COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
A utilização da capacidade instalada do parque industrial de Minas Gerais chegou ao mesmo patamar pré-pandemia | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

A atividade industrial de Minas Gerais cresceu, com resultados positivos para a maioria dos índices na comparação entre setembro e agosto de 2020. Os dados são da Pesquisa Indicadores Industriais (Index), divulgada ontem pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerias (Fiemg).

O faturamento industrial geral cresceu pelo quinto mês consecutivo, com aumento de 1% em setembro frente a agosto. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o índice geral subiu 7% e, no acumulado do ano até setembro, o faturamento apresentou recuo de 2,7%. Nos últimos 12 meses, o indicador diminuiu 3,2%.

PUBLICIDADE

A utilização da capacidade instalada foi destaque no período, retornando ao patamar pré-pandemia. Em setembro, o indicador marcou 81,2%, um avanço de 0,8 ponto percentual (p.p.) diante de agosto (80,4%). No entanto, o UCI permanece abaixo da média histórica (82,6%).

Segundo a analista de estudos econômicos da Fiemg, Júlia Silper, os números estão relacionados, principalmente, à retomada das atividades após a paralisação para atender às medidas de isolamento social, mas ressalta que a recuperação ainda é gradual.

“Antes da pandemia a atividade já vinha crescendo num ritmo mais lento e ainda é necessária uma recuperação de índices como a capacidade instalada no acumulado do ano, por exemplo”, diz.

Segundo a pesquisa, as horas trabalhadas na produção avançaram 1,9% na base comparativa de setembro com agosto e 2% na comparação com setembro de 2019. No acumulado do ano, as horas trabalhadas registraram queda de 5%, explicada pelo recuo de 6,3% na indústria de transformação.

Na comparação com agosto, o emprego da indústria geral cresceu 0,4%, já se comparado com setembro de 2019, o índice geral teve queda de 2,3%. De janeiro a setembro, o emprego cresceu 0,2% e, no acumulado dos últimos 12 meses, o índice avançou 1,2%.

“O emprego se manteve praticamente estável no acumulado do ano e podemos associar isso como resultado do programa do governo federal de preservação de postos de trabalho e da renda, que contribuiu para que não houvesse uma queda brusca do emprego no período”, explica.

Expectativas – Para os próximos meses, Júlia Silper destaca que a expectativa é que a atividade industrial continue crescendo. No entanto, como as perdas em 2020 foram muito expressivas, ela acredita que esse crescimento ainda não será suficiente para reverter o cenário negativo e que existem entraves que podem comprometer o ritmo de recuperação da atividade econômica.

“Alguns fatores negativos colaboram para que o nível de recuperação seja um pouco mais lento. Por exemplo, pautas que estavam em discussão e não avançaram como a reforma tributária, o endividamento público, o fim do auxílio emergencial que estimulou o consumo nesse período, além das novas ondas da Covid-19 que já estamos vendo na Europa”, conclui a analista da Fiemg.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!