COTAÇÃO DE 04/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6572

VENDA: R$5,6582

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,7415

VENDA: R$6,7445

OURO NY

U$1.698,79

OURO BM&F (g)

R$309,40 (g)

BOVESPA

+1,35

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Alta do coque verde de petróleo pressiona indústria de cal em Minas

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Rodrigo Simões informa que as empresas do setor não repassaram os reajustes na pandemia | Crédito: Divulgação

De fevereiro a novembro deste ano, o valor do coque verde de petróleo, que é de produção e refino exclusivo da Petrobras, aumentou 138% para o segmento da cal em Minas Gerais, de acordo com o Sindicato da Indústria de Cal e Gesso no Estado de Minas Gerais (Sindicalge-MG).

Segundo o presidente da entidade, Rodrigo Simões, os reajustes têm sido realizados todos os meses, trazendo uma série de desafios para as empresas, uma vez que o coque verde de petróleo corresponde a 50% dos custos totais do setor.

PUBLICIDADE

Simões destaca que o segmento é muito dependente do produto, pois ele tem uma característica peculiar em relação a outros combustíveis: o baixo teor de enxofre. O principal mercado do setor da cal, diz, é a siderurgia, que abarca mais de 50% da produção das empresas de calcinação e demanda um produto final com menos enxofre na composição.

O presidente do Sindicalge-MG afirma desconhecer as razões para o aumento dos preços e salienta que, durante meses, inclusive em meio à pandemia, as empresas não repassaram os reajustes. Em algumas ocasiões, diz, chegaram até mesmo a diminuir o valor da cal e a aumentar os prazos de pagamento. “Fizemos um esforço grande para absorver os custos e tocar a vida”, pontua.

Reflexos em cadeia – Simões lembra que a cal é considerada um produto essencial e que, portanto, as empresas, mesmo em meio à crise na saúde que refletiu na economia, continuaram trabalhando para atender todo o mercado. Minas Gerais tem um importante papel nesse cenário, pois, segundo o presidente do Sindicalge-MG, é responsável por mais de 80% da cal que é produzida no País.

Além disso, conforme a entidade, para continuarem operando, as empresas filiadas ao sindicato adotaram várias medidas para a preservação da saúde e da segurança dos seus colaboradores, seguindo protocolos rígidos. Isso demandou uma série de investimentos que envolveram desde mudanças na infraestrutura até a contratação de serviços adicionais de segurança e saúde.

“Entretanto, apesar dos esforços que as organizações do setor fizeram para não repassar custos, em setembro já anunciaram a atualização dos preços. “Isso vai ter um efeito ruim para a própria inflação”, diz Simões.

Isso porque, conforme explica ele, a cal e o calcário são muito importantes para diversos segmentos, como o das indústrias alimentícia, química, do vidro e do papel e celulose, para o setor sucroalcooleiro (açúcar e álcool), construção civil, agronegócio, entre outros setores.

“Será um efeito cascata”, frisa o presidente do Sindicalge-MG, que afirma, ainda, que não há perspectivas de quando as coisas voltarão ao normal.

O DIÁRIO DO COMÉRCIO procurou a Petrobras para solicitar o posicionamento da empresa acerca do aumento de preços do coque verde de petróleo. No entanto, não obteve retorno até o fechamento desta edição.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente