CRÈDITO: CHARLES SILVA DUARTE/Arquivo DC

A situação epidemiológica da Capital, que há algumas semanas vem registrando baixos índices ocupação hospitalar e de transmissão do novo coronavírus, permitiu com que o Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) avançasse mais um pouco na flexibilização das medidas de distanciamento social da cidade. A partir desse sábado (12), o comércio poderá abrir as portas também aos sábados e as academias poderão oferecer atividades coletivas.

Outras duas boas notícias anunciadas pelo Comitê de Enfrentamento ao Covid-19 foi a liberação de mais três parques públicos da cidade (Parque Ecológico Renato Azeredo, no bairro Palmares, o parque Aggeo Pio Sobrinho, no Buritis, e o parque da Serra do Curral) e o início da desmobilização dos leitos exclusivos para a doença nos hospitais da capital mineira.

“Nossa taxa de transmissão está em 0,95, a taxa de ocupação de enfermarias em 42% e a taxa de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) 43%. Isso quer dizer que todos nossos indicadores estão no nível verde”, disse o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto.

Segundo ele, com base nesses números, o comitê resolveu que as academias estão liberadas para atividades coletivas, desde que observados os protocolos já anunciados anteriormente.

No comércio, as lojas de rua poderão abrir entre 9h e 17h no primeiro dia do fim de semana e, em dias úteis, entre 11h e 19h. E os shoppings poderão funcionar de segunda a sábado de 12h às 20h, conforme anunciado.

“É muito importante dizer que a pandemia não acabou e que continua exigindo todos os cuidados. Em termos coletivos o número de casos tem diminuído, a ocupação diminuiu, mas os casos que estão internados continuam sendo muito graves”, ponderou o secretário. 

Desmobilização – Sobre a desmobilização dos leitos exclusivos para tratamento da saúde, aos moldes do que foi comunicado na última quinta-feira (11) pelo governo do Estado em relação ao Hospital de Campanha criado no Expominas, Machado revelou que o Executivo já está desmontando 153 leitos de enfermaria e de UTI. As vagas ficarão inativas, mas serão utilizadas normalmente na base de cálculos da ocupação dos leitos hospitalares.

“Como os indicadores permitem, vamos lentamente desmobilizar leitos de Covid e passá-los para a retaguarda, mas de forma reversível. A qualquer momento eles podem voltar a ser de Covid”, afirmou.

Questionado sobre uma possível segunda onda da doença, como já vem ocorrendo em alguns países, Machado lembrou que a Prefeitura não trabalha com previsão, mas sim com o monitoramento diário dos casos. “Ter ou não uma segunda onda vai depender de cada um de nós”, alertou.

Os infectologistas que fazem parte do Comitê de Enfrentamento da PBH, Carlos Starling, Estevão Urbano e Unaí Tupinambás reforçaram pedidos e alertas sobre os cuidados com higienização e distanciamento social. “A máscara, por enquanto, é a nossa vacina”, ressaltou Starling.

Lojistas de BH comemoram o avanço

O anúncio de flexibilização feito pela Prefeitura de Belo Horizonte na sexta-feira (11) foi muito comemorado pelo comércio, uma vez que o funcionamento aos sábados era um dos principais pleitos das entidades. O vice-presidente do Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (Sindilojas-BH), César Albuquerque, disse que a retomada das atividades comerciais neste dia poderá dar fôlego financeiro os comerciantes.

“Os lojistas estavam ansiosos por essa liberação, porque sábado é o melhor dia de compras da cidade. Belo Horizonte tem a tradição de ter o sábado como um dia em que mais pessoas vão às compras. É uma medida que nos ajuda muito na reta final de um ano tão penoso”, avaliou.

Conforme o diretor do Sindilojas-BH, de toda forma, a estimativa é de uma queda entre 50% e 70% no faturamento dos comércios da Capital desde a chegada da pandemia ao Brasil. O setor de vestuário foi um dos mais afetados pelas medidas de distanciamento social adotadas em março.

Regras para os bares foram mantidas

O anúncio de flexibilização feito pela Prefeitura de Belo Horizonte na sexta-feira (11) foi muito comemorado pelo comércio, uma vez que o funcionamento aos sábados era um dos principais pleitos das entidades. O vice-presidente do Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (Sindilojas-BH), César Albuquerque, disse que a retomada das atividades comerciais neste dia poderá dar fôlego financeiro os comerciantes.

“Os lojistas estavam ansiosos por essa liberação, porque sábado é o melhor dia de compras da cidade. Belo Horizonte tem a tradição de ter o sábado como um dia em que mais pessoas vão às compras. É uma medida que nos ajuda muito na reta final de um ano tão penoso”, avaliou.

Conforme o diretor do Sindilojas-BH, de toda forma, a estimativa é de uma queda entre 50% e 70% no faturamento dos comércios da Capital desde a chegada da pandemia ao Brasil. O setor de vestuário foi um dos mais afetados pelas medidas de distanciamento social adotadas em março.