COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

PIB mineiro pode cair até 4,9% em 2020, prevê a FJP

COMPARTILHE

Crédito: Tânia Rego/ABr

O comércio por atacado e varejo, exceto veículos automotores, deverá apresentar os maiores impactos diretos e indiretos no Valor Adicionado (VA) da produção de Minas Gerais neste ano, sendo eles de -8,4% no cenário-base, de -10,6% em um cenário pessimista e de -6,2% em um cenário otimista. Vale lembrar que o setor tem uma participação de 10,7% no VA do Estado.

Os dados são da Fundação João Pinheiro (FJP), fazem parte do estudo Cenários de Impactos Econômicos Estimados pela Matriz Insumo-Produto de 2016 e trazem um retrato do que poderá ser o futuro do Estado diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

PUBLICIDADE

De acordo com a entidade, “a Matriz Insumo-Produto (MIP) permite identificar a interdependência das atividades produtivas no que concerne à compra de insumos e vendas de produtos utilizados e decorrentes do processo de produção. Essa representação mostra como cada setor impacta e é impactado pelos demais setores”, destaca.

Assim, a partir dos cenários de estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais para este ano, diz a FJP, foi possível projetar três cenários possíveis para o comportamento de 57 atividades em meio aos reflexos da pandemia. O estudo prevê uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,9% em um cenário-base, de 2,9% em um cenário otimista e de 4,9% em um cenário pessimista. Os cenários do PIB são revisados a cada quinzena, segundo a entidade.

A pesquisa revela que 13 setores econômicos de Minas Gerais representavam 73,7% do VA da produção do Estado, que, conforme a definição da própria entidade, “é o valor que se agrega no processo de produção. É a diferença entre o valor bruto da produção e o consumo intermediário. A soma do valor adicionado é o PIB descontado os impostos”.

Dessas 13, as quatro principais nesse sentido são “administração pública, educação e saúde públicas, defesa e seguridade social”, “comércio por atacado e varejo, exceto veículos automotores”, “atividades imobiliárias” e “construção”, com variações, considerando o cenário-base, de 0%, -8,4%, -4% e -4,2%, respectivamente.

Conforme destacou a pesquisadora da FJP Carla Aguilar, em live realizada pelo Instagram ontem, o comércio apresentará perdas bastante significativas, sendo que é uma atividade muito importante para a geração de VA. “As atividades imobiliárias também serão muito impactadas”, destacou ela, lembrando que, mesmo assim, a retração será menos intensa do que a verificada no comércio.

Continuando a observar o cenário-base (que está entre o mais pessimista e o mais otimista), a categoria intermediação financeira, seguros e previdência complementar deverá apresentar um recuo de 3,8%.

Ainda acompanhando a sequência das maiores representantes do VA em Minas para as menores e verificando o cenário-base, vêm agricultura, inclusive o apoio à agricultura e à pós-colheita (0%), atividades de vigilância, segurança e investigação e outras atividades administrativas e serviços complementares (-4%), transporte, armazenamento, atividades auxiliares dos transportes e correio (-1,6%), serviços técnicos e gestão não imobiliária prestados às empresas (-3,6%), extração de minério de ferro, inclusive beneficiamentos e a aglomeração (0%), saúde privada (-3,5%), energia elétrica, gás natural e outras utilidades (-1,2%) e alojamento e alimentação (-3,3%).

ICMS – A pesquisa da FJP também mostra que a queda no ICMS deverá ser de 5,76% em Minas Gerais no cenário-base, de 4,31% no cenário otimista e de 7,21% no pessimista. Já no emprego, o recuo poderá ser de 7,41% no cenário-base, 5,55% no otimista e 9,34% no pessimista. Na remuneração, nas mesmas bases de comparação, as retrações poderão ser de 4,12%, 3,09% e 5,19%, respectivamente, e no valor adicionado geral de 4,51%, 3,37% e 5,68%, respectivamente. As quedas no ICMS poderão somar R$ 4 bilhões.

Segundo Carla Aguilar, em relação ao ICMS, os maiores impactos deverão ser do refino de petróleo e bebidas. “No caso do ICMS, há uma concentração principalmente na indústria”, avalia. As perdas no refino de petróleo poderão ser de 1,8% a 2,9%.

Considerações – Em relação aos dados expostos pela entidade, Carla Aguilar frisou a participação do comércio na economia e sua retração. No entanto, ela também destacou que o comércio e a economia estão sofrendo neste momento, mas que a recuperação virá quando houver a garantia da vida preservada. “Claro que talvez o retorno seja um pouco mais lento, mas ele vai acontecer”, disse.

De acordo com ela, as estimativas feitas pela entidade nos diferentes cenários é para que se tenha um norte e para verificar quais medidas podem ser estabelecidas diante disso. A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), lembrou, deverá ser a mais impactada, sendo que 42% do valor adicionado da indústria está na região. “A gente vai se reerguer. É algo temporário. A gente precisa acreditar nisso”, ressaltou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!