Romeu Zema recebeu o embaixador belga Patrick Herman | Foto: Pedro Gontijo / Imprensa MG

Após 100 anos da visita do Rei da Bélgica, Alberto I, e da Rainha Elisabeth, ao Estado de Minas Gerais, quando foram criados acordos que proporcionaram avanços econômicos em Minas Gerais, como a criação da siderúrgica Belgo-Mineira, a formação de parcerias e de acordos multilaterais foram avaliados como importante para o desenvolvimento futuro de Minas Gerais, do Brasil e da Bélgica. O assunto foi abordado em evento para a comemoração ao centenário da vinda do casal real à Capital, realizado no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte.

Durante o evento, o governador de Minas, Romeu Zema, destacou a importância da celebração da visita do casal real, que gerou desenvolvimento para o Estado.

“É um prazer estar aqui recendendo o embaixador da Bélgica. Hoje, fazemos uma homenagem aos 100 anos da visita dos reis belgas ao Palácio da Liberdade. Foi uma visita extremamente profícua, porque, logo depois, em 1921, devido aos frutos dessa visita surgiu a parceria que deu origem a uma das nossas mais famosas empresas a Belgo-Mineira, que hoje é ArcelorMittal. Desde então, tanto Brasil quanto Minas Gerais têm tido grandes laços culturais e de comércio com a Bélgica”, explicou.

O governador ainda explicou que novas parcerias com o país serão importantes para o desenvolvimento do Estado. Passados 100 anos, a parceria ainda gera frutos. Minas Gerais é o terceiro estado em volumes exportados para a Bélgica. Somente em 2019, as exportações somaram US$ 332 milhões. Os principais produtos destinados ao mercado belga foram o café, chás e minério de ferro.

“Nesse momento reitero que nós queremos continuar aquilo que foi proposto há 100 anos, que foi: o desenvolvimento, a parceria, os laços de amizade e os laços econômicos. Temos enviados para a Bélgica muitos produtos e acredito que essa parceria comercial tem muito a crescer e vamos trabalhar para que isso aconteça. No meu governo, tentamos avançar. Talvez nesses 100 anos, a Bélgica esteja, hoje, em um patamar que nós ainda não alcançamos. Infelizmente, o Brasil sempre tem sido mencionado como o eterno país do futuro, nós precisamos sair desse eterno e nos transformar no país do futuro”.

O embaixador da Bélgica no Brasil, Patrick Herman, destacou a importância de parcerias firmadas entre Minas Gerais e o país e reforçou a necessidade de continuidade em relação aos acordos multilaterais.

“A visita feita pelo casal real, há 100 anos, foi para promover a cooperação multilateral. Também foi uma visita focada na troca livre, nos investidores (siderurgia), na ciência e nas relações acadêmicas. Estamos hoje, após 100 anos, enfrentando uma pandemia e uma crise econômica, por isso, devemos trabalhar em conjunto. Hoje, entre os diferentes continentes, a hora é para a cooperação, a inovação e a formação de mais vínculos multilaterais. A história que celebramos hoje é uma grande ocasião para falar do futuro. Temos em Minas Gerais um parceiro econômico, tecnológico e acadêmico com visão de futuro em comum para Europa, Bélgica e Brasil”.

 

Expectativas – As expectativas em relação a novos negócios entre Bélgica e Minas Gerais são positivas. Além do possível aumento da demanda por produtos agropecuários e commodities, haverá tentativa para atrair investidores para o País.

“Naturalmente, tentaremos atrair mais investidores belgas para o Brasil, no âmbito das privatizações, das concessões e das parcerias público-privadas (PPPs). Esperamos que empresas belgas estejam presentes nos leilões para ajudar na renovação da economia pública e privada. Esperamos também ajudar os empregadores mineiros para comercializar e vender os produtos na Europa. A Bélgica é naturalmente o portão natural do grande continente europeu para as empresas”, disse o embaixador.

Governador defende reformas

Durante a comemoração do centenário da vinda do casal real da Bélgica a Belo Horizonte, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, voltou a falar da importância das reformas para que o Estado e o Brasil avancem. Segundo ele, nos últimos três anos, avanços foram conquistados com a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência, o que não aconteceu, segundo ele nas décadas de 1990, 2000 e 2010.

“A sociedade acordou e o parlamento tem consciência da importância dessas reformas. Isso vai proporcionar um futuro melhor a todos nós”.

Zema disse ainda que o governo estadual tem como meta trabalhar para que Minas Gerais supere o momento de crise vivenciado. Também tem desenvolvido ações para fomentar a atração de investimentos e proporcionar a melhoria do ambiente de negócios, o que vem sendo feito com medidas de desburocratização, que são essenciais para permitir que os empresários trabalhem sem travas impostas pelo governo.

“O que nós estamos fazendo em Minas Gerais é exatamente isso. Precisamos retirar as amarras que dificultam o empreendedor e o setor privado a trabalhar e, consequentemente, travam o desenvolvimento, a geração de empregos e os investimentos. Meu governo tem, como foco, exatamente isso, fazer com que o Estado seja forte, mas forte naquilo que precisa, na educação, segurança e saúde. O Estado não deve intervir em atividades ou em processos no qual não deveria estar adentrando”, disse Zema.