COTAÇÃO DE 19/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5500

VENDA: R$5,5510

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5400

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,7043

VENDA: R$6,7067

OURO NY

U$1.771,25

OURO BM&F (g)

R$317,44 (g)

BOVESPA

317,44

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa
Crédito: Manoel Evandro

As perdas do comércio de Minas Gerais devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) já chegaram a R$ 10,03 bilhões. O Estado permanece na segunda posição em relação aos números negativos, atrás apenas de São Paulo.

Os dados foram divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e englobam o período de 15 de março a 2 de maio.

PUBLICIDADE

Em todo o Brasil, os prejuízos já somam R$ 124,7 bilhões, o equivalente a uma retração de 56% no faturamento habitual do varejo antes da pandemia.

As quedas mais acentuadas se deram nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, que concentraram nada menos do que 69,7% das perdas.

Decrescente – A entidade vem acompanhando semanalmente os recuos registrados no segmento comercial de todo o Brasil. Conforme destaca o economista da CNC responsável pela pesquisa, Fabio Bentes, perdas bilionárias são verificadas a cada nova pesquisa. Contudo, diz ele, já não são tão grandes como as vistas no fim de março.

Pelo menos dois fatores ajudam a explicar esse cenário, segundo Fabio Bentes. Um deles, diz o economista, tem a ver com o fato de que, de lá para cá, o varejo tem adotado estratégias de recuperação da receita, investindo em e-commerce, em m-commerce, vendas por aplicativo e serviços de delivery, por exemplo.

Além disso, a adesão ao isolamento social tem sido menor do que o registrado no fim de março, lembra ele. “As pessoas voltaram a circular mais. Isso, de certa forma, ajuda um pouco o varejo, mas não auxilia a economia. Se tem uma menor adesão ao distanciamento, prorroga-se o problema da pandemia por mais tempo”, ressalta ele.

Essenciais x não essenciais – Os dados da CNC também mostram que há uma grande discrepância entre as perdas nas vendas do varejo essencial – que engloba hipermercados, supermercados, minimercados, farmácias e drogarias – e do não essencial.

Para se ter uma ideia, entre os dias 15 e 21 de março, enquanto o varejo não essencial caiu 8,40% em todo o Brasil, o essencial não chegou a registrar qualquer tipo de queda.

Já entre os dias 26 de abril e 2 de maio, o varejo não essencial recuou 16,22%, enquanto o essencial retraiu 1,82%.

Nas sete semanas que se encerram no começo do mês de maio, os setores varejistas que comercializam itens não essenciais tiveram prejuízos na ordem de R$ 111,61 bilhões em todo o País. As perdas relacionadas às comercializações de medicamentos e alimentos, por sua vez, chegaram a R$ 13,12 bilhões na mesma base de comparação.

“As perdas nos setores de supermercados e de farmácias têm se dado em uma magnitude menor. Além de esses estabelecimentos terem permanecido abertos, existe também o fato de que, por mais grave que seja a crise, a última coisa que se costuma cortar são os gastos com alimentos e medicamentos”, destaca Fabio Bentes.

No entanto, frisa ele, mesmo assim houve retração no varejo essencial. Isso, afirma, é o reflexo das condições econômicas sobre o consumo. O economista lembra que muitas pessoas perderam emprego e renda, o que impactou todos os segmentos.

A situação de perda dos postos de trabalho ainda tende a piorar, segundo a CNC. De acordo com a entidade, se o cenário atual permanecer, 2,4 milhões de empregos formais poderão ser perdidos em um período de até três meses. No entanto, isso dependerá, ainda segundo a CNC, de como as empresas vão reagir diante das medidas governamentais e também da própria evolução da pandemia.

Vendas recuaram 2,1% no Estado em março

O comércio de Minas Gerais recuou 2,1% em março na comparação com fevereiro, na série com ajuste sazonal. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em todo o Brasil, a queda foi de 2,5%.

A supervisora de pesquisa econômica da entidade, Claudia Pinelli, destaca que a retração teve impactos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O número, porém, diz ela, não foi maior porque as medidas de isolamento social foram tomadas apenas em meados de março. O começo do mês, portanto, seguiu o seu curso normal.

Os dados do IBGE também revelam que o comércio do Estado registrou queda de 1,3% na comparação entre março deste ano e o mesmo período de 2019. Já o desempenho acumulado do ano ficou estável e a variação acumulada em 12 meses apresentou um crescimento de 1,7%.

“O setor de comércio vinha apresentando taxas positivas. Agora, com a pandemia do novo coronavírus, é que veio essa queda”, destaca Claudia Pinelli.

Setores – De acordo com o IBGE, mesmo em meio à crise instalada pelas medidas de isolamento social adotadas como forma de combater a doença, alguns setores apresentaram expansão em Minas Gerais em março deste ano na comparação com igual período do ano passado.

É o caso, por exemplo, dos artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (15,3%), hipermercados e supermercados (4,6%) e equipamentos e materiais para escritórios, informática e comunicação (1,2%).

De acordo com Claudia Pinelli, o aumento nas compras de itens farmacêuticos e alimentícios em março não necessariamente tem a ver com uma corrida por estocá-los após o anúncio das primeiras medidas de combate ao novo coronavírus.

“O crescimento também se relaciona ao fato de as pessoas estarem por mais tempo em casa e aumentarem o consumo”, afirma.

Na variação acumulada no ano, os artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos também tiveram crescimento, de 11,7%, assim como na variação acumulada de 12 meses (10,6%). Hipermercados e supermercados apresentaram expansão, nos mesmos períodos, de 1,8% e 2,9%, respectivamente.

Do lado das quedas, alguns dos destaques de março deste ano em Minas Gerais em relação ao mesmo período do ano passado foram eletrodomésticos (-21,2%), tecidos, vestuários e calçados (-19,8%), móveis (-10,2%) e combustíveis e lubrificantes (-12).
Claudia Pinelli destaca que as pessoas passaram a concentrar as compras nos itens essenciais, o que ajuda a explicar a maior parte das quedas registradas no terceiro mês deste ano no Estado.

Os combustíveis e lubrificantes também apresentaram recuo na variação acumulada do ano (-10,2%) e na variação acumulada de 12 meses (-4,7%). O mesmo ocorreu com os eletrodomésticos, com retrações de 6,5% e 7,1%, respectivamente.

Já os móveis vinham mostrando crescimento e apresentaram expansão de 3,9% na variação acumulada do ano e de 7,7% na variação acumulada de 12 meses. Equipamentos e materiais para escritório e informática, nos mesmos períodos, registraram expansão de 6,1% e 10,7%, respectivamente.

Por sua vez, tecidos, vestuário e calçados tiveram uma variação no acumulado do ano de 0% e de -1 na variação acumulada de 12 meses.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!