COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
Consumidores da Capital apontam que devem comprar menos no Dia dos País neste ano | Crédito: Divulgação

A estimativa de uma possível recuperação da economia, aliada à expectativa de maior controle do Covid-19, incluindo a criação de uma vacina, contribuíram para que o Índice de Confiança do Consumidor de Belo Horizonte (ICC-BH) avançasse em julho, na comparação com junho.

De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG), o ICC BH subiu para 35,20 pontos, apresentando uma alta de 6,17% na comparação com o mês de junho. Apesar do aumento, o índice permanece bem abaixo dos 50 pontos, nível que separa o pessimismo do otimismo.

PUBLICIDADE

Com o resultado de julho, o ICC-BH acumula queda de 7,56% no ano e de 4,66% nos últimos 12 meses.

Dentre os índices que compõem o ICC-BH, o Índice de Expectativa Econômica (IEE) apresentou uma alta de 10,38% em julho na comparação com o mês anterior, influenciado pela melhora na percepção dos consumidores em todas as componentes, principalmente sobre a Situação Econômica do País, com aumento de 18,85% em junho.

Mesmo com a alta, no acumulado do ano o IEE registrada queda de 11,32% e de 6,53% nos últimos 12 meses. Em relação à expectativa de inflação, o componente variou positivamente 7,89% em julho frente a junho. Já em relação ao emprego, o componente aumentou 4,89% na comparação mensal.

O Índice de Expectativa Financeira (IEF) apresentou aumento de 3,77% em comparação com o mês de junho. Mas caiu 6,92% no acumulado do ano e 3,88% nos últimos 12 meses. O item Pretensão de compras o único que apresentou recuo, com variação igual a 1,12%.

De acordo com a coordenadora de pesquisas da Fundação Ipead/UFMG, Thaize Martins, houve um avanço em relação à confiança do consumidor da Capital mineira em julho, mas, devido aos efeitos negativos da pandemia do Covid-19, o consumidor ainda está pessimista.

“Foi um resultado positivo no mês, mas ainda estamos com o índice de confiança muito baixo. A variação positiva se deve ao aumento da percepção sobre uma possível retomada da economia do País, o que vem sendo favorecido por algumas capitais já reabrindo o comércio e tentando voltar à normalidade. Porém, o resultado ainda está negativo. Para se ter uma ideia, o componente de pretensão de compra, antes da pandemias, ficava acima de 50 pontos, e está em 31,43 pontos. A confiança melhorou em julho, mas, continuamos com o índice muito baixo”, explicou.

Em relação à pretensão de compras, os grupos que lideraram a lista dos bens e serviços que os consumidores pretendem adquirir nos próximos três meses são: vestuário e calçados (13,81%), móveis (6,67%) e eletrodomésticos (5,71%).

Dia dos Pais – O maior pessimismo do consumidor de Belo Horizonte irá interferir de forma negativa nas compras para o Dia dos Pais. Além disso, o acesso restrito ao comércio e a queda da renda da população – resultados da crise provocada pela pandemia do Covid-19 – farão com que as vendas para a data comemorativa seja menos aquecidas para o comércio.

A pesquisa de Pretensão de compra para o Dia dos Pais, feita pela Fundação Ipead/UFMG, mostrou que apenas 33,81% dos entrevistados pretendem presentear no Dia dos Pais, esse percentual é o mais baixo dos últimos cinco anos.

Ainda segundo o levantamento, o valor médio dos presentes a serem adquiridos está 7,55% menor em 2020 quando comparado com o ano passado. O valor médio dos presentes reduziu de R$ 86,08 para R$ 79,58 neste ano, sendo este o menor valor da série histórica.

Dentre as faixas de valores para presentes, a de R$ 101 a R$ 150 foi a mais citada, representando 35% dos consumidores que pretendem presentear em 2020. A pesquisa mostrou também que 71,83% dos consumidores que pretendem presentear gastarão, neste ano, valor igual ou inferior ao que gastou no ano passado, indicando um Dia dos Pais menos aquecido para o comércio.

“A pesquisa mostrou forte queda na intenção de presentear. Também registramos o menor tíquete médio dos últimos cinco anos para a data. Com o comércio fechado, as compras são prejudicadas uma vez que nem todo consumidor se adapta às vendas on-line. Além disso, o acesso às vitrines e a visitação dos espaços físicos favorecem as vendas, o que vem sendo prejudicado com o fechamento das lojas”, explicou a coordenadora de pesquisas da Fundação Ipead/UFMG, Thaíze Martins.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!