COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
Página Inicial » Economia » Arrecadação estadual acumula recuo de 4,1% de janeiro a agosto

Arrecadação estadual acumula recuo de 4,1% de janeiro a agosto

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Embora a arrecadação de Minas Gerais esteja crescendo a cada mês e também na comparação com o ano anterior, o volume apurado no acumulado de 2020 ainda está abaixo do registrado em 2019. Em agosto, entraram nos cofres públicos do Estado R$ 5,07 bilhões, contra R$ 4,877 bilhões em julho e R$ 4,991 bilhões no oitavo mês do ano passado. Isso significa avanço de 3,95% e 1,58%, respectivamente.

Já no acumulado dos oito meses do atual exercício, a arrecadação mineira chegou a R$ 41,344 bilhões, montante 4,1% inferior aos R$ 43,113 bilhões apurados no mesmo período de 2019.

Os dados são da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) e refletem as medidas de distanciamento social em combate ao novo coronavírus em toda Minas Gerais. Já o aumento mês após mês pode ser explicado pela flexibilização das atividades econômicas em diferentes momentos e regiões do Estado.

De toda maneira, os números confirmam a tendência de um rombo grande nos cofres públicos mineiros em 2020. Estimativas da equipe de Romeu Zema (Novo) dão conta de um déficit superior a R$ 20 bilhões neste exercício. O valor estimado antes da pandemia era de R$ 13,3 bilhões, conforme a Lei Orçamentária Anual (LOA).

ICMS – Apenas o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), o mais importante para os cofres públicos, totalizou R$ 4,4 bilhões no mês passado, com aumento de 4,7% em relação a julho (R$ 4,2 bilhões). Na comparação com igual época de 2019 (R$ 4,2 bilhões) a alta foi a mesma.

De janeiro a agosto, a arrecadação do ICMS no Estado somou R$ 32 bilhões, o que respondeu por 78% da arrecadação total para o intervalo neste ano. Em relação à receita do imposto no mesmo período um ano antes (R$ 33 bilhões) o recuo foi de 3%.

A receita tributária chegou a R$ 4,833 bilhões no mês passado, 4,3% maior do que o montante mês imediatamente anterior (R$ 4,632 bilhões) e 2,7% frente aos R$ 4,702 bilhões de 2019.

Já quando considerado o acumulado dos oito meses deste ano, o recolhimento de receita tributária do Estado chegou a R$ 39,437 bilhões.  Em relação ao valor recolhido com tributos em igual período um ano antes houve baixa de 3,2%. Na mesma época de 2019, o valor foi de R$ 40,76 bilhões. No acumulado deste ano, os tributos representaram 95% do total da arrecadação.

IPVA e dívida ativa – O pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) foi de R$ 140 milhões no oitavo mês deste exercício. Sobre o valor recolhido no mês anterior (R$ 167 milhões) foi registrada queda de 16%, conforme as informações da SEF. Em relação a igual período de 2019 a baixa foi de 10%. Os recolhimentos do imposto somaram R$ 156 milhões um exercício antes.

Assim, nos oito meses de 2020, o recolhimento do IPVA gerou receitas de R$ 5,215 bilhões. O montante é 1,9% maior que o montante dos mesmos meses do ano anterior: R$ 5,116 bilhões.

Por fim, a cobrança dos débitos referentes à dívida ativa gerou o recolhimento de R$ 29 milhões no último mês, montante similar ao apurado em julho. Na comparação com o recolhido em 2019 (R$ 45 milhões), a queda foi de 35%. No ano, os recolhimentos da dívida ativa chegaram a R$ 234 milhões.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente