COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa
Para 2020, companhia também espera conseguir abrir seu capital e ganhar competitividade | Crédito: Divulgação

Apesar da crise provocada pelo novo coronavírus, a Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) vai manter os investimentos previstos na expansão da rede de fornecimento de gás natural em Belo Horizonte, onde serão aportados R$ 80 milhões na rede residencial.

De acordo com o presidente da Gasmig, Pedro Magalhães, este ano foram concluídas as etapas nos bairros Gutierrez e Coração Eucarístico e a previsão é iniciar obras nos bairros Luxemburgo e Cidade Nova.

PUBLICIDADE

Do valor de R$ 80 milhões a ser investido, também está inclusa a expansão da rede para o Condomínio Alphaville, às margens da BR-040, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), e Jardim Canadá. Estas áreas estão em fase de desenvolvimento de projetos.

“Além destes bairros já citados, estamos esperando sair o alvará que permitirá as obras no Centro de Belo Horizonte. É uma reivindicação antiga da Gasmig e que deve ser liberada por agora pela Secretaria Municipal de Política Urbana. Esta é a única área que falta para fecharmos a rede de fornecimento de gás dentro do anel da Avenida do Contorno, que vai do Parque Municipal até o Mercado Central (que já tem a rede)”, explicou Magalhães.

Em relação à expansão da rede de fornecimento de gás para a indústria, estão em projeto, para ser executado em 2021, dois gasodutos. Um deles será a extensão do gasoduto de Betim, na RMBH, até Divinópolis, Centro-Oeste de Minas Gerais, e o segundo ligando Jacutinga a Extrema, ambas no Sul do Estado.

Privatização – Outro projeto que deve caminhar em 2020, segundo Magalhães, é a abertura de capital e privatização da Gasmig. O processo é considerado fundamental para que a Gasmig conquiste competitividade, investimentos e possa concorrer no mercado livre de gás. De acordo com Magalhães, ainda este ano, deve ser enviado à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) o projeto para a privatização.

“Espero, se a economia reagir, até o final do ano, que ocorra a abertura de capital da Gasmig. Já estamos caminhando com o projeto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para o registro. A abertura de capital é a sobrevivência da empresa. Não tem como uma empresa estatal ir para o mercado livre de gás. No mercado livre, podemos perder os principais clientes se não tivermos mobilidade, já que operadoras de outros estados podem participar”, afirma.

Em relação à comercialização de gás, em função da pandemia do novo coronavírus, que exigiu a implantação do isolamento para o controle da disseminação e suspendeu o funcionamento de diversas atividades econômicas, a demanda pelo produto está menor.

Além disso, muitas empresas estão aproveitando o momento de menor demanda para realizar reformas e manutenção, o que também contribui para um recuo no consumo. A queda na demanda pelo gás, de janeiro a meados de abril, foi de 35%.

Magalhães ressalta que, neste momento de crise que vem afetando a indústria, a queda dos preços do petróleo no mercado internacional permitiu que a Gasmig anunciasse nova redução nos valores do gás natural. No caso do gás voltado para a indústria, a redução foi de 7%. Para o gás natural veicular (GNV), o recuo chegou a 7,6%.

A nova redução é considerada importante para reduzir custos e garantir maior competitividade às indústrias, principalmente, no momento atual, quando o mercado vem sendo afetado de forma negativa pelas medidas de isolamento adotadas para o controle do novo coronavírus. Baseado nas condições atuais de mercado, a previsão é de que a próxima redução nos valores do gás, a ser anunciada em agosto, fique em torno de 20%.

De acordo com o presidente da Gasmig, no acumulado do ano até este mês, a queda nos preços do gás canalizado para a indústria já soma 12% e no gás veicular a redução foi de 13%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!