. Segundo ele, a empresa chegou a Minas Gerais para atender a demanda de tratamento de água e esgoto de minas da Vale em oito municípios mineiros. Mas, há cerca de três anos, a mineradora resolveu absorver o serviço e encerrou o contrato com a Opersan. A empresa voltou ao mercado mineiro no ano passado, quando fechou um contrato para tratamento de esgoto em uma rede de supermercados na Capital.

Este ano, foi a vez do Sul do Estado receber uma operação da Opersan. Lá, o grupo atuará por meio do modelo BOT. A estação construída na empresa de alimento Frooty terá capacidade para tratar 1.000 metros cúbicos de efluente por mês. O diretor não abre o investimento na construção da estação.

Além dos projetos em andamento, Taranto destaca que há negociações com clientes de outros setores em Minas Gerais, como o segmento automobilístico e o de shopping center. O diretor também enxerga potencial no setor de mineração e na área industrial de maneira geral.

“Minas Gerais é um alvo para a Opersan. Temos muito interesse em expandir operações no Estado e proporcionar melhorias ao meio ambiente por meio do tratamento adequado de efluentes”, finaliza.