COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Liberação de crédito rural para Minas tem crescimento de 21%

COMPARTILHE

O custeio da safra de café recebeu R$ 528 milhões em agosto | Crédito: Divulgação/Emater

Os bons preços pagos pelas principais commodities agrícolas e pecuárias e a demanda do mercado aquecida estão estimulando os aportes na produção, em Minas Gerais. A demanda pelos recursos do Plano Agrícola e Pecuário (PAP), nos dois primeiros meses da safra 2020/21, já está 21% maior que a registrada em igual período da safra anterior.

De acordo com os dados da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), já foram desembolsados para o Estado R$ 5,38 bilhões. Dentre as linhas, os desembolsos para investimentos estão 71% maiores, com um volume de R$ 1,44 bilhão liberados. Na linha de custeio, que concentra a maior parte dos recursos, a elevação foi de 12%.

PUBLICIDADE

Ao todo, em Minas Gerais, foram aprovados 41.024 contratos, aumento de 18% frente aos 34.693 registrados entre julho e agosto de 2019. Com o valor de R$ 5,38 bilhões já liberados, Minas Gerais responde por 11% do valor total desembolsado para a agricultura e a pecuária do Brasil, recursos que estão na ordem de R$ 48,53 bilhões.

Para a agricultura foram liberados nos primeiros dois meses da safra R$ 3,62 bilhões, variação positiva de 23% quando comparado com os R$ 2,94 bilhões registrados em igual período da safra anterior. O número de contratos aprovados avançou 14%, somando 15.562 unidades.

Na pecuária foi observado aumento de 16% na demanda pelo crédito rural, que somou R$ 1,76 bilhão entre julho e agosto. A aprovação de contratos chegou a 25.462, alta de 21%.

Linhas – Dentre as linhas que compõem o crédito rural, o maior volume é desembolsado na de custeio, que é utilizada para cobrir as despesas normais dos ciclos produtivos. De julho a agosto, foram liberados para o Estado R$ 2,90 bilhões, aumento de 12% se comparado com o valor de R$ 2,6 bilhões liberados em igual período da safra anterior. A aprovação de contratos cresceu 15% e encerrou o primeiro bimestre da safra em 15.291.

Para o custeio da agricultura, os desembolsos somaram R$ 1,98 bilhão e ficaram 7% maiores que os R$ 1,85 bilhão registrado anteriormente. Foram aprovados 8.197 contratos, 8% superior.

Em agosto de 2020, as culturas agrícolas que demandaram maior volume de crédito para custeio foram o café, com desembolsos de R$ 528,12 milhões, seguido pela soja, com R$ 258,87 milhões; milho, somando R$ 87,49 milhões; cana-de-açúcar, com R$ 49,56 milhões; e batata-inglesa, com a liberação de R$ 16,07 milhões para o custeio da safra.

Na pecuária os recursos de custeio já aprovados somaram R$ 920 milhões, aumento de 23% quando comparado com o valor de R$750 milhões liberados no primeiro bimestre da safra 2019/20. No período, foram aprovados 7.094 contratos, variação positiva de 24%.

A maior parte do recurso, em agosto, foi destinada para o custeio da produção de bovinos, com desembolsos somando R$ 401,05 milhões. Para os suínos a liberação foi de R$ 31,82 milhões, avicultura, R$ 19,22 milhões, e piscicultura com R$ 1,99 milhão.

Outra linha que vem se destacando é a de investimentos. A modalidade apresentou o maior crescimento nos desembolsos, 71%, com o valor de R$ 1,44 bilhão liberado. Ao todo, foram aprovados 25.376 contratos, elevação de 23%.

A maior parte dos recursos para investimentos foi destinada à agricultura. São 750 milhões já desembolsados, valor 90% superior ao registrado anteriormente. No período, a aprovação de contratos cresceu 28% encerrando em 7.091.

Na pecuária, a expansão dos recursos foi na ordem de 55%, com a liberação de R$ 690 milhões em crédito para investimentos. A aprovação de contratos cresceu 21% somando 18.285.

Já os desembolsos da linha de comercialização ficaram menores. O valor liberado para a linha em Minas Gerais somou R$ 830 milhões entre julho e agosto, queda de 3% frente aos R$ 850 milhões liberados no mesmo período da safra anterior. Ao todo, foram aprovados 326 contratos, queda de 49%.

Para a agricultura, o crédito da linha de comercialização alcançou R$ 740 milhões em desembolsos, variação positiva de 28%. Já para a pecuária, o montante liberado, R$ 100 milhões, ficou 66% inferior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!