COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque exclusivo

Arrecadação do Estado registra uma elevação de 7,3% em janeiro

COMPARTILHE

" "
Crédito: Pixabay

Minas Gerais iniciou 2020 com aumento na arrecadação estadual. Ao todo, o Estado recolheu R$ 7,960 bilhões em janeiro, representando 7,3% de avanço frente ao recolhimento do mesmo mês do ano passado (R$ 7,413 bilhões).

As maiores receitas no primeiro mês deste ano vieram do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), o mais importante para os cofres públicos. Os dados são Secretaria de Estado da Fazenda (SEF).

PUBLICIDADE




Ao descontar a inflação oficial do País no primeiro mês de 2020 – medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) -, que foi de 0,21%, o recolhimento no Estado cresceu, em termos reais, 7,09% no primeiro mês deste exercício frente a mesma época do ano anterior.

Com a receita tributária, o recolhimento em Minas chegou a R$ 7,7 bilhões em janeiro, 6,98% de alta em relação ao montante do período anterior, que ficou na casa dos R$ 7,197 bilhões. A arrecadação de tributos correspondeu a 96,7% do total do período. Já as outras receitas, que englobam multas, juros e dívida ativa chegou a R$ 259 milhões no primeiro mês deste ano. Em igual época de 2019 tinha sido de R$ 215 milhões.

Somente o pagamento do ICMS totalizou R$ 4,512 bilhões em janeiro, com crescimento de 7,5% em relação a janeiro do ano anterior (R$ 4,197 bilhões).

IPVA – Já o pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) somou R$ 2,684 bilhões no primeiro mês deste exercício. Sobre o valor recolhido no ano passado (R$ 2,498 bilhões) foi registrada alta de 7,4%, conforme as informações da SEF.




As taxas recolhidas pelo Estado em janeiro somaram R$ 450 milhões, enquanto no mesmo mês um ano antes chegaram a R$ 456 milhões – queda de 1,3% entre os períodos.

Por fim, a cobrança dos débitos referentes à dívida ativa gerou o recolhimento de R$ 40,6 milhões no primeiro mês deste ano, 14,6% a mais que os R$ 35,4 milhões de janeiro do exercício passado.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!